Nacional

'O fácil era ser oportunista', diz Doria sobre Paraisópolis


Depois de mudar o tom em relação ao massacre de Paraisópolis e determinar uma mudança de protocolo da Polícia Militar, o governador de São Paulo, João Doria, disse nesta sexta-feira (6) que não tem "compromisso com erro" e chamou de "dramático" o episódio.

Em discurso para uma plateia de empresários do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), o governador chegou a ficar com a voz embargada ao falar da tragédia e disse que na segunda-feira vai receber representantes da comunidade e familiares das vítimas.

"Nesse momento dramático de Paraisópolis, ao invés de uma atitude impositiva, generalista ou de acusação à um ou outro, não vamos nem acusar a comunidade nem acusar a policia. Buscamos o diálogo", disse Doria. Em outro momento de sua fala, o tucano defendeu a comunidade e a PM.

"O fácil era ser um oportunista ou populista, como alguns foram, ou agir generalizando e dizendo que a culpa é da comunidade. Não é verdade. A maioria expressiva dos que vivem em comunidade são pessoas de bem. Também não é verdade dizer que a policia é insensível e violenta. Seria o mesmo erro do outro lado da moeda", emendou.

No último domingo, 1, uma ação da PM causou a morte de 9 jovens em um baile funk na favela de Paraisópolis, zona sul de São Paulo. Na segunda-feira, 2, o governador saiu em defesa da corporação e disse que a letalidade não foi provocada pela PM.

No entorno de Doria, o caso é tratado como a maior crise da sua gestão e a primeira reação do tucano foi considerada um erro.

No evento do Lide o governador também aproveitou seu discurso para fazer um contraponto ao presidente Jair Bolsonaro. Disse que não há "nada melhor que a democracia" e que seu eixo é o centro, longe dos extremos. "Nunca advoguei o ódio e a contenda como princípio básico de vida". E frisou: "Torço pelo bem e pelo êxito do presidente da República, sem uma visão mesquinha pensando em algo que pudesse me favorecer."

Comentários


Veja Também


'O fácil era ser oportunista', diz Doria sobre Paraisópolis

Depois de mudar o tom em relação ao massacre de Paraisópolis e determinar uma mudança de protocolo da Polícia Militar, o governador de São Paulo, João Doria, disse nesta sexta-feira (6) que não tem "compromisso com erro" e chamou de "dramático" o episódio.

Em discurso para uma plateia ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar