Política

Morre ex-deputado estadual Waldir Cartola


Atualizada às 22h12

Deputado estadual entre 1995 e 1999, Waldir Cartola morreu na manhã de ontem, em São Bernardo, em decorrência de complicações após ter sofrido um acidente de trânsito no Riacho Grande, onde morava.

Cartola foi atropelado por uma moto na terça-feira, em frente de sua casa. Bateu a cabeça no chão na colisão. Ficou três dias internado e não resistiu. Ele tinha 80 anos.

O político foi homem forte no governo de Walter Demarchi, prefeito de São Bernardo entre 1993 e 1996. Depois de se eleger deputado, esperava ser o candidato governista à sucessão, mas o grupo rachou no pleito de 1996. Maurício Soares se elegeu à ocasião.

Depois disso, nunca mais teve sucesso na política de São Bernardo e optou por atuar nos bastidores. Em 2008, deu suporte a um de seus seis filhos, Pery Cartola, na eleição a vereador. Ele não consegue se eleger, porém ele conquistou a cadeira quatro anos depois.

Nas redes sociais, Pery, que segue vereador pelo PSDB, prestou homenagem ao pai. “Muito obrigado, meu pai, descanse em paz. Hoje (ontem) sem dúvida é o dia mais triste da minha vida. Perdi não só um pai, perdi meu porto seguro, meu melhor amigo, minha fonte inspiradora. Um ser humano incrível, que realmente faz por tanta gente e me ensinou tudo que sei. Só tenho que agradecer por ter me formado, por ter me educado e sempre me colocando no caminho certo. Você fará muita falta. Vai com Deus e logo estaremos juntos novamente. Minha vida, meu grande amor te amo”, escreveu.

Waldir Cartola era casado com Telma Freitas Santos, pai de Angélica, Tarcísio, Valdir, Pery, Átila e Yasmin e avô de João Vítor, Marina, Bárbara, Bianca e Gabriel.

Velório aconteceu na Câmara e o enterro, no Cemitério Vila Euclides. O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), decretou luto oficial de três dias. “Lamento profundamente o falecimento do nosso amigo e ex-deputado Waldir Cartola, aos 80 anos, ocorrido nesta sexta-feira. Registro aqui meus sentimentos a toda sua família, em especial ao seu filho e nosso líder de governo, Pery Cartola. Decreto também luto oficial no município por três dias. Que Deus os conforte”, escreveu o tucano.

A morte de Cartola foi lamentada também pelos prefeitos Paulo Serra (PSDB), de Santo André, e José Auricchio Júnior (PSDB), de São Caetano. “É com grande tristeza e pesar que recebi a notícia do falecimento do ex-deputado Waldir Cartola, 80 anos, pai do vereador e ex-presidente da Câmara de São Bernardo Pery Cartola. Meus sentimentos a toda família e amigos, neste momento de despedida e dor”, disse Paulo. “Deixo aqui meus sentimentos para toda a família e amigos do ex-deputado estadual Waldir Cartola, que faleceu nesta manhã. Um abraço especial ao seu filho Pery Cartola, vereador de São Bernardo. Perda irreparável para toda a região.”

Ex-parlamentar foi de quase prefeito a escritor

Nascido em Paranapiacaba, em Santo André, Waldir Cartola se mudou para São Bernardo aos 2 anos e se tornou uma das figuras políticas mais importantes do início dos anos 1990 no município são-bernardense.

Ele dirigiu a PROSBC (Progresso de São Bernardo do Campo S/A) e Agesbec (Armazéns Gerais e Entrepostos de São Bernardo do Campo S/A), empresas de economia mista já extintas. Depois, comandou a ETCSBC (Empresa de Transportes Coletivos).

Após essas passagens, foi convidado por Walter Demarchi, então prefeito de São Bernardo, a ficar à frente da Secretaria de Assuntos Jurídicos. Virou figura central do governo Demarchi, a ponto de ser candidato a deputado do grupo em 1994 – foi eleito com 42 mil votos.

A ascensão política fez com que Cartola sonhasse concretamente com a Prefeitura. Costurou ser o prefeiturável de Demarchi, mas se deparou com aliança feita pelo ex-prefeito Mauricio Soares e pelo então secretário de Saúde de São Bernardo, William Dib.

Mauricio foi eleito em 1996, no segundo turno, contra o ex-prefeito Antônio Tito Costa. Cartola terminou aquela eleição só na quarta posição, atrás até de Wagner Lino (PT), ex-deputado estadual.

Em 2000, concorreu a uma das cadeiras na Câmara de São Bernardo. Recebeu 2.685 votos e não se elegeu. Decidiu, então, sair da vida pública eleitoral e se dedicou a um outro ofício: escritor.

Escreveu três livros: Nuvens e Calmarias, Paranapiacaba e O Começo de uma História. Também assinou os gibis Cartolinha e o Sabiá e Cartolinha e o Pinóquio. Cartola tem ainda 16 obras à espera de publicação.

Em janeiro de 2001, ao Diário, Waldir Cartola comentou sobre qual lição a política lhe deixou. “Os piores inimigos que um político pode ter não estão longe, ou seja, na oposição, como se pode pensar. Muito pelo contrário. Eles estão no seu grupo, bem perto de você, sempre te rodeando, te paquerando”, declarou.

Comentários


Veja Também


Voltar