Palavra do Bispo

As 'armas' de Deus


Atravessamos situação crítica como poucas vezes aconteceu em nossa história como Nação. A causa não está somente nos milhares de mortos pela pandemia, e a situação precária da coordenação do socorro às vítimas. A situação se agrava pela onda de violência que se esparrama nos corações e mentes. Um incêndio alimentado pelo vento das ideologias.

Assusta ouvir pessoas que propõem a violência como solução para os problemas que nos assolam. Desde tempos ancestrais a violência é praticada, mas também condenada em todas as culturas. De fato, afirmava Lao-Tsé, muito antes de Cristo: “Mostrai-me um homem violento que tenha chegado a bom fim, e eu o considerarei meu mestre”.

Desde os albores da criação, conforme o relato bíblico, a violência é colocada como questionamento para a convivência e o futuro da humanidade. O episódio do assassinato de Abel por seu irmão Caim (Gn 4, 1-16) é emblemático. É a primeira vez que na Bíblia aparece a palavra pecado, justamente para designar a violência, derramamento de sangue, o modo como nos relacionamos com o próximo. Usar de violência, incitar a ela, não é o caminho de Deus. As ‘armas’ de Deus são outras.

Os profetas bíblicos falaram em nome de Deus da justiça e direito, como normas divinas para nortear o relacionamento do ser humano na sociedade. O profeta Isaías escreve que Deus julgará as nações segundo sua lei e a violência será extinta: “De suas espadas fabricarão enxadas, e de suas lanças farão foices. Nenhuma Nação pegará em armas contra a outra, e ninguém mais vai se treinar para a guerra” (Is. 2, 4).

Esta reflexão se impõe no momento atual que vivemos no Brasil quando uma nuvem tenebrosa se levanta para assombrar a Nação. Refiro-me à proposta de aumento de distribuição de armas de fogo para a população, através de leis que facilitem o porte de armas e o aumento do seu número para a população. Isso inevitavelmente aumentará a violência, que já é grande, na qual nos encontramos imersos. Violência que atinge, sobretudo, os pobres e excluídos da sociedade.

Distribuir armas à população, com a premissa de que todos devem se defender dos criminosos, não é solução para acabar com o crime. Um advogado famoso na Roma antiga, Cícero, já sentenciava a este respeito: “O extremo oposto da justiça é a violência”. A Justiça sim é remédio contra a violência. É esta que falta. A distribuição da Justiça através da aplicação das leis, sem o emaranhado jurídico que dificulta sua prática, gerando impunidade crônica.

Jesus sentenciou lapidarmente a este respeito: “Quem com ferro fere, com ferro será ferido” (Mt 26,52), algumas traduções trazem: “Todos os que usam da espada, pela espada morrerão”. Esta é a condenação absoluta do uso das armas de qualquer tipo. Condenação cabal da violência e sentença sobre os violentos. E ele o disse no momento de sua prisão, quando um dos seguidores pegou na espada para defendê-lo.

A Campanha da Fraternidade Ecumênica, promovida pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e o Conic (Conselho de Igrejas Cristãs), deste ano propõe-nos uma reflexão neste sentido. As ‘armas’ de Deus são a justiça e o direito levados avante pelo diálogo, a busca de unidade e da fraternidade. Tem como tema: Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor e lema: Cristo é a Nossa Paz: do Que Era Dividido, Fez uma Unidade (Ef 2,14).

A paz é o horizonte de todas as pessoas de boa vontade, pessoas de bem que seguem o propósito de Deus, pois Deus é o Deus da paz (1Cor 14,33). Não há coisa mais estúpida do que derrotar e vencer. A verdadeira glória é dar vida e convencer. Daí o valor do diálogo como proposta. É a ‘arma’ de Deus para a paz que todos queremos. E esta fé nos dá esperança, pois, por mais longa que seja a noite, ela terá um fim. 

Comentários


Veja Também


Voltar