Diarinho

'Minecraft' ajuda na reconstrução de monumentos destruídos na guerra do Oriente Médio


A tecnologia tem ajudado na reconstrução virtual de monumentos históricos que existiam no Oriente Médio. Há muitos anos, a região tem sofrido com conflitos causados por divergências religiosas e simbólicos prédios sofrem com os ataques. Parceria entre a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e a Microsoft (empresa norte-americana) tenta minimizar parte do sentimento de perda com a utilização da plataforma Minecraft: Education Edition para montar versões digitais desses locais em ruínas.

Trata-se do projeto History Blocks (blocos históricos, em tradução para o português), cujo grande objetivo é apresentar para, principalmente, crianças e adolescentes a importância das construções destruídas em países como Síria e Iraque. Os estudos por trás da iniciativa pretendem apresentar detalhes sobre a arquitetura e a memória dos lugares por meio do apoio de especialistas.

Canadá, Uruguai, Argentina, Itália, México, Índia, Espanha e África do Sul são só alguns dos países que fazem parte da iniciativa. O Brasil também está na lista e alunos em escola da Zona Sul de São Paulo exploraram o jogo – em inglês – para realizar construções com bloquinhos, entre elas réplicas da Mesquita de Al-Nuri e do Templo de Bel, vítimas de ataques religiosos do grupo extremista autodeclarado Estado Islâmico. Mais informações sobre o projeto, incluindo vídeo com as montagens, estão na página oficial do projeto na web (www.historyblocks.com.br). 

Comentários


Veja Também


'Minecraft' ajuda na reconstrução de monumentos destruídos na guerra do Oriente Médio

A tecnologia tem ajudado na reconstrução virtual de monumentos históricos que existiam no Oriente Médio. Há muitos anos, a região tem sofrido com conflitos causados por divergências religiosas e simbólicos prédios sofrem com os ataques. Parceria entre a Unesco (Organização das Nações Unidas para ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar