Política

TCE rejeita contas de 2016 da Câmara de Santo André


O TCE (Tribunal de Contas do Estado) rejeitou ontem a contabilidade de 2016 da Câmara de Santo André, último ano de gestão do vereador Ronaldo de Castro (PRB). A alegação foi semelhante à reprovação das contas de 2015, também no mandato de Ronaldo: alto número de servidores comissionados e ausência de exigência de escolaridade para cargos sem concurso público.

Com a decisão, Ronaldo corre risco de ficar inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, que prevê a impugnação de candidaturas de agentes públicos condenados por órgão colegiado. O republicano pode recorrer da sentença no próprio tribunal, por meio de pedido de reexame. Caso esse recurso não seja aceito, estará condenado em definitivo.

Em seu voto, o conselheiro Renato Martins lembrou que o alto número de comissionados na comparação com servidores efetivos é problema citado pela Corte pelo menos desde 2009. “Não à toa este tribunal reprovou as contas de 2009, de 2010, de 2011, de 2012, de 2014 e de 2015.”

Ronaldo disse que vai recorrer. “Entrarei com recurso até o fim desta semana. Eu trabalhei para reparar o que foi apontado. Outra coisa que eu não entendo é que em São Paulo (em referência à Câmara paulistana) não é assim. Aqui na cidade eles questionam muito, mas lá em São Paulo não é assim”, contestou Ronaldo.  

Comentários


Veja Também


TCE rejeita contas de 2016 da Câmara de Santo André

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) rejeitou ontem a contabilidade de 2016 da Câmara de Santo André, último ano de gestão do vereador Ronaldo de Castro (PRB). A alegação foi semelhante à reprovação das contas de 2015, também no mandato de Ronaldo: alto número de servidores comissionados e ausênc...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar