Palavra do Leitor

Acisa, 83 anos ao lado do empresário


Defender os interesses do empresário e buscar formas de contribuir para o sucesso de seus negócios sempre fizeram parte do DNA da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André), que está completando 83 anos de fundação com muita vitalidade e antenada com o futuro. Durante sua existência, a entidade deparou com diversos obstáculos, mas nada comparado ao atual momento, cujos desafios iniciados no ano passado continuarão presentes em 2021. A retomada econômica neste primeiro semestre ainda deverá ser muito tímida, haja vista que está intrinsecamente ligada à vacinação de boa parte da população, mas, enquanto isso, nós, empreendedores, precisamos continuar trabalhando para manter nossos negócios ativos e gerando empregos.

Na mesma trilha está a Acisa. Em 2020, como forma de dar contribuição ao empreendedor, reforçou parcerias com importantes instituições acadêmicas e de classe e criou a Academia de Negócios e Inovação. Por meio dela, promove palestras virtuais para aprimoramento profissional e capacitação técnica. A entidade questionou instituições financeiras por falta de crédito, prestou apoio público ao funcionamento noturno de bares e restaurantes e divulgou indignação contra multas aplicadas a comerciantes por clientes sem máscaras. Desenvolveu ainda plano de retomada econômica com a Prefeitura de Santo André, além de propor flexibilização econômica; enviou solicitação de reabertura gradativa do comércio ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e ofícios à Sabesp, Enel e Comgás propondo formas de cobranças diferenciadas a empresas que estiveram com portas fechadas e sem faturamento durante a fase vermelha do Plano São Paulo.

Em janeiro, divulgou seu repúdio quanto à elevação das tarifas de ICMS, pois o empresário pede urgência na reforma tributária e não aumento de impostos. Também foi protagonista de outras importantes ações, visando apoio total e irrestrito ao empreendedor, como intenso processo de transformação digital para facilitar o atendimento remoto dos associados, criou o guia empresarial gratuito, campanha de Natal Show de Prêmios e de incentivo ao comércio da cidade – Compre em Santo André –, além de obras de ampliação de suas instalações para locação de espaço colaborativo e salas de treinamento. Em razão de sua importância, a Acisa mantém representantes em 22 conselhos e comitês municipais, é grande defensora do fortalecimento do Parque Tecnológico de Santo André e participa do Bureau de Serviços do município, ao lado de outras 12 instituições. Podem surgir novos desafios, mas a entidade continuará sempre defendendo o empresário local, importante ator do desenvolvimento regional e gerador de empregos.

Pedro Cia Junior é presidente da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André).


PALAVRA DO LEITOR

Concordo!
Concordo em gênero, número e grau com a opinião do leitor Antonio Júlio C. Silveira (Atenção no voto em 2022, ontem), sobre o descaso com os aposentados deste País. Esses congressistas e demais políticos acham que os aposentados estão ‘mortos’, mas a nossa prova de vida será dada nas urnas nas eleições de 2022. Pois só iremos possuir Nação melhor e com dignidade por meio de mudança radical nessa ‘classe’ política do Brasil. E essa mudança será por meio do voto.
Sérgio Antônio Ambrósio
Mauá

Na calada
Sobre o radar no início da Via Anchieta, é de mister ressaltar que o Código Brasileiro de Trânsito, em todos os seus artigos, capítulos, incisos e resoluções posteriores que regem sobre o assunto, obriga a autoridade de trânsito – cuja jurisdição da via que está sob seu domínio – a implantar sinalização no mínimo uns 300 metros antes alertando sobre a existência do referido aparelho. Essa denúncia é para que os usuários passantes no local tomem conhecimento de mais uma possível ‘indústria de multas’ implantada na calada da noite pelo DER-SP.
Claudio Treffner
São Bernardo

Não está no DNA
Será mesmo que esta pandemia vai deixar alguma lição para os seres humanos? Duvido! Face só observar a tão esperada vacinação, uma vez que o correto seria começá-la pelos profissionais de saúde que estão diretamente ligados ao combate da Covid-19, e não todos os profissionais de saúde como está acontecendo. Como pode médicos, dentistas, psicólogos, veterinários, farmacêuticos, entre outros que não estão na linha de frente, já estarem vacinados, enquanto idosos com mais de 80 anos ainda aguardam data para se imunizarem? É muita falta de coerência esse plano de imunização, pois se idosos são de fato o maior grupo de risco, não há o que se discutir: vacinar os profissionais da saúde que estão na linha de frente e os idosos simultaneamente. E, após esses grupos, estender aos demais profissionais de saúde. Após a pandemia quem é egoísta continuará egoísta, quem não tem empatia assim seguirá sua jornada. Respeito, empatia e responsabilidade deveriam de fato fazer parte do DNA das pessoas. Mas não fazem!
Thiago Scarabelli Sangregorio
São Bernardo

Esquecimento
A votação quase unânime do direito de não esquecimento é muito simbólica para o momento atual (Política, ontem). Estão tentando fazer com a Lava Jato justamente o contrário, querendo que o povo a esqueça, para redimir ladrões e torná-los palatáveis. Aceitaram conversas hackeadas, roubadas, portanto, sem valor. Nós temos o direito de também lembrar aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) não esquecer o que a Lava Jato, juízes e procuradores fizeram de útil e importante pelo nosso País. Sem divergir!
Tânia Tavares
Capital

Eu voltei!
Agradeço à manifestação do amigo João Paulo de Oliveira, por, publicamente nesta Palavra do Leitor (Hildebrando Pafundi, dia 28), lamentar a falta de minhas missivas. Ele lembrou que minha carreira jornalística teve início neste prestigioso Diário, na década de 1960, registrado neste em 1968. Depois passei a trabalhar na antiga sucursal ABC do Estadão, em Santo André, onde permaneci por mais de 20 anos. Nesse período retornei ao Diário mais duas vezes. Mas depois de muitos anos como jornalista me aposentei em 2000. No entanto, antes de me aposentar, já havia iniciado atividade de escritor, escrevendo e publicando contos e crônicas, que foram publicados em revistas e jornais literários, além de participar de concurso com vários textos premiados. Sobre a falta de minhas missivas nesta coluna, isso tem ocorrido porque o problema da falta de computador ainda permanece, o que me obriga a procurar lan house, ou a escrever manualmente e enviar a carta pelo correio ou entregar em mãos na portaria do jornal, como acabei de fazer com esta.
Hildebrando Pafundi
Santo André
 

Comentários


Veja Também


Voltar