Cultura & Lazer

Expectativa para uma premiação


Cinéfilos e a indústria do cinema têm hoje como um dos principais dias do ano. O Teatro Dolby, em Los Angeles (Estados Unidos) está pronto para ser invadido pelas maiores estrelas das telonas – entre personalidades que trabalham em frente e atrás das câmeras – para a 92ª edição do Oscar, ainda a maior premiação do setor. O evento tem oscilado entre boas e más recepções da audiência, com o público ficando de olho em saber quem se destacou, quem se encontrou e torcendo para que surpresas tenham espaço na agenda – uma delas pode ser Democracia em Vertigem, de Petra Costa, concorrente a melhor documentário (veja lista de favoritos abaixo).

“Qualquer chancela dada por especialistas no assunto, o fato de, a partir da premiação, existir um melhor filme do ano ou melhor atuação e melhor direção é algo que atiça a curiosidade do público. É como uma aprovação, um selo de qualidade, que garante o que é de fato bom aos olhos de um painel seleto de pessoas que entendem sobre o assunto”, analisa a jornalista Aline Diniz, que cresceu no Grande ABC (entre Santo André e São Bernardo) e será uma das apresentadoras da transmissão do canal pago TNT, que irá mostrar o tapete vermelho, a partir das 20h30, e a cerimônia, por volta das 22h30. Claro que a presença de grandes estrelas, como Tom Hanks, Scarlett Johansson, Leonardo DiCaprio, Charlize Theron e o diretor Martin Scorsese também atiça a curiosidade.

Na TV, Aline terá a companhia de Michel Arouca (do site Série Maníacos) para analisar os indicados e comentar toda a festa. Ela diz que uma pesquisa prévia é essencial para participar desse tipo de transmissão. “Não só dos filmes indicados, mas de tudo o que está em pauta e é comentado no mundo do entretenimento. O Oscar ainda é um dos momentos mais importantes para divulgação de novos projetos, então os atores aproveitam o momento para dar as caras e divulgar aquela nova série que estreia dali alguns meses na TV americana”, diz. “É importante saber quem são aquelas pessoas, o motivo delas estarem ali que faz a diferença na hora de fazer um comentário.” Comparações com premiações anteriores e curiosidades sobre artistas e filmes fazem parte do pacote da dupla, com a troca de ideias sendo essencial para diferentes pontos de vistas apareçam – uma vez que Não Sou Capaz de Opinar, dito por Gloria Pires em 2016, não rende nada além de memes.

COM OU SEM EMOÇÃO
As horas de cerimônia do Oscar tentam manter a atenção dos espectadores principalmente no momento de abertura dos envelopes. Surpresas são capazes de aparecer e ‘barbadas’ servem para celebrar ao máximo o trabalho realizado. No ano passado, por exemplo, Olivia Colman não esperava levar como melhor atriz do ano (por A Favorita) e Green Book – O Guia não aparecia entre os favoritos a melhor filme, ao mesmo tempo que Lady Gaga estava muito na frente dos concorrentes ao vencer como melhor canção original com Shallow, de Nasce Uma Estrela.

Ao longo da temporada de premiações, é possível notar certas preferências, entre elas Joaquin Phoenix (Coringa) como melhor ator e Quentin Tarantino (Era Uma Vez Em... Hollywood) entre melhor roteiro original. “Acho que a cerimônia deste ano é uma das mais garantidas dos últimos tempos. Os filmes favoritos estão muito disparados à frente e a corrida está acirrada, mas entre poucos indicados. Alguns prêmios, inclusive, já estão garantidos, como o de melhor ator coadjuvante, que certamente será dado a Brad Pitt (por Era Uma Vez Em... Hollywood)”, opina Aline.

Por surpresas, há quem torça para que o drama sul-coreano Parasita seja chamado para estatuetas além de melhor filme em língua estrangeira. Não faltam histórias no mundo do cinema. 

MELHOR FILME

1917

MELHOR DIREÇÃO

Sam Mendes

MELHOR ATOR

 Joaquin Phoenix 

(Coringa)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

 Brad Pitt (Era Uma Vez Em... Hollywood)

MELHOR ATRIZ

 Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris<)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

 Laura Dern (História de Um Casamento)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Indústria Americana

Comentários


Veja Também


Voltar