Nacional

Farmácias de São Paulo poderão aplicar vacina da gripe


Para evitar aglomerações de idosos nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) durante a campanha de vacinação contra a gripe, prevista para começar no próximo dia 23, o governo do Estado de São Paulo vai tentar fazer uma parceria com a rede privada de farmácias - para que elas também apliquem vacinas do calendário do SUS (Sistema Único de Saúde).

Segundo o coordenador do Centro de Contingência contra o Coronavírus do governo do Estado de São Paulo, David Uip, a rede privada "será convidada" a oferecer as vacinas contra a gripe e o sarampo. Os pacientes seriam imunizados gratuitamente, como nos postos. "Seria uma opção a mais de local para tomar a vacina, mas a vacinação nos postos de saúde continuará normalmente", explicou.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que, na próxima segunda-feira, o ministério deverá liberar para distribuição aos Estados as primeiras 10 milhões de doses que serão usadas na campanha de vacinação contra a gripe. No total, serão cerca de 75 milhões de doses colocadas à disposição para a população-alvo.

O governo federal decidiu antecipar a campanha neste ano, que começaria só em abril, por causa da ameaça do coronavírus. Embora a vacina contra a gripe não proteja contra a nova doença, ele poderá evitar de forma mais precoce casos de complicação da gripe, o que sobrecarregaria o sistema de saúde em um momento de crise.

Na campanha deste ano, o primeiro grupo a ser vacinado, a partir de 23 de março, serão os idosos e trabalhadores da área da saúde. A segunda etapa da campanha de imunização, prevista para ocorrer a partir de 16 de abril, contemplará professores e profissionais das forças de segurança e salvamento.

Na terceira fase, a partir de 9 de maio, entrarão os demais grupos (crianças de 6 meses a menores de 6 anos, doentes crônicos, pessoas com mais de 55 anos, grávidas, mães no pós-parto e população indígena).

A mobilização nacional para o "Dia D" da vacinação contra a gripe está marcada para o dia 9 de maio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários


Veja Também


Voltar