D+

Reflexão para tentar lidar com si mesmo


As definições do nível de autoaceitação dos brasileiros foram atualizadas, mas parecem não ter grandes mudanças quanto ao passado. Se sentir bem é desafio a curto, médio e longa prazo, passando por diferentes tipos de pressões, sejam elas internas ou externas. Dificilmente é possível encontrar alguém que nunca deu olhada em revistas, sites ou perfis nas redes sociais e analisou as imagens das personalidades que estão ali como referência de beleza e realidade bem sucedida. Bastam segundos para a mente realizar comparativos entre si mesmo e esses famosos, assim montando o errôneo pensamento dividido entre expectativa e realidade, sonho e mundo real. Mesmo que você esteja bem consigo mesmo, sempre haverá o desejo de imaginar que algo pode ser mudado em seu corpo.

O grande alvo dos jovens fica em cima da busca pelo inexistente ‘peso ideal’. Segundo pesquisa realizada pelo Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios), 39,04% dos entrevistados com idade entre 15 e 28 anos afirmaram que o peso é o item número 1 na lista de possíveis mudanças em suas vidas. “Quando se pensa na questão saudável, o peso não é um fator determinantemente exclusivo. Ele é importante e o IMC (índice de massa corporal) consegue classificar o estado nutricional do paciente, mas não deve ser olhado de maneira isolada, porque traz diagnóstico equivocado”, afirma a nutricionista clínica, Camila Marin. “Existe o peso saudável para cada indivíduo, o seu melhor perfil dentro daquela faixa”, complementa, citando questões como massa muscular, estrutura óssea, presença de hormônios, ciclo menstrual e bexiga cheia que influenciam no número que aparece na balança.

A andreense conta que os adolescentes precisam lidar com o tempo de um processo e a meta a ser alcançada. “Eles querem efeito para ontem. É a luta constante contra o tempo para ser pertencente a algo. Cada um tem estrutura orgânica que pode não comportar o padrão desejado. Pensar na comparação com amigos ou outros é o que gera frustração”, diz. 

O levantamento do Nube, montado no mês de maio, foi feito com 2.802 jovens de diferentes regiões do País, todos respondendo a mesma pergunta: “Qual dessas características você gostaria de alterar?”. No ranking, ainda foram lembrados possíveis melhorias nos dentes (18,24%), idade (16,20%) e altura (15,45%). Detalhe para a citação, dada por 2,32% (65 pessoas), daqueles que participaram do projeto e responderam que trocariam de gênero, ou seja, observam a possibilidade de não ficarem ‘presas’ à identidade de homem ou mulher – além de suas ramificações.

FILMES

A briga com a autoimagem e sua aceitação é a base para os acontecimentos mostrados em filmes, muitos deles feitos de olho no público teen. Em rápido levantamento contemporâneo estão Hairspray – Em Busca da Fama (2007), o brasileiro Desenrola (2011) e Lady Bird: A Hora de Voar (2017). 

Um dos mais recentes é Dumplin’, lançado no fim de 2018 pela Netflix. Na história, Willowdean (Danielle Macdonald) se mostra bastante confiante com seu próprio peso, mas vive a sofrer pela falta de respeito da mãe (Jennifer Aniston), ex-miss. Confusões e debates são levantados na trama na medida em que a garota decide participar de concurso de beleza local como forma de protesto, o que faz se questionar, reforçar certos pontos de sua convicção e agitar a cabeça da matriarca. Aceitação sempre rende debates e reflexões. 

Comentários


Veja Também


Reflexão para tentar lidar com si mesmo

As definições do nível de autoaceitação dos brasileiros foram atualizadas, mas parecem não ter grandes mudanças quanto ao passado. Se sentir bem é desafio a curto, médio e longa prazo, passando por diferentes tipos de pressões, sejam elas internas ou externas. Dificilmente é possível encontrar al...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar