Cena Política

PT ressabiado sobre futuro de Eduardo


A entrevista dada pelo vereador Eduardo Leite (PT), de Santo André, a este Diário e todo o desdobramento posterior trouxeram luz a um debate que há algumas semanas é feito por militantes do partido na cidade: a saída de Eduardo do petismo. O parlamentar sempre negou desejo de deixar a legenda, pela qual ele se elegeu vereador e pela qual seu pai, o ex-vereador e ex-secretário Antônio Leite, construiu carreira pública. Mas os últimos passos de Eduardo, como voltar a votar em Pedrinho Botaro (PSDB) como presidente da Câmara – a despeito de figurar na mesa diretora como primeiro secretário – e elogios públicos ao prefeito Paulo Serra (PSDB), levantaram suspeitas até mesmo de pessoas que sempre defenderam a atuação do petista. Tem militante cobrando a direção da sigla para dar ultimato a Eduardo, com prazo: se na eleição de 2022 o vereador não se engajar de corpo e alma em candidaturas petistas, que peça para sair. 

Em Brasília
O prefeito de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania), esteve ontem em Brasília, no lançamento do programa Prefeito + Brasil. O político disse que custeou do bolso a passagem para a Capital Federal. Conseguiu até tirar foto com Bolsonaro.

Reunião marcada – 1
O conselho de curadores da FUABC (Fundação do ABC) se reúne amanhã pela manhã para apreciar, entre outros itens, a indicação do vereador Almir Cicote (Avante), de Santo André, para comandar a Central de Convênios. Na primeira vez que o tema foi à pauta dos conselheiros, há três semanas, houve adiamento da discussão, sob alegação de que o Ministério Público precisaria dar parecer sobre se um vereador tinha competência para assumir a função.

Reunião marcada – 2
Esta coluna mostrou na semana passada que o Ministério Público retornou à presidente da FUABC, Adriana Stephan Berringer, positivamente acerca da indicação do vereador Almir Cicote para dirigir a Central de Convênios. Havia expectativa que o tema fosse pautado na semana passada, mas Adriana agendou somente para esta.

Reunião marcada – 3
O conselho de curadores terá 21 pessoas com direito a voto na reunião de amanhã. São dois conselheiros por cada uma das três prefeituras mantenedoras da FUABC (Santo André, São Bernardo e São Caetano); um indicado de cada conselho de saúde municipal (das três cidades já citadas); e um de cada câmara municipal (também dos três municípios). Ou seja, são 12 figuras das prefeituras que mantêm a FUABC. O restante é ligado à FMABC (Faculdade de Medicina do ABC): dois representantes de professores, um de médicos residentes, dois de alunos, um de ex-alunos, dois de funcionários e um de pais de alunos.

Cautela
Esta coluna apurou que o prefeito de Mauá, Marcelo Oliveira (PT), até pretende construir um hospital de campanha na cidade, mas tem receio jurídico sobre o tema. Isso porque ele foi uma das pessoas que apontaram existência de fraudes na montagem da unidade durante o governo do ex-prefeito Atila Jacomussi (PSB) – o MP deflagrou operação acusando o socialista de superfaturar o custo do equipamento. Marcelo pediu ao próprio MP se pode erguer a estrutura.

Atrito
O vereador Paulo Chuchu (PRTB), de São Bernardo, criticou duramente a decisão do prefeito da cidade, Orlando Morando (PSDB), seu aliado, sobre a decretação do toque de recolher noturno a partir de sábado. “Não fui eleito para concordar com toque de recolher na população de São Bernardo. Tipo ditadura? Interromper o direito de ir e vir da população? Comigo não!”, disparou. Ele também rebateu as declarações de Morando, ao jornal Folha de S.Paulo, que culpou o governo federal, chefiado por Jair Bolsonaro (sem partido), padrinho político de Chuchu – à publicação, tucano reclamou do negacionismo do presidente. Em vídeo, o vereador defendeu a União, citando envio de verbas e vacinas, bem como habilitação de leitos na cidade.

Comentários


Veja Também


Voltar