Memória

Para não esquecer o Ribeirão do Soldado Como vai o riacho do seu bairro? Você sabia que o frango com polenta resiste?


“O Córrego do Sapateiro, no Ibirapuera, tem uma história interessante, durante uma parte do século XX margeou o antigo matadouro da Vila Mariana, cujo prédio foi ocupado pela Cinemateca Brasileira, hoje em risco de abandono.”

Geraldo Nunes: Blog do Geraldo Nunes: São Paulo guarda debaixo do asfalto uma bacia hidrográfica por onde passam avenidas

Leitor amigo do Grande ABC. Olhe pela janela, dê um passeio em seu bairro. Descubra o seu rio.
O Córrego Utinga divide São Caetano de Santo André e ainda tem trechos descobertos, apontando em direção ao Tamanduateí.
O Ribeirão dos Couros cruza Diadema em direção ao Ribeirão dos Meninos, depois de passar por Rudge Ramos.
Em Rio Grande da Serra é possível acompanhar o leito original do Rio Grande, principal formador da Represa Billings, que nasce em Paranapiacaba.
O Córrego Corumbé, do Jardim Zaíra, em Mauá, denomina até mesmo um movimento cultural da cidade.
Ribeirão Pires tem rio até no nome.
O jornalista e historiador Geraldo Nunes, do eterno São Paulo de Todos os Tempos, tem em seu blog um artigo maravilhoso sobre os rios encobertos pela cidade na Capital paulista. Acompanhem. É de arrepiar. Basta acessar o blog acima indicado.
Gente: descubra o riacho do seu bairro. Veja onde ele nasce. Por onde passa. Onde deságua. Mais que um condutor de águas poluídas da civilização, como diz o ambientalista Gilberto Marson, todo leito aquático é sinal de vida. Salvá-lo. Cuidar dele. Preservá-lo é uma missão didática, educacional. Exemplo para o seu filho, para o seu neto, para as gerações hoje tristemente chamadas de gerações de condomínios.
E quando puder, visite o vale do Ribeirão do Soldado, e aproveite para matar a vontade de um frango com polenta e radici. Ainda existe. É o prato principal das colônias, hoje servido por chefs dos grandes restaurantes que fecharam e que se uniram numa cooperativa gastronômica, como as cantinas de antigamente.
A nova cantina fica a poucos metros do portal de acesso à Estrada do Ribeirão do Soldado, no Demarchi querido.

Diário há meio século

Sábado, 6 de fevereiro de 1971 – ano 13, edição 1454

Manchete – Apolo: o regresso preocupa a Nasa
Após a euforia provocada pela descida de mais dois homens na Lua, os cientistas demonstraram apreensão quanto à possibilidade do regresso dos astronautas.

CARNAVAL DE TODOS OS TEMPOS
- Em 1991, clubes tradicionais do Grande ABC cancelavam bailes noturnos do Carnaval.
- Em 1921, nesta data, a Sociedade Recreativa e Dramática Maria Falcão realizava um grande baile carnavalesco em sua sede, na Rua do Carmo.

Em 6 de fevereiro de...

1956 – Sesi organizava o V Torneio Industrial de Futebol do ABC, aberto a times das indústrias locais. O campeão de 1955 foi a Companhia Swift, de Utinga.

O Cachorrão
Texto: Milton Parron

Se estivesse vivo, neste 6 de fevereiro ele estaria comemorando 82 anos de vida, sempre com aquele jeito de moleque travesso.

Jair Rodrigues, um artista que o Brasil amava e jamais o esqueceu, o “Cachorrão”, como Elis Regina e todos seus amigos o tratavam carinhosamente, será o personagem do programa Memória deste fim de semana.

Muitas de suas entrevistas para os mais variados programas da Bandeirantes e de outras emissoras foram editadas e farão o pano de fundo do Memória.

Também um raríssimo programa do Projeto Minerva, do Ministério da Educação, dos tempos da ditadura de 1964, gravado por Jair nos estúdios da rádio Bandeirantes, que será apresentado quase na íntegra.

Trata-se de documento precioso até pelo fato de que apenas trecho do referido Projeto Minerva foi ao ar.

Muitas brincadeiras e, paradoxalmente, os momentos de tristeza que Jair, pobre e órfão de pai, viveu nos tempos de menino, sempre sob a proteção de sua mãe, que se desdobrava em trabalhos diversos para sustentar os filhos.

Um programa que levanta o ânimo de qualquer pessoa graças ao exemplo de Jair Rodrigues, que atingiu o estrelato, fez fama e um razoável pé de meia, além de constituir uma belíssima família, partindo do zero. É comovente o orgulho como falava da mulher e do casal de filhos ainda pequenos.

Nota da Memória – Milton Parron não diz, mas ele conviveu de perto com Jair Rodrigues e todos os grandes nomes da fase áurea musical da TV Record, dos grandes festivais, de programas inesquecíveis como O Fino da Bossa.

Jornalista da emissora à época, detentor de vários prêmios, inclusive o cobiçado ‘Roquete Pinto’, Parron possuí um acervo riquíssimo daquele tempo, além de uma memória privilegiada que a própria Band deveria usar mais.

EM PAUTA – Rádio Bandeirantes AM (840) e FM (90,9) –  E Com Vocês, Jair Rodrigues</CF>. Produção e apresentação: Milton Parron. Hoje, às 22h, ou após o futebol, com reprise amanhã às 7h e durante madrugadas da semana.

Comentários


Veja Também


Voltar