Cena Política

Filippi caminha para decidir nome a vice


Pré-candidato à Prefeitura de Diadema pelo PT, o ex-prefeito José de Filippi Júnior tem intensificado os diálogos para composição de chapa na eleição de novembro. Houve conversa sobre a possibilidade de chapa pura, mas a coordenação da pré-campanha entende ser necessário apostar em um vice de outra legenda – embora Filippi tenha sido prefeito da cidade por três vezes e nutre interessante recall eleitoral, a observação é a de que o PT ainda possui restrições no município. O diálogo que mais avançou até agora é de alocar Vera Lúcia Rocha, ex-presidente da ACE (Associação Comercial e Empresarial) de Diadema, como parceira da chapa de Filippi. Vera está no Avante, sigla que foi montada para eleger de um a dois vereadores, nas contas de seus dirigentes.

Esquecimento
O deputado federal Alex Manente (Cidadania), com domicílio eleitoral em São Bernardo, organizou ontem live com o ex-ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro. Em uma hora e dez minutos de diálogo, o foco foi a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que autoriza o cumprimento de pena após a condenação em segunda instância. Entretanto, nenhuma vez Alex citou a denúncia formulada por ele a Moro, em janeiro de 2019, pedindo que casos de corrupção envolvendo o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), fossem apurados em Brasília – hoje, Alex está alinhado ao tucano.

Sugestão
Pré-candidato do PT à Prefeitura de São Bernardo, o ex-prefeito Luiz Marinho repercutiu a notícia do Diário sobre a investigação em curso no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, contra o prefeito Orlando Morando (PSDB) – a apuração é se o tucano lavou dinheiro em transações imobiliárias. “A próxima reforma que Orlando Morando terá de fazer é construir uma sala com café e rosquinhas para receber os investigadores no Paço. Toda semana o prefeito de São Bernardo aparece nas páginas policiais com mais uma investigação em seus calcanhares.”

Bancada coletiva
Enquanto não define se terá candidatura própria à Prefeitura de São Bernardo ou se apoia o ex-prefeito Luiz Marinho (PT), o Psol anunciou que terá uma candidatura coletiva por uma das 28 cadeiras na Câmara da cidade. Denominado bancada luta coletiva, o grupo terá na urna a imagem da professora Sueli Alves, feminista e ativista desde 1990, mas contará com suporte de Eder Alexandre, Fernando Che, Jayme Perin Garcia e Rosana Camilo. “O grupo surge com o intuito de construir uma gestão horizontal e popular na cidade. A bancada aposta em uma unidade política em defesa da juventude negra periférica, das mulheres, dos trabalhadores (as), da comunidade LGBTQI+, dos povos originários, das pessoas com deficiência e dos animais”, anunciou o bloco.

Cidadão andreense
A Câmara de Santo André aprovou a concessão de título de cidadão andreense ao delegado Gilmar Bessa, responsável pela investigação policial do escândalo do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) – no governo de Aidan Ravin (Republicanos) – e chegou a ser convidado a dirigir o departamento de trânsito na gestão do ex-prefeito Carlos Grana (PT).

Outdoors
O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) rejeitou recurso do partido Patriota de Mauá, que havia ingressado com representação eleitoral contra o pré-candidato João Veríssimo (PSD) por espalhar faixas em homenagem ao Dia das Mães. Em primeira instância, depois de liminar favorável, o Patriota viu o juiz local entender como legal a alocação da propaganda. Recorreu e voltou a sofrer revés. 

Comentários


Veja Também


Voltar