Política

Defesa crê em estabilidade após voto de relatora no TJ-SP


Advogado do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), no processo, Leandro Petrin acredita que o voto da desembargadora Ana Liarte, relatora do caso na 4ª Câmara de Direito Público do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), traz segurança jurídica ao político, a despeito de o mérito ainda precisar ser analisado na primeira instância.
“Ainda que provisória a decisão, o voto da desembargadora abordou os principais temas da nossa defesa, que dizem respeito ao mérito da causa, um deles é a impossibilidade de o prefeito ter se afastado por vontade própria. E o segundo é que, embora todo o processo de impeachment tenha se baseado neste afastamento do cargo sem autorização, o relatório final incluiu mais um ponto do qual a defesa nunca teve oportunidade de se defender”, disse.

SAÍDAS
Ontem mesmo diversos secretários de Alaíde Damo (MDB) pediram exoneração. Entre eles João Veríssimo (Governo), Caio Carvalho (Gabinete), Matheus Oliveira (Segurança Alimentar), David Ramalho (Saúde), Felipe Sarinho (Justiça), Marco Ratti (Desenvolvimento Econômico), José Paulo da Lavra (Segurança Pública) e Luiz Mariani Neto (Transportes).  

Comentários


Veja Também


Defesa crê em estabilidade após voto de relatora no TJ-SP

Advogado do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), no processo, Leandro Petrin acredita que o voto da desembargadora Ana Liarte, relatora do caso na 4ª Câmara de Direito Público do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), traz segurança jurídica ao político, a despeito de o mérito ainda precis...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar