Setecidades

Estado prevê mobilização de 52 mil profissionais de saúde para vacinação contra Covid


Em coletiva de imprensa, no início da tarde desta segunda-feira (11), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apresentou o programa de logística para o início da campanha de vacinação contra a Covid-19, por meio da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech e pelo Instituto Butantan. A campanha - prevista para iniciar no dia 25 de janeiro - ainda precisa da aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), mas o governo estadual já prevê uma mobilização de pelo menos 75 mil profissionais para trabalharem na vacinação. Do total, 52 mil são profissionais de saúde, que desempenharão o trabalho nos equipamentos municipais e estaduais para preparo e organização dos espaços, aplicação e registro de sistema e funcionalidade da plataforma. O restante - 25 mil profissionais de segurança -, auxiliarão a escolta das vacinas e segurança nos pontos de imunização. 

O secretário-executivo, Eduardo Ribeiro, lembra que pelo menos 10 milhões de doses já estão "disponíveis" em solo brasileiro, e em São Paulo, o deslocamento das doses percorrerão trechos do Instituto Butantan para Central de Logística e Distribuição do Estado, e assim, destinadas aos municípios. "Serão 5.200 salas de vacinação abastecidas em tempo oportuno, podendo ser ampliado para 10.000 locais, utilizando também escolas, quartéis e terminais de ônibus", comenta. "A capacidade logística é a entrega de 2 milhões de doses por semana por 70 rotas semanais em todo Estado", completa. 

Além disso, o plano de vacinação ainda contará com 5.200 câmaras de refrigeração e manutenção nos 25 centros de distribuição regional. "São Paulo ainda dispõe de 75 milhões de seringas e agulhas para a vacinação. Dessas, 20 milhões já foram distribuídas na rede de municípios e 50 milhões serão entregues até agosto", completa Eduardo. 

O governador de São Paulo reforça o pedido da aprovação da vacina pela Anvisa. "É preciso que tenhamos senso de urgência e agilidade. Respeito pela ciência, estudos, pela Anvisa, mas que tenhamos respeito, sobretudo, pela vida", complementa Doria. 

Comentários


Veja Também


Voltar