Cultura & Lazer

Foco na história da música negra


Ícaro Silva, de São Bernardo, deixou de lado a carreira artística. Agora se dedicará a pilotar uma nave espacial, com a qual pretende percorrer o mundo. E melhor: com ela também conseguirá viajar no tempo. Por ora, há apenas um destino de aterrissagem preestabelecido no roteiro, que é no palco do Teatro Novo, em São Paulo, na terça-feira, às 21h30.

É lá que ele comandará o musical Ícaro and The Black Stars, que fez sucesso em temporada no Rio – antes teve duas apresentações no Colégio Ábaco, onde ele estudou, em São Bernardo – e inaugura temporada na Capital. A direção musical é de Alexandre Elias e, as coreografias, de Victor Maia.

Acompanhado por Cássia Raquel e Hananza, as black stars, o ator encenará uma dramaturgia documental com recursos lúdicos, como as projeções e videomapping, que homenageia nomes da black music nacional e internacional como Michael Jackson, Bob Marley, Tim Maia, Wilson Simonal, Beyoncé e James Brown. “O espetáculo é uma homenagem a estas estrelas. Trata-se de uma saga interestelar sobre o universo da música negra que une magia, contação de história, stand-up, exaltando essas figuras que foram responsáveis, principalmente, pela formação da cultura brasileira”, diz. Para ele, é muito importante levantar este tipo de discussão neste momento no País. “A gente tem uma história marcada pela exclusão, encarceramento, aprisionamento e perseguição aos povos afrodescendentes e indígenas. A nossa história ainda é essa, estamos há 519 anos explorando os negros e os indígenas no Brasil. E também assassinando através da política que encarcera os jovens pretos diariamente. Precisamos falar disso porque temos de entender que somos um País afro-latino e colocamos em xeque a ideia de que somos descendentes de europeus apenas.”

Com toda desenvoltura que demonstrou durante o quadro do Domingão do Faustão, a Dança dos Famosos, o qual saiu vencedor, Ícaro alia-se a um repertório pop, antológico e também diverte com suas imitações – entre elas a Beyoncé – e improvisações. O espetáculo conta também com a presença de uma DJ no palco e projeções audiovisuais.

OUTROS TRABALHOS
O ator, que acabou de sair do ar na novela Verão 90, da Rede Globo, deve começar a gravar nos próximos dias a segunda temporada de Coisa Mais Linda, série da Netflix. Também pode ser ‘escutado’ na voz de Simba, o protagonista de O Rei Leão, em cartaz nos cinemas. “É muito lindo ser o Simba de uma geração. O live-action da Disney tem dividido o público, porque tem quem tenha o saudosismo do desenho, mas a grande ideia é que as crianças de todas as gerações merecem ter suas versões. Além disso, o realismo do filme aproxima mais as crianças dessa mensagem poderosa em relação à vida, a da preservação da natureza. É lindo fazer parte disso”, finaliza.
 

Comentários


Veja Também


Foco na história da música negra

Ícaro Silva, de São Bernardo, deixou de lado a carreira artística. Agora se dedicará a pilotar uma nave espacial, com a qual pretende percorrer o mundo. E melhor: com ela também conseguirá viajar no tempo. Por ora, há apenas um destino de aterrissagem preestabelecido no roteiro, que é no palco do...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar