Sua Saúde

Saúde, qualidade e consciência


Nada no mundo se resolve simplesmente com quantidade. É algo básico e todos sabemos bem. Não adianta ter uma frota de automóveis se todos estão sem bateria. A mesa não se resolve com toneladas de alimentos caso estejam estragados. Um time não ganha campeonato com um elenco de 100 jogadores se todos são perna de pau. Na saúde, essa premissa é mais válida do que nunca. Seguidos governos vêm criando escolas e mais escolas de medicina. O problema é que boa parte delas oferece formação insuficiente e coloca na linha de frente profissionais que são um risco a vidas humanas e não uma solução para quem necessita de um bom médico.

Hoje temos no Brasil 339 faculdades de medicina e 470 mil médicos. Há, nos primeiros anos dos vários cursos, mais de 35 mil graduandos. Isso significa que daqui a pouco mais de dez anos, estaremos bem próximos de contar com 1 milhão de profissionais com diploma de medicina. De nada adianta ser recordista em faculdades e em número de médicos quando o aparelho formador é simplesmente uma máquina de fazer dinheiro, em detrimento da excelência do aprendizado. Nas faculdades particulares, o vestibular é absolutamente questionável, prejudicando uma adequada seleção.

Aliás, vemos atualmente em cursos de medicina alunos que não possuem condições mínimas para ser médico pelos mais vários fatores. A começar pela indisciplina e a falta de respeito à hierarquia. Essa falta de valores e de compostura cidadã se reflete negativamente não apenas no relacionamento com os colegas e superiores. Existe também indisciplina no que tange à presença na própria sala de aula, crítica desmedida a professores. Por outro lado, sofremos igualmente com a carência de mestres de verdade, que sejam firmes e de princípios sólidos. Infelizmente, quase não há o testemunho da vivência por parte de muitos daqueles que dizem ser professores.

Aliás, quando falamos em valores e postura, percebe-se que não há nem mais bom-senso. Veja, por exemplo, o que ocorre com a vestimenta. É totalmente descabida para um curso de medicina a utilização de sandálias, shorts, bermudas, entre outras peças.

Quando se usa avental, é bem comum estar inadequado à responsabilidade e ao papel de um médico. Vemos peças sujas, amassadas, jogadas em porta-malas de automóveis. Além do aspecto repugnante, que não transmite confiança nem segurança ao paciente, óbvio que há a contaminação. Isso é o mínimo que um futuro médico deve ter em mente.

Cá entre nós, vou dizer o básico, pois, quem sabe, alguns aprendem: avental deve ser vestido para a assistência, depois deixado e lavado no hospital, para que seja colocado em próxima oportunidade, ao chegar. Não é para passear no caminho de casa, inclusive de moto, ou fazendo compras no supermercado. Enfim, tudo o que relatei agora passa por ter ou não consciência. E aqui se encaixa – inclusive – a discussão cuja resposta todos temos: quantidade não é qualidade.

Comentários


Veja Também


Saúde, qualidade e consciência

Nada no mundo se resolve simplesmente com quantidade. É algo básico e todos sabemos bem. Não adianta ter uma frota de automóveis se todos estão sem bateria. A mesa não se resolve com toneladas de alimentos caso estejam estragados. Um time não ganha campeonato com um elenco de 100 jogadores se to...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar