Palavra do Leitor

Sua opinião, 2020


Normalmente você pode saber o que é melhor para você. Quais vezes? Noventa e nove por cento das vezes ou zero? Não agrada alguém dizer que deveríamos fazer assim ou assado. Normalmente não nos faz melhor e, provavelmente, a ninguém mesmo com mais de 12 anos ou até menos. Não se trata de discordar de ensinamento honesto recebido e nem excesso de autoconfiança ou vaidade, mas sim do palpite, do ser induzido, aliciado ou doutrinado. Trata-se de independência, de liberdade, aspectos centrais em toda a história da humanidade.

No curso do tempo aparecem a oratória, a informação, a avaliação crítica, a razão. Após revoluções, processos, diplomacia e turbulências, nesse início de século XXI esses elementos do pensar entram novamente em agonia. Além da liberdade de expressão, parece que a democracia passa, também, a abrigar o direito de extinguir os pilares da razão e assim regredirmos e embrutecermos com facilidade, ao refutar qualquer tipo de conhecimento adquirido em nossa história. Num oceano de pseudomodelos, achismos e interpretações, surgem aos borbotões chatos, intrometidos, caga-regras, que se proliferam na mesma proporção em que nossa liberdade se esvai.

São pessoas que nos cercam com manto de ignorância, falta de referência e anonimato digital, para desfazerem conceitos e ideias, de forma inconsequente. Não há imunidade. Vacinas são discutidas como efetivas ou não, orientações sexuais que por vezes nem são sexuais, terra plana, fomos à Lua ou não, entre tantas outras coisas que pensávamos ter superado, entendido. Há tola pretensão que alimenta o ego exacerbado de nossos tempos. Enfim, talvez em breve não haverá muito espaço para a autenticidade, suposições leves sobre a vida, na Terra ou em outros planetas, culturas ou qualquer conversa inocente. Tampouco a máxima de que futebol, religião e política não se discutem em bar ou festas. Sempre haverá alguém pretensamente superior ou mais bem informado pronto a nos esclarecer. Cercas invisíveis estão postas e apoiadas em momentos e situações, os quais nem temos o direito de escolher ou evitar.

Caminhamos para o ano de 2020, estética e simbolicamente muito interessante. Para ele, novamente, teremos sonhos e eleições. Sonhos dos que hoje sofrem com País cheio de problemas, sem distinção de classe, dos extremistas de qualquer matiz que pretendem dominar, convencer e usufruir. Com direito a erro e à dúvida, sem interferência, vemos a antessala da terceira década do século XXI, carente de respeito, de liberdade e com vícios que devem datar desde os primórdios da raça humana. Ainda restam alguns meses. Força, Brasil.

Paulo Cezar de Almeida é biomédico, doutor em ciências e atua em comunicação e gestão de saúde e educação.

Professor

Professor com o dom do saber/Ensinando e aprendendo/Focado em ver/Cada aluno vencer/Mostrando o melhor jeito/De dar os primeiros passos/Com o lápis vem surgindo/Mais um novo traço/Ligando conhecimento/Evoluindo a visão/Do pensamento/Seja em um simples gesto/Em distribuir seu aprendizado/Feito um antigo desbravador/Descobrindo em cada aluno um aliado/Professor de todas as séries/No meu livro da vida/Tem seu papel principal/Do rascunho à arte final.

Max Roque

Santo André

Crianças

Está muito difícil dizer hoje feliz Dia das Crianças, quando, diante das manchetes, você lê que criança de 12 anos mata outra de 9 e ainda sendo autista. O que estará acontecendo com nossas crianças, ou será melhor dizer o quê falta para nossas crianças? No que cabe aos governos, faltam saúde adequada, escola com grades enfáticas em esportes, línguas, música etc. No que cabe aos pais, falta educação na qual apresente Deus a elas, independentemente de placas de igrejas. Uma criança que entende que pode contar com Deus cresce menos ansiosa e com menos insegurança. E sem contar que precisamos resgatar alguns conceitos do passado, mais brincadeira lúdicas do que internet. Invista em suas crianças. 

Rosangela Caris

Mauá

Graciliano Ramos

Em nome da população do Riacho Grande, em São Bernardo, venho, por meio desta Palavra do Leitor, solicitar à Prefeitura providências quanto à Emeb (Escola Municipal de Educação Básica) Graciliano Ramos, que se encontra em péssimas condições, com brinquedos, alambrado e portão enferrujados e árvores caindo – faz fundo com a Rua Antonio Caputo. As mães estão revoltadas. Solicitamos reforma geral imediata na Emeb, prefeito Orlando Morando, Secretaria de Educação e subprefeito do Riacho!

Janio da Silva

São Bernardo

Dom Orlando Brandes – 1

Parabéns ao arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, pelo seu pronunciamento no Dia de Nossa Senhora Aparecida. O Arcebispo condenou a direita “violenta e injusta”.

João Baptista Herkenhoff

Vitória (ES)

Dom Orlando Brandes – 2

O arcebispo dom Orlando Brandes só não falou que o Haddad e a vice dele, a Manuela, não estão indo mais à missa aos domingos e, ainda, que os pedófilos detonaram a igreja e ainda deixaram um rastro de processos no mundo em mais de 5.000 casos. Esse é o cara que se acha democrata?

Zureia Baruch Jr

Capital

Desrespeito

Dia 5, ao ser questionado por ciclista quanto ao paradeiro de Fabrício Queiroz – ex-assessor de seu filho Flávio e pivô de escândalo envolvendo o senador –, Jair Bolsonaro se irritou e respondeu ‘tá com a sua mãe’. Na sequência, o presidente encerrou a conversa que mantinha com apoiadores, acelerou a moto em que estava e foi embora. Alguém mais próximo dele tem de falar para esse sujeito que ele não está na feira livre, em estádio de futebol ou coisa parecida para agir como criança mimada e malcriada. É totalmente tosco, insano, despreparado, destemperado, ignorante. Como pode presidente da República agir dessa forma? Não tem princípios, respeito nem compostura. Não quer ser cobrado pede para sair!

Maria Thereza Fidelis

Ribeirão Pires

Sem rumo

Abraham Weintraub, ministro da Educação de Bolsonaro, entregou, dia 7, 7.180 ônibus escolares a 144 municípios paulistas. Fez grande evento, com presença de mais de 100 pessoas, criticou as gestões petistas e disse que ‘a gente (governo Bolsonaro) está mostrando que com pouco dinheiro ainda se faz muito neste País’. Ele só esqueceu de informar que esses veículos foram comprados na gestão Michel Temer, no programa Caminho da Escola. É mais um ministro perdido neste governo sem rumo.

Samuel Vilafran Costa

Mauá

Certezas

Hoje tenho certeza do porquê de a nossa região ter sido tosada tanto pelo governador João Doria quanto pelo prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, e pela deputada Carla Morando de ter transporte moderno, que seria o monotrilho, trocado pelo BRT, que nada mais é que fura-fila. Depois de ler a entrevista do senador Jorge Kajuru (Política, dia 30), torço para que o que ele disse não seja verdade, porque, se for, é caso para o Ministério Público verificar. Não à toa que Morando tenha coragem de pedir a Doria, oportunista, para que seja candidato à Presidência. São Bernardo não merece a individualidade do senhor Orlando Morando, que enterrou a esperança da população da cidade. Hoje sinto em ter votado neste prefeito e na sua mulher para deputada.

Copiniano de Souza

São Bernardo

Vazamento de petróleo

Não sou político nem tenho político de preferência, mas, como brasileiro, adoraria ver o Macron, o papa, o Greenpeace e o não menos ilustre Raoni falarem algo em relação ao vazamento criminoso de óleo/petróleo na costa do Brasil e o que estão oferecendo ao Brasil como ajuda (Setecidades, ontem)? Acho que esse procedimento de todos eles mostra o quanto não se preocupam com nada do Brasil, apenas tentar prejudicar o governo atual. Mais uma vergonha mundial lamentável.

Antonio Jose Gomes Marques

Rio de Janeiro

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.

Comentários


Veja Também


Sua opinião, 2020

Normalmente você pode saber o que é melhor para você. Quais vezes? Noventa e nove por cento das vezes ou zero? Não agrada alguém dizer que deveríamos fazer assim ou assado. Normalmente não nos faz melhor e, provavelmente, a ninguém mesmo com mais de 12 anos ou até menos. Não se trata de discordar...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar