Confidencial

Cachorrão está credenciado ao acesso


É para se aplaudir de pé o feito que o EC São Bernardo alcançou na semana passada, no Estádio 1º de Maio, no reinício do Campeonato Paulista da Série A-3. Na sexta-feira à tarde, o Cachorrão recebeu o Desportivo Brasil, em duelo de equipes que disputam vaga no mata-mata da competição. O resultado todos sabem: vitória alvinegra por 3 a 1, de virada, o que já é digno de aplausos. Porém, o que acredito ser mais impressionante é a forma como o time foi buscar esse resultado. Isso porque, às vésperas do duelo, o técnico Renato Peixe perdeu 15 jogadores que testaram positivo para a Covid-19, além de três integrantes da comissão técnica. Além disso, o time são-bernardense tinha ainda dois desfalques por lesão e outros dois por suspensão, totalizando 19 baixas. E assim, de repente, o treinador se viu sem saída e a única alternativa era improvisar. Foi assim que o volante Yuri virou zagueiro, o atacante Gustavo foi recuado para a cabeça de área, e também atacante Wilson acabou deslocado para a lateral e o quarto goleiro, Faccas, assumiu a responsabilidade da titularidade em razão do desconforto no ombro do veterano Maurício, que ainda foi para o banco de reservas para fazer número. Isso porque, além dele, a suplência do EC São Bernardo só tinha outras duas opções, casos de Tony e Matheus Mangolin. Tinha tudo para dar errado, mas é possível que um fato ocorrido na antevéspera tenha mudado o destino daquele jogo: segundo informações, o Cachorrão contatou o adversário solicitando o adiamento do embate, mas recebeu a negativa. Tenho certeza que Renato Peixe utilizou isso para motivar ainda mais os jogadores, que se desdobraram em campo, alguns suportaram problemas musculares quando não havia mais substituição, para dar os três pontos para a equipe, aproximando-a da classificação para as quartas de final da Terceira Divisão.

É difícil afirmar com certeza que tal situação é consequência de um retorno precoce do futebol ainda em meio à pandemia. Por outro lado, outros campeonatos regressaram antes mesmo da A-3 e foram poucos os problemas como este vivido pelo EC São Bernardo. E vimos casos com desfechos diferentes, com entendimento de outras partes envolvidas, como no caso de Guarany de Sobral-CE e Salgueiro-PE, que se enfrentariam pela Série D do Brasileiro. A equipe cearense teve 12 dos 24 jogadores inscritos acometidos pela doença. O time pernambucano, de maneira muito nobre, se solidarizou e aceitou o pedido de adiamento. Mas este exemplo acaba não sendo regra. Afinal, não só o EC São Bernardo teve de se virar com os desfalques, como outros times tiveram até pedidos indeferidos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (caso do Palmas-TO, que teve oito infectados, entrou com a solicitação do adiamento, que foi negada). O próprio Flamengo, que está com sete jogadores afastados pelo novo coronavírus, terá de entrar em campo hoje à noite para cumprir seu compromisso contra o Barcelona-EQU, pela quarta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. O Rubro-Negro bem que tentou, mas a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) manteve a partida.

Independentemente do time que for, existe grande prejuízo jogar sem parte do elenco. Mesmo no Flamengo, apesar de ter grupo numeroso e qualificado, mexe naquilo que o treinador pensa como o ideal. Imagine então o estrago que não causa no Palmas-TO e, principalmente, no EC São Bernardo. Acontece que talvez o Desportivo Brasil não imaginasse que aqueles 14 homens que levaram o escudo do Cachorrão no peito na sexta-feira representariam a tradicional camisa alvinegra da melhor forma, lutando até o fim, pela conquista dos três pontos. Estão todos de parabéns – inclusive o atacante Chuck, que completou 50 partidas pelo clube. E não tenho dúvida que este jogo aumentou a certeza do técnico Renato Peixe sobre o grande elenco montado. É com comprometimento e determinação que se vai longe. E quero acreditar que o EC São Bernardo se credenciou como um dos principais candidatos ao acesso e até mesmo ao título da Série A-3.

EXPECTATIVA
Toda a delegação do EC São Bernardo será reavaliada hoje para se saber se algum jogador poderá ser liberado e confirmar que nenhum outro se contaminou. A suspeita é que os atletas – assim como os três integrantes da comissão técnica – tenham se contagiado entre si durante a estadia do Cachorrão em Mirassol, onde realizou período de treinos preparatórios para a volta da Série A-3. Será que até sair a tão esperada vacina, esta situação de testagem e exames positivos farão parte do novo normal?

HAJA CORAÇÃO
Depois de o São Caetano avançar para as semifinais da Série A-2 nos pênaltis sobre o Monte Azul, o São Bernardo FC seguiu o mesmo caminho emocionante e só conseguiu despachar o Juventus nas penalidades. Sinceramente eu achava que as vidas dos vizinhos do Grande ABC seriam mais fáceis nesta reta final rumo ao acesso. Me enganei. E hoje começam as semifinais. Vejo o Tigre com um caminho mais complicado diante de um ascendente São Bento, invicto sob comando de Edson Vieira. Já o Azulão reedita a final da Copa Paulista do ano passado com o XV de Piracicaba, que deve estar entalado com a perda do troféu e da vaga na Série D do Brasileiro. Aposto nos times da nossa região, mas novamente serão daqueles jogos chamados de teste para cardíaco. 

Comentários


Veja Também


Voltar