Márcio Bernardes

Liquidação de técnicos


(São Paulo) – Roger Machado e Jair Ventura são os mais recentes técnicos a perderem emprego no futebol brasileiro. Bastaram duas partidas pós-Copa e dois empates para o Santos demitir Jair. Já Roger, durou uma rodada a mais e caiu após revés para o Fluminense, no Maracanã. A roda de trocas entre os clubes da Série A chega a 17 mudanças em quase oito meses de temporada.

São 15 clubes com novos técnicos dos 20 da elite - 75%. Ceará e Botafogo alterara duas vezes. Mano Menezes (Cruzeiro), Renato Gaúcho (Grêmio), Vágner Mancini (Vitória), Gilson Kleina (Chapecoense) e Odair Helmann (Internacional) são os "sobreviventes" que estão desde o início do ano ou mais à frente dessas mesmas agremiações.

Leia Mais

No ano passado foram 30 mudanças durante a temporada brasileira. Agora, são 17 e o número certamente vai crescer com mais da metade da Série A a ser disputada, além de Copa do Brasil, Libertadores e Sul-Americana.

Marca expressiva

No futebol atual, um atleta de linha completar 200 partidas por um mesmo clube é fato raro. Dudu conseguiu isso pelo Palmeiras no compromisso diante do Fluminense, no Maracanã. Contratação que alterou o patamar do então cambaleante clube no fim de 2014, o atacante é o símbolo da mudança alviverde. São dois títulos expressivos, um deles como capitão, e a expectativa de que ele volte a render o que apresentou nos dois primeiros anos. Ele é o segundo do atual elenco com mais partidas, só atrás de Fernando Prass, com 260 jogos.

Barrados no baile

A Fifa divulgou os candidatos a melhor jogador e técnico da última temporada e Neymar e Tite estão fora da lista final. O atacante, marcado pelas quedas e encenações na Copa do Mundo, é ausência após ter ficado entre os principais nas últimas temporadas. Já o treinador, apesar da recuperação da seleção brasileira nos últimos dois anos, também não foi lembrado. Tite, acertadamente, vai continuar à frente do escrete nacional para os próximos desafios, lembrando que até a Copa de 2022 tem duas Copas Américas no caminho, 2019 - no Brasil - e 2020 nos Estados Unidos, além das Eliminatórias.


 

Comentários


Veja Também


Voltar