Economia

Como manter meu condomínio seguro


Na última coluna falamos sobre as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e a importância de o condomínio estar sempre atento a suas atualizações. Porém, e se isto não ocorrer? O que fazer para manter o condomínio seguro? Normalmente, poucos condomínios se atentam à necessidade de realizar bom seguro patrimonial.

O inciso 9 do artigo 1.348 do Código Civil determina como competência do síndico a realização de seguro da edificação. A lei 4.591/1964 prevê em seu artigo 13 a obrigatoriedade de realização de seguro contra incêndio ou destruição das partes comuns.

E sempre os condomínios se preocupavam em efetuar apenas o seguro de incêndio, não dando o devido valor aos chamados riscos acessórios que as companhias oferecem e que podem ser de grande valia em algumas situações que acabam por ser mais usuais do que o previsto.

Alguns condomínios não têm conhecimento de que existem riscos acessórios que cobrem danos em portas de vidro, danos elétricos, alagamentos, queda de raio, vendaval e responsabilidade civil, dentre outros mais.

Podem até parecer estranhos alguns ‘títulos’ utilizados pelas seguradoras, mas que, no fundo, uma boa análise mostra a devida importância de sua contratação. Como exemplo, temos a cobertura contra alagamento, que às vezes acaba passando despercebido, mas esta cobertura auxilia em caso de rompimento ou vazamento de caixa-d’água superior que venha a alagar os apartamentos.

A apólice voltada a vendaval também é muito importante em regiões em que haja bastante vento, pois pode ocasionar destelhamento e até mesmo a queda de objetos da cobertura do condomínio em cima de veículos ou imóveis vizinhos. Em condomínios que possuam muitas áreas comuns com vidros, é importante utilizar-se da cobertura de quebra de vidros. E, claro, a cobertura de responsabilidade civil, seja para o condomínio ou para o próprio síndico.

Imagine se o condomínio for demandado judicialmente por um terceiro sobre qualquer incidente que possa ter ocorrido nas dependências do condomínio, e venha o mesmo a ser condenado judicialmente. Ao invés de ter de efetuar um rateio para arcar com este prejuízo, basta acionar o seguro.

E o mesmo deve ser levado em consideração em caso de o síndico vir a causar algum prejuízo ao condomínio. A responsabilidade civil do síndico poderá ser coberta pela seguradora.

É importante que o condomínio analise adequadamente as suas necessidades e os riscos que a seguradora cobre, pois, uma apólice de seguro benfeita tem tudo para ser grande aliada do síndico e do condomínio, evitando, assim, que eventual prejuízo seja repassado para os condôminos.

Pense nisso quando for renovar seu seguro. 

Comentários


Veja Também


Como manter meu condomínio seguro

Na última coluna falamos sobre as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e a importância de o condomínio estar sempre atento a suas atualizações. Porém, e se isto não ocorrer? O que fazer para manter o condomínio seguro? Normalmente, poucos condomínios se atentam à necessidade ...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar