Cotidiano

Aqui em casa não tem disso não


Moro (do verbo morar) numa casa que preza a liberdade e a prosperidade que vem dela. Diferente de muitos lugares em que o povo, judiação, vive sob as botas do autoritarismo atroz, debaixo do fascismo impiedoso, é, pois, a minha casa. 

E, para quem se esqueceu do perfil fascista, uma refrescada na memória: fascismo não visa a construção, somente a destruição. Não trabalha em prol da vida, dedica-se unicamente a exaltar a morte. Não mira a paz, só a guerra. O fascismo sonha com o aniquilamento e com a violência em todas as suas nuances. Na verdade, embebe-se dela.

O que vai pela cabeça do fascista é a certeza de que deve cercear a escolha do outro cuja mente privilegia o crescimento. E fazer calar aquele, em cuja garganta há um grito contido, prestes a escapar, clamando por justiça, é a sua meta.

E o fascismo fará mesmo qualquer coisa para detê-lo, porque o fascismo é isso, é triste, é enfadonho, é pobre. Ri sem achar graça, debocha porque não tem argumentos para sustentar suas ideias que seguem na contramão da evolução humana.

O fascismo condena a educação e a cultura e tudo que pode promover a sabedoria e, consequentemente, a liberdade. O fascismo é podre. Ele age nas sombras e posa de santo quando indagado. O fascismo mente e faz crer que é bom. Está sempre de olho nas cabeças de pensamento miúdo, uma vez que depende delas, para a manutenção do poder. Por isso, aspira à destruição do ensino como forma de obter o apoio de gente de parco saber, sempre propensa à idolatria.

O fascismo odeia pessoas de pensamento livre, gente que questiona e que contesta. Gente que caminha com as próprias pernas e escolhe o rumo a seguir.

O fascismo, porque é avesso a tudo que representa vida e liberdade, destrói a natureza. É capaz até de derrubar imensa área com árvores centenárias só para construir obra inútil no local, ganhar algum com o feito e, de sobra, colocar o seu nome na construção. Muito triste, a despeito do pouco que significa esse pedaço de chão se comparado à imensa floresta que, uma vez derrubada, afetará o clima de todo o planeta. E o fascismo vem devorando, sem piedade, esse santuário, indiferente aos apelos que vêm de todo o mundo.

O fascismo é vaidoso e exige admiração. É covarde, porque sempre ataca pelas costas, e não tolera a livre expressão e o livre caminhar. Faz uso da truculência para conter aquele que considera inimigo simplesmente por pensar diferente.

O fascismo, por ser burro, despreza a inteligência e tudo o que dela se origina. 

É preciso lembrar ainda que a besta fera se esconde em todos os recantos desta vasta planície redonda. Para que apareça, basta que obtenha o respaldo de um povo que transpira ignorância e, por isso, se deixa seduzir pela conversa fiada e pela fala grotesca. Aliás, idolatria é a principal característica de indivíduo com perfil fascista. É fanático pelo futebol ou pela religião, pelo cantor brega ou pelo político que espelha a sua própria estupidez... O fanatismo, afinal, não lhe permite ver outras possibilidades, outros caminhos. Por isso, anda sempre numa única direção, a direção da miséria humana.

Só de falar, me dá arrepios! Deus me livre de morar num país fascista, credo!

Comentários


Veja Também


Aqui em casa não tem disso não

Moro (do verbo morar) numa casa que preza a liberdade e a prosperidade que vem dela. Diferente de muitos lugares em que o povo, judiação, vive sob as botas do autoritarismo atroz, debaixo do fascismo impiedoso, é, pois, a minha casa. 

E, para quem se esqueceu do perfil fascista, u...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar