Economia

Setor de serviços retoma investimentos no Estado


A Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo (Piesp), da Fundação Seade, revela que no terceiro trimestre de 2020 houve retomada dos investimentos no segmento de serviços. Estes concentraram mais de 60% dos R$ 5,6 bilhões apurados no período em todas as regiões. Na comparação com o trimestre anterior, os investimentos em serviços cresceram quase quatro vezes, obtendo seu melhor resultado em cinco trimestres analisados.

Por regiões
Analisando-se as fatias regionais desses recursos em 2020, R$ 4,0 bilhões foram direcionados à Região Metropolitana de São Paulo. Na sequência, vêm as regiões de Araçatuba (R$ 511 milhões), Campinas (R$ 481 milhões), Sorocaba (R$ 187 milhões), São José do Rio Preto (R$ 98 milhões), Ribeirão Preto (R$ 29 milhões), Presidente Prudente (R$ 16 milhões), Santos (R$ 1 milhão) e São José dos Campos (R$ 500 mil).

Destaques
Entre os 17 subsetores dos serviços para os quais foram destinados investimentos ao longo dos nove meses de 2020, sobressaem as atividades imobiliárias (R$ 2,0 bilhões) e o ramo de aluguéis não imobiliários (R$ 1,3 bilhão), seguidos pela prestação de serviços de informação (R$ 724 milhões), atividades esportivas, de recreação e lazer (R$ 503 milhões) e serviços de saúde (R$ 455 milhões).

Recuperação da construção
Segundo a Seade, a expansão dos investimentos nas atividades imobiliárias reflete a gradual recuperação da construção civil. Entre os empreendimentos de maior valor, incluem-se o complexo corporativo de alto padrão em São Paulo, dois shopping centers de outlets, em Guarulhos e São Roque, e o desenvolvimento de novas tecnologias para gestão de condomínios por empresa especializada de Campinas. Destaques em outras atividades são os investimentos na expansão da frota de caminhões para locação no agronegócio e para fins logísticos e em mobilidade urbana nos sistemas de compartilhamento de bicicletas.

Negócios regionais
? Araçatuba e Birigui ampliaram em 87% no ano em média as exportações para o mercado americano. Foram US$ 5,95 milhões exportados entre janeiro e setembro, mais de R$ 32 milhões. (Folha da Região).
? A Natura inaugurou esta semana o seu novo centro de inovação, em Cajamar. Possui quase 3 mil metros quadrados e reúne laboratórios com algumas das estruturas mais avançadas da América Latina.
? Começou a operar em Campinas a Usina Verde, que processa compostagem orgânica destinada à agricultura a partir da poda de árvores, corte de grama, sobras de vegetação, sobras de frutas e verduras da Ceasa e material orgânico do sistema de tratamento de água e esgoto. É a primeira pública desse gênero no país.
? A Tereos doou 85 mil mudas de árvores nativas para o reflorestamento da Floresta Estadual do Noroeste Paulista, em Rio Preto, atingida recentemente por incêndios.
? O grupo Asperbras adquiriu da Caio 132 ônibus que vão fazer parte de projeto de transporte de Angola, na África.

Conjuntura
? Os pequenos negócios recuperaram 443 mil empregos de julho, segundo o Sebrae.
? A produção da indústria elétrica e eletrônica cresceu 5,9% em setembro em relação a agosto, e com isso a produção do setor ultrapassou os patamares observados no início deste ano.
? A produção industrial teve alta de 5% no Estado de São Paulo na passagem de agosto para setembro.
? O total de recursos liberado para financiamento de veículos atingiu R$ 15,25 bilhões em setembro, 8% superior ao registrado em idêntico mês de 2019 e 11,6% superior ao de agosto.

No Grande ABC
Apesar da forte crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, a balança comercial da indústria do Grande ABC começa a dar sinais de recuperação e ficar no azul. De janeiro a outubro deste ano, o resultado foi de superávit de US$ 384,66 milhões, segundo levantamento do Diário do Grande ABC, da Rede APJ (Associação Paulista de Portais e Jornais).

Felicidade coletiva
Cidades felizes e a busca pelo bem-estar coletivo serão o foco do Smart City Session, evento online sobre smart cities, organizado pelo iCities, que será realizado no Brasil dias 8 e 9 de dezembro. Segundo os organizadores, a busca pela felicidade e bem-estar, que foi encarada por muito tempo como um assunto pessoal e restrito, vem ganhando protagonismo como aspecto coletivo, de comunidade. Não somente pela saúde física, mental e emocional de cada indivíduo, mas também pela construção de uma sociedade mais feliz, inclusiva, pacífica, colaborativa e economicamente melhor distribuída.

Frase
“Nos últimos anos, vêm se multiplicando as pesquisas e levantamentos, até da ONU, sobre os impactos de cidades e países que investem na felicidade coletiva”, diz o professor Gustavo Arns, idealizador do Congresso Internacional de Felicidade. “O poder público, a partir dessas pesquisas, começa a trabalhar em políticas voltadas ao bem-estar, colocando não apenas o crescimento econômico como meta, mas a felicidade de sua população. Isso passa transversalmente pela segurança pública, saúde, educação, chegando inclusive a modificações na legislação”. 

Comentários


Veja Também


Voltar