Palavra do Leitor

Os 25 anos do Plano Real


O dia 1º de julho de 1994 foi inserido entre os principais fatos e acontecimentos da história do Brasil com um fator preponderante: a estabilidade. Nesta data, nascia o Plano Real, modelo econômico-financeiro que, enfim, enterrou o fantasma da hiperinflação que assolava o Brasil há anos. Lembrar deste momento, de audácia e excelência por parte do presidente Fernando Henrique Cardoso e do PSDB, provoca inúmeras reflexões.

Antes desta data, o sofrimento do cidadão brasileiro era gritante. Cruzeiro, Cruzado, Cruzeiro Real, ninguém ao sabia ao certo qual seria e quanto tempo duraria a nossa moeda. A gravidade nos atingia de tal forma que a compra de mantimentos para a casa se fazia necessária em um lote só, por mês, pois as correções nos preços eram astronômicas. Chegamos a ter variação de mais de 100%. Ou seja, desespero e danos para compras de insumos da vida. Questão básica de sobrevivência e do suor de trabalho.

E ao resgatar esse momento, o que lembramos? Da coragem do presidente FHC, que tomou às rédeas para fazer as mudanças no tempo adequado. Sem isso, qual seria a nossa realidade? Antes de responder, precisamos salientar que a proposta do Plano Real foi muito criticado e reprovado por alguns partidos.

Mas, voltando a falar em nossa realidade, o que refletimos? Que o atual momento, que os nossos atuais governantes, precisam urgentemente se contagiar daquela mesma coragem do dia 1º de julho de 1994, para que as mudanças necessárias se transbordem por todo o nosso querido Brasil.
O nosso Congresso precisa ser pressionado para que se viabilizem as reformas necessárias, a da Previdência, a tributária e a política. A sociedade vem cada vez mais entendendo o papel dos parlamentares, que precisam dar essa resposta.

Assim, que estes 25 anos de Real, nos conduzam a uma inspiração e ao sonho para que o Brasil se recoloque no caminho do desenvolvimento. Que os pilares necessários dos governantes (posicionamento, coragem e vontade de mudar) saltem aos olhos da nossa sociedade.

Deixo aqui minha mensagem para resgatar a importância do PSDB, do presidente Fernando Henrique Cardoso, neste processo histórico, que sim, realmente mudou a vida dos brasileiros.

Agora, que arregacemos as mangas, continuando a trabalhar forte para conseguir o necessário para o nosso futuro no Brasil. A principal esperança é conseguir olhar daqui a alguns anos que um outro legado, de extrema importância, foi feito hoje e que mudou a vida dos brasileiros. Viva o Plano Real.

Orlando Morando é prefeito de São Bernardo

Moro e Lula

No domingo ficou mais do que claro que o povo brasileiro, com milhares de manifestantes nas ruas, não quer o fim da Operação Lava Jato e sim de ministros do STF como Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. Ministros como estes não honram a toga que vestem e são parciais em suas decisões. O Brasil precisa muito mais de gente como os ministros Sergio Moro e Paulo Guedes do que figuras como Lula, Dirceu, Palocci, Toffoli, Lewandowski etc..., que envergonham a Nação. Passou da hora de o Brasil seguir em frente e não ficar andando para trás. Vamos honrar o lema ‘Ordem e Progresso’ de nossa bandeira.

Mauri Fontes

Santo André

Linha 18-Bronze 

Ao que parece, e tudo parece indicar, o governador João Doria (PSDB) irá aplicar um passa-moleque na população do Grande ABC que há anos vem reivindicando o cumprimento da promessa feita pelo gestor anterior, de que esta região seria beneficiada com a Linha 18-Bronze, do Metrô. E esse meu ponto de vista é reforçado pela matéria publicada domingo pelo Diário, em seu caderno de Política, com o título LDO do Estado esquece futuro da Linha 18-Bronze. Num trecho, diz que a Linha 18 aparece na seção de “riscos fiscais” e que podem resultar em problemas orçamentários. Ou seja, essas afirmações vêm ao encontro ao que penso desse emblemático assunto. Na verdade, o ex-governador Geraldo Alckmin, no afã de ser presidente da República, prometeu linhas de metrô para todos, inclusive uma ligando o Terminal Jabaquara a Diadema, se esquecendo que obras dessa magnitude necessitam de muito dinheiro. É preciso que a população desta rica região entenda que a implantação da Linha 18-Bronze, seja do sistema monotrilho ou BRT (sigla inglês para ônibus de alta velocidade), requer recursos. Mesmo que Doria anuncie sua opção pelo sistema monotrilho, vamos ter que esperar muitos anos. Eu, por exemplo, vou esperar sentado, porque nem sei se estarei vivo até lá para poder usufruir desse sistema de transporte coletivo.

Arlindo Ligeirinho Ribeiro

Diadema

Ciclistas

Oportuna reportagem deste Diário a respeito do número de morte de ciclistas nos primeiros cinco meses no Grande ABC (Setecidades, ontem). A quantidade realmente assusta. E deveria servir de alerta para as autoridades. Em Mauá, onde moro, é comum ver gente de bicicleta tendo que guerrear com veículos, já que não existem ciclovias para atender à demanda. São muitos os que recorrem às bicicletas para deslocamento, em especial nas periferias, onde as ruas são estreitas, esburacadas e desafiadoras para quem utiliza esse meio de transporte. Espero que a reportagem fique de alerta para que esse cenário mude.

Joilson do Carmo Leite

Mauá

Reforma política

Reforma política já, com redução de um terço dos parlamentares e limite de assessores e trabalho cinco dias na semana. A hora é agora. O Brasil em crise e o anexo 3 da Câmara reformará 81 gabinetes para incluir um banheiro em cada um deles. O gasto com a reforma é de R$ 20 milhões e vai demorar três anos. É preciso reduzir o exagero de gastos com o Congresso, mas os nossos legisladores não pensam assim, querem cada vez mais.

Humberto Schuwartz Soares

Vila Velha (ES)

Mudança de direção

O que fizeram no trânsito na Avenida Lino Jardim, no início da Praça Kennedy e outras ruas nas proximidades, em Santo André, é um absurdo. Mataram a movimentação do comércio local, que atendia milhares de moradores, ou melhor, munícipes deste bairro. O sujeito que planejou e aprovou esta mudança deveria procurar outra coisa para fazer, e ser demitido urgentemente. Moradores tristes com tal atitude irresponsável, motoristas de ônibus e carros estão perdidos. Pedimos que fosse revisto este projeto furado. Que as autoridades competentes tomem as providencias e estudem melhor. Soubemos que nem pediram a opinião dos comerciantes.

Antonio Carlos

Santo André

Pimenta nos olhos

Muitos países são duramente criticados mundo afora por impedir a todo custo que verdadeiras hordas de imigrantes clandestinos invadam seu território na calada da noite por terra, mar e ar. Além dos enormes problemas que acarretam, levam infiltrados em seu bojo toda espécie de criminosos. Uma nação é suficientemente soberana para criar suas próprias leis e gerir suas fronteiras. Como se usa dizer, cada um com seu problema. 

José Marques

Capital 

As cartas para esta seção devem ser encaminhadas pelos Correios (Rua Catequese, 562, bairro Jardim, Santo André, CEP 09090-900) ou por e-mail (palavradoleitor@dgabc.com.br). Necessário que sejam indicados nome e endereço completos e telefone para contato. Não serão publicadas ofensas pessoais. Os assuntos devem versar sobre temas abordados pelo jornal. O Diário se reserva o direito de publicar somente trechos dos textos.

Comentários


Veja Também


Os 25 anos do Plano Real

O dia 1º de julho de 1994 foi inserido entre os principais fatos e acontecimentos da história do Brasil com um fator preponderante: a estabilidade. Nesta data, nascia o Plano Real, modelo econômico-financeiro que, enfim, enterrou o fantasma da hiperinflação que assolava o Brasil há anos. Lembrar ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar