Brickmann

Era vidro e se quebrou


O jogo ia bem: dois projetos da mais alta importância, a lei de combate ao crime e a reforma da Previdência, entregues ao Congresso logo no início do governo, uma definição clara de prioridades (primeiro a economia, logo depois a segurança, manter tranquilo o que já funcionava, o agronegócio), e fazer barulho com outros temas para distrair a oposição. E que é que se poderia pedir de melhor do que uma oposição dirigida pela deputada federal Gleisi Hoffmann?

Pois o presidente Jair Bolsonaro está conseguindo não ganhar o jogo: permitiu que temas destinados apenas a fazer barulho dominassem de verdade a pauta oficial, passou a impressão de que um escritor residente nos Estados Unidos manda em parte do governo, e não conseguiu controlar as iniciativas de seu filho Carlos, o ‘02’, a quem chama carinhosamente de “pitbull”. Ou, pior ainda, é conivente com os ataques via Twitter a aliados de que necessita – alguns de seu próprio grupo, como o vice Hamilton Mourão; outros de fora, como Rodrigo Maia, presidente da Câmara.

Bolsonaro não está em fase de boa sorte. Na disputa entre Supremo e Lava Jato, foi atingido Moreira Franco – sogro de Rodrigo Maia. A tropa virtual bolsonarista festejou, e Rodrigo Maia, já chateado com Moro, se cansou. Não rompe com o governo nem desiste da reforma da Previdência, mas coordenar a ação política oficial, de maneira a conseguir os votos suficientes para aprová-la, isso não. E que governista poderá fazer a coordenação? Onyx Lorenzoni? Eduardo, filho ‘03’? Melhor não: perder de muito é ruim demais. 

Deixa...
Há muita gente de prestígio tentando convencer Rodrigo Maia a ficar no barco, como Janaina Pascoal, uma das redatoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, deputada estadual paulista com a maior votação de um parlamentar na história do País. Paulo Guedes, o superministro da Economia, trabalha nisso. E há quem tente convencer Bolsonaro de que o papel de seus filhos não é constranger o governo – posição da ala militar, cujo porta-voz é o vice-presidente Mourão. Aliás, Mourão já avisou Bolsonaro de que não tem mais paciência para as ofensas que Olavo de Carvalho lhe dirige. Cansou.

...disso
O integrante mais surpreendente da turma do deixa-disso é o senador Flávio Bolsonaro, o filho ‘03’. Pelo Twitter, disse: “O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é fundamental na articulação para aprovar a nova Previdência e projetos de combate ao crime. Assim como nós, está engajado em fazer o Brasil dar certo!” No mesmo post, desagravou Rodrigo Maia dos ataques de seu irmão Carlos e do ministro Sérgio Moro, que tinha deixado claro que em sua opinião o presidente da Câmara dava prioridade à Previdência e deixava para sabe-se lá quando o projeto de combate ao crime.

A paz militar
Pode ser que o presidente Bolsonaro tenha ouvido os conselhos do grupo militar e dado comando de ordem unida ao filho ‘02’ e aos guerrilheiros de internet. Afinal de contas, ou é isso ou não haverá reforma da Previdência (nem o pacote da segurança de Moro). E, a continuar assim, nem governo.

Coincidência
A gravação da conversa de Michel Temer com Joesley Batista foi divulgada poucos dias antes da votação da reforma da Previdência. A prisão de Moreira Franco ocorreu no momento em que seu genro era o principal articulador da aprovação da reforma da Previdência. A discussão de Sérgio Moro com Rodrigo Maia, em que o ministro disse que o povo não aguentava mais a insegurança (e recebeu dura resposta) aconteceu na mesma ocasião. O destino, ó destino cruel, parece conspirar contra a reforma da Previdência.

O show da vida
As prisões de Temer e Moreira Franco foram parte de um duelo entre Operação Lava Jato e Supremo. O Supremo tomou decisões que reduziram a margem de ação dos procuradores da Lava Jato (que deixaram clara sua irritação), e esta poderia ser a primeira resposta – o que explica o estardalhaço com que foram feitas, com paralisação do trânsito (e, claro, imagens da TV).

Os bois gigantes
Por falar em prisões, sai nesta segunda, no Brasil e nos Estados Unidos, o livro Traidores da Pátria, do jornalista Cláudio Tognolli. Na capa, a foto dos irmãos Joesley e Wesley Batista – a conversa de Temer com Joesley, que a usou em delação premiada, quase derrubou o então presidente. No livro, documentada, a história do crescimento da JBS, com propinas para muita gente, inclusive, diz a delação, Michel Temer. Para crescer, a JBS se ligou ao governo da época, do PT, e usou dinheiro de bancos públicos. Os irmãos por pouco não se livraram de qualquer pena, como prêmio pelas denúncias. Mas a delação tinha suas falhas, foi anulada, e o Supremo pode prendê-los. Um lançamento inusitado: dois bois gigantes de fibra de vidro circularão por Brasília das 11h30 às 15h30, com DJ de música caipira e locutor. O livro sai no Brasil com 3.000 exemplares e, nos Estados Unidos, em inglês, com dez mil.

Comentários


Veja Também


Era vidro e se quebrou

O jogo ia bem: dois projetos da mais alta importância, a lei de combate ao crime e a reforma da Previdência, entregues ao Congresso logo no início do governo, uma definição clara de prioridades (primeiro a economia, logo depois a segurança, manter tranquilo o que já funcionava, o agronegócio), e ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar