Palavra do Leitor

Home office: sonho ou pesadelo?


Antes do novo coronavírus eclodir no Brasil, milhares de pessoas tinham o sonho de poder trabalhar de casa. Conciliar o serviço com as outras atividades do dia, ter mais tempo com os familiares e amigos e conseguir atuar dentro do horário comercial, sem precisar enfrentar o trânsito nem encarar transportes públicos lotados, pareciam a solução de grande parte dos problemas. Depois de semanas sendo obrigados a trabalhar em modelo home office para evitar a proliferação da doença, pergunto: será que o sonho virou pesadelo?

É óbvio que as condições atuais não faziam parte do cenário que em outro tempo imaginávamos. Se por um lado, de repente, muitos indivíduos se viram trabalhando em casa, junto com a presença integral das pessoas com quem dividem o lar e em ambiente improvisado, por outro, empresas que nunca tinham adotado o trabalho remoto encontraram enormes dificuldades para gerenciar o negócio a distância, uma vez que as cobranças e os direcionamentos passaram a ser feitos por e-mail e videoconferências. Estamos tendo tempo o suficiente para nos adaptarmos a essa nova realidade e acredito que essa mudança no mercado de trabalho veio para ficar.

Pesquisa realizada pela consultoria Cushman & Wakefield, especializada em serviços imobiliários comerciais, aponta que quase 74% das companhias pretendem instituir o trabalho remoto depois que a crise passar. A organização entrevistou 122 executivos de multinacionais que atuam no Brasil.

Trabalhar sozinho exige muito foco e disciplina para que a rotina seja satisfatória e é difícil encontrar a performance ideal para fugir das armadilhas que estar em casa proporciona. Estabelecer regras, horários e pontuar as prioridades como se estivesse no escritório são fundamentais para que você seja produtivo.

E lembre-se: estar em casa não significa se esforçar mais que o necessário. A mente precisa descansar e temos que dedicar tempo para ficar com os filhos, ler, estudar, praticar exercícios e fazer o que quisermos, dentro dos nossos limites atuais.

Sou apaixonado pelas pessoas, por dividir o meu dia com os outros e espero que em breve toda a situação em que nos encontramos hoje melhore.

Ainda que tenhamos que trabalhar de dentro das nossas casas para sempre, que o ir e vir seja livre para podermos encontrar nossos parentes, amigos e quem tanto nos fez falta durante a quarentena e o isolamento físico. Enquanto isso, não se sinta solitário. Use as ferramentas digitais a seu favor e mantenha boa comunicação com a sua equipe. Se tudo der certo, logo estaremos juntos!

Renato Alves é diretor de expansão da empresa Bicalho Consultoria Legal.


PALAVRA DO LEITOR

Vivo
A Vivo está aprontando de novo! Devido à crise de pantomima, a operadora está dando preferência a eventuais chamadas de emergência. Nada contra. Mas simplesmente colocar linhas fora do ar não é justificável! A linha de amiga idosa em Perdizes, em São Paulo, fica simplesmente desligada. O que ela deve fazer caso tenha emergência? Será que a conta também fica suspensa? Ligar para 10315 e ouvir a mensagem importante: devido à evolução do coronavírus a Vivo tomou a decisão de dar prioridade... etc. Mas solução, nada!
Serge R. Vandevelde
São Bernardo

Melhor já ir usando
Após a prisão de Fabrício Queiroz, o presidente Jair Bolsonaro tem aparecido devidamente mascarado, não por causa da Covid-19, que ele diz não temer, mas para se proteger do fedor, que se tornou insuportável.
José Marques
Capital

Desastrosos
Que a administração de Jair Bolsonaro é desastrosa e pífia, isso não se pode negar. Mas muito me admira Lula e FHC criticá-lo publicamente. Estão cobrando ações do atual mandatário que eles mesmos não tomaram quando estavam no comando do Brasil. Péssimos gestores, que não fizeram nada e agora posam de analistas, apontando as mais diversas falhas do ex-capitão. Cada um deles ostentou o posto por oito anos e o que fizeram pelo País, pelo povo,pelos mais necessitados? Enquanto um salvava bancos falidos, nos chamava de ‘vagabundos’ e sustentava amante na Espanha com dinheiro ilícito, o outro foi o articulador do Mensalão, do Petrolão, dos escândalos do sítio de Atibaia e do triplex do Guarujá. Isso fora diversas outras irregularidades de ambos que não caberiam nesta democrática coluna Palavra do Leitor.
Carlos Alberto Oliveira
Santo André

Erramos? Paciência!
Com gordas aposentadorias, além dos privilégios, FHC enquanto presidente desvinculou reajustes dos aposentados, antes os mesmos do salário mínimo. Depois dele, a cada ano recebendo sempre menos, muitos nem para comprar remédios têm. E ainda os chamou de ‘vagabundos’. Também traiu o então ministro da Saúde Adib Jatene gastando indevidamente o imposto do cheque criado para salvar a Previdência Social. Votamos em Bolsonaro, insistentemente atacado, para nos livrarmos dos sanguessugas que temos no poder público. Erramos? Paciência. As opções eram piores! E ao contrário do que os privilegiados dizem, queremos democracia, sim, mas não é isso que temos aqui. E com ela um Brasil mais justo e honesto, com menor desigualdade social. Brasil do qual nos orgulhemos, pelo qual trabalhamos, pagamos, merecemos e não temos! Muda, Brasil!
Nilson Martins Altran
São Caetano

Idosos na luta
Estamos passando por momentos muito difíceis, por causa do coronavírus, por falta de bom-senso. Dizem que os idosos correm mais risco, mas não falam dos idosos que, mesmo correndo risco, não se afastaram da luta pelo próximo, caso de dona Cotinha, negra com 93 anos de idade, que continua arrecadando alimentos para doação e sempre com sorriso no rosto, uma palavra de esperança para quem procura sua casa. Tenho certeza que existem muitas pessoas como dona Cotinha, mas, infelizmente, as que estão na mídia em geral são as canalhas que ignoram o sofrimento do povo. São mal informados e, pior ainda, conformados. O vírus vai passar, como já passaram outros. Mas e os canalhas?
Benedito da Silva Lemes
São Bernardo

Mundo da Lua
Não bastasse o desgoverno de Jair Bolsonaro, como se estivesse também no mundo da Lua, o grupo Prerrogativas, formado por advogados, por absoluta ciumeira, deseja impedir que o competente ex-magistrado e ex-ministro da Justiça Sergio Moro receba a carteira e autorização da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para poder advogar! Não é insanidade?
Paulo Panossian
São Carlos (SP)

Brasil e Covid
O trauma do coronavírus é mundial, mas a China, nascedouro da pandemia, cresce sob controle, como se tivesse engendrado o grande mal, enquanto os demais países só têm prejuízo. No Brasil o impacto foi maior. Quando virou a página de 16 anos de inúmeras frentes negativas e da maior corrupção à face da Terra, começou a decolar, mas surgiu o coronavírus, absorvendo parcos recursos financeiros e, devido à situação, evidenciou vestígios da arraigada corrupção na aquisição de insumos médicos. São fundamentais economizar, união e proteção individual vital à proteção coletiva, mas nada disso acontece. Exceto os três poderes, as demais classes no maior e mais variado sufoco. Impera a desunião no combate ao inimigo comum: Covid-19. E parcela significativa sentindo-se como se em férias estivesse. Pandemia vai se prolongar e teremos maior dificuldade para recuperação financeira.
Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha (ES) 

Comentários


Veja Também


Voltar