Memória

O adeus do campeão de ciclismo


“Ninguém ganhava
dele no pebolim”.

Humberto Moura, amigo desde a juventude de Antonio Alba.
 

No pós-guerra, Antonio Alba fez parte de um grupo de atletas que internacionalizou o ciclismo brasileiro, ao lado de João Massari, Claudio Rosa, José de Carvalho e Anésio Argenton.

A prova 9 de Julho, em São Paulo, representava para o ciclismo o mesmo que a São Silvestre para o pedestrianismo. E desde a internacionalização das duas competições, apenas atletas estrangeiros chegavam em primeiro lugar. No ciclismo, quem quebrou a escrita foi Antonio Alba.

Coube a Alba ganhar a 9 de Julho em 1956, desbancando os estrangeiros e vivendo o seu momento áureo como atleta, sendo considerado o maior ciclista brasileiro da década de 1950.

A CBC (Confederação Brasileira de Ciclismo) aponta Alba como um dos principais atletas do Brasil durante muitos anos. Conquistou resultados importantes dentro e fora do País, principalmente nas décadas de 1950 e 1960.

No mesmo ano de 1956 em que deu ao Brasil o título inédito da 9 de Julho, Alba venceu três etapas da Volta de Portugal, classificando-se em oitavo lugar. No ano seguinte, 1957, foi campeão americano da prova meio fundo para pontos e se classificou em sexto lugar no Ranking Mundial Amador.

Em vida doou todos os troféus que conquistou ao longo da carreira ao Museu Histórico da Portuguesa, como forma de retribuir a gratidão e o carinho que tinha pelo clube.

Cristiano Fukuyama e Luiz Nascimento entrevistaram Antonio Alba em novembro último para o filme sobre o centenário da Lusa, que sairá em 2020.

SANTO ANDRÉ
Se a Portuguesa de Desportos foi o clube do coração de Antonio Alba em São Paulo, em Santo André seu clube foi o Aramaçan. Alba veio para Santo André em 1960. Associou-se ao Aramaçan e exerceu o cargo de vice-presidente de esportes por três gestões, entre 1981 e 1993.

Em 1990, juntamente com o ex-jogador da Seleção Brasileira de Vôlei, Antonio Carlos Moreno, Antonio Alba tem papel importante na criação do Paie (Programa Aramaçan de Incentivo ao Esporte), que forma até hoje atletas e cidadãos de bem.

O Aramaçan homenageou Antonio Alba em pelo menos duas oportunidades: em 2010, por ocasião dos 80 anos do clube; e em 2017, em sessão solene na Câmara Municipal de Santo André.

FAMÍLIA
Antonio Alba era filho de Theofilo Alba e Palmyra Panico Alba. Mulher: Wanda Pessotti Alba. Filhos: Edson (aviador, ex-comandante da Transbrasil), Dagmar (jornalista, que trabalhou no Diário) e Reginaldo (empresário).

Ele residia no Jardim Bela Vista, em Santo André. Foi velado na Ossel, em São Caetano, e seu corpo conduzido para o Crematório Memorial de Santos (SP).

Duas missas de 7º dia serão celebradas em homenagem a Antonio Alba: em Santos (em data a ser marcada) e na igreja São José Operário, em Santo André, sábado, dia 4, às 16h.

Diário há 30 anos

Domingo, 31 de dezembro de 1989 – ano 32, edição 7264

Manchete – Collor viaja; economia sem definições.
Economia – Consumidores estocam álcool em casa; o corte de combustível já afeta os postos.
Vôlei Masculino – Pirelli fica em quarto lugar no Torneio de Natal em Antuérpia, na Bélgica: só uma vitória.
Retrospectiva Trágica – Billings matou 96 pessoas em 1989.

Em 31 de dezembro de...

1909 – A Lei municipal nº 38 cria uma escola mista na estrada do Vergueiro, no bairro da Colônia do Rio Grande, em São Bernardo.
1914 – A I Guerra. Da manchete do Estadão: “Os aliados ganham terreno na Bélgica”.
- Inaugurado o Brasil Cinema, na Rua Barão de Itapetininga, 14, Centro de São Paulo.
1919 – O secretário da Fazenda do Estado, Galeão Carvalhal, hospedado na casa do senador Flaquer, em Santo André, acha-se em tratamento de saúde e “tem experimentado sensíveis melhoras”.
NOTA – A primeira notícia falava apenas na visita do secretário, agora ficava se sabendo o motivo da vinda à região, à época indicada pela excelência do seu ar e água.
1939 – O Corinthians torna-se tricampeão paulista ao golear o Santos por 4 a 1 no Parque São Jorge. Os gols corintianos: Teleco (3) e Carlinhos; o gol do Santos foi marcado por Raul.
- Inaugurado o hospital da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, na Rua Direita.
- A II Guerra. Do noticiário do Estadão: previsões para 1940 da guerra sino-japonesa; informam os círculos chineses que a guerra contra o Japão será intensificada. Aviões japoneses, chineses e russos abatidos na China.
1944 – A Companhia Telefônica Brasileira inaugura o posto telefônico do distrito de Mauá.
1959 – Pelé era eleito o craque do ano, numa promoção da agência de notícias Sport Press. Votaram 182 jornalistas do Estado de São Paulo e Pelé, aos 19 anos, recebia votação unânime.
Seleção do ano: Rosan (goleiro da Ferroviária), Djalma Santos e Valdemar Carabina (ambos do Palmeiras), Juts (Portuguesa de Desportos), Formiga e Zito (ambos do Santos), Julinho (Palmeiras), Jair (Santos), Buzzone (Juventus), Pelé e Pepe (os dois do Santos).
Revelação do campeonato: Lima (Juventus), seguido por Dudu (Ferroviária).
Melhor técnico: Nelson Filpo Nuñes (Jabaquara).
- Pelas finais da Taça Brasil, segundo jogo: em Salvador, no Estádio Otavio Mangabeira, Bahia 0, Santos 2; na primeira partida, em Santos, vitória do Bahia. Assim, haveria um terceiro jogo, em campo neutro: o Maracanã.
- Cuba comemora o primeiro aniversário da revolução de Fidel Castro.

Santos do Dia

- Catarina Labouré. Francesa. Co-fundadora da Pontifícia Associação da Juventude Mariana Vicentina.
- Melânia, a Jovem (Roma, c.383 – Jerusalém, 439).

SILVESTRE I. Natural de Roma. Papa durante 22 anos até a morte em 31 de dezembro do ano 335. Protetor dos pedreiros

Municípios Brasileiros

Celebram aniversários em 31 de dezembro:

-Em São Paulo, Altair e Santa Cruz da Esperança.
- Outros 41 municípios aniversariam hoje. Quinze pertencem a Minas Gerais: Ataléia, Bom Jesus do Galho, Dores de Guanhães, Itaguara, Itinga, Jacinto, Lagamar, Padre Paraíso, Pains, Pratápolis, Rubim, São Gonçalo do Abaeté, São João da Ponte, Seritinga e Sobrália.
- Hoje também é aniversário de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.
Fonte: IBGE

Comentários


Veja Também


O adeus do campeão de ciclismo

“Ninguém ganhava
dele no pebolim”.

Humberto Moura, amigo desde a juventude de Antonio Alba.
 

No pós-guerra, Antonio Alba fez parte de um grupo de atletas que internacionalizou o ciclismo brasileiro, ao lado de João Massari, Claudio Rosa...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar