Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PMDB rechaça aproximação com democratas em Sto.André


Leandro Laranjeira
Do Diário do Grande ABC

28/04/2008 | 07:03


Surpreendidos pela aliança em nível estadual entre PMDB e DEM, os peemedebistas de Santo André não acreditam em problemas para se coligar ao PT na cidade. A direção do partido ainda descartou a possibilidade de seguir a linha do diretório estadual e se aproximar dos democratas no município, os quais também têm nome para a sucessão: o do advogado Raimundo Salles.

Postulando o cargo de vice na chapa encabeçada pelo deputado estadual Vanderlei Siraque (PT), o PMDB de Santo André apostava as fichas em um possível acordo entre as duas siglas em São Paulo – o que por pouco não foi concretizado – para aumentar as chances de compor a chapa majoritária com os petistas.

Embora admita que uma coalizão estadual “realmente ajudaria” as negociações em Santo André, o vereador e presidente do PMDB andreense, Sargento Juliano, rechaça possíveis problemas para definir uma aliança com o governo local. “Não ajuda, mas também não atrapalha. O Quércia (presidente estadual do partido) conhece as particularidades de cada cidade e não deve interferir em futuras negociações do nosso diretório”, aposta.

Juliano admitiu, porém, a surpresa com o anúncio do PMDB paulista. “Acredito que todo mundo foi surpreendido, não apenas nós, internamente, Mas o Quércia sabe o que é melhor para o partido em São Paulo e também para as pretensões dele em 2010”, justificou, sobre a possibilidade de o DEM – como parte do acordo – apoiar o ex-governador na eleição para o Senado.

Sem chance - Sobre um possível redirecionamento das pretensões peemedebistas para o DEM de Santo André, Juliano descarta a mínima chance de algo neste sentido vir a acontecer. “Não vejo ninguém interessado nesta aproximação. Não seria interessante agora”, argumentou.

A possibilidade é afastada pelo PMDB por conta de o DEM local, assim como ocorre nos planos estadual e nacional, ser totalmente contrário à política implementada pelo PT.

Prefeiturável em Santo André, o advogado Raimundo Salles (e também presidente municipal do DEM) afirmou não esperar uma aproximação do PMDB. “Antes de o galo cantar três vezes, eles irão declarar apoio ao PT. Tenho certeza disso, independentemente de quem será o vice petista.”

Na opinião do democrata, a chapa do PMDB é montada pela Prefeitura, não pela convenção da sigla. “Gosto do Juliano, mas ele não tem controle algum do partido.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PMDB rechaça aproximação com democratas em Sto.André

Leandro Laranjeira
Do Diário do Grande ABC

28/04/2008 | 07:03


Surpreendidos pela aliança em nível estadual entre PMDB e DEM, os peemedebistas de Santo André não acreditam em problemas para se coligar ao PT na cidade. A direção do partido ainda descartou a possibilidade de seguir a linha do diretório estadual e se aproximar dos democratas no município, os quais também têm nome para a sucessão: o do advogado Raimundo Salles.

Postulando o cargo de vice na chapa encabeçada pelo deputado estadual Vanderlei Siraque (PT), o PMDB de Santo André apostava as fichas em um possível acordo entre as duas siglas em São Paulo – o que por pouco não foi concretizado – para aumentar as chances de compor a chapa majoritária com os petistas.

Embora admita que uma coalizão estadual “realmente ajudaria” as negociações em Santo André, o vereador e presidente do PMDB andreense, Sargento Juliano, rechaça possíveis problemas para definir uma aliança com o governo local. “Não ajuda, mas também não atrapalha. O Quércia (presidente estadual do partido) conhece as particularidades de cada cidade e não deve interferir em futuras negociações do nosso diretório”, aposta.

Juliano admitiu, porém, a surpresa com o anúncio do PMDB paulista. “Acredito que todo mundo foi surpreendido, não apenas nós, internamente, Mas o Quércia sabe o que é melhor para o partido em São Paulo e também para as pretensões dele em 2010”, justificou, sobre a possibilidade de o DEM – como parte do acordo – apoiar o ex-governador na eleição para o Senado.

Sem chance - Sobre um possível redirecionamento das pretensões peemedebistas para o DEM de Santo André, Juliano descarta a mínima chance de algo neste sentido vir a acontecer. “Não vejo ninguém interessado nesta aproximação. Não seria interessante agora”, argumentou.

A possibilidade é afastada pelo PMDB por conta de o DEM local, assim como ocorre nos planos estadual e nacional, ser totalmente contrário à política implementada pelo PT.

Prefeiturável em Santo André, o advogado Raimundo Salles (e também presidente municipal do DEM) afirmou não esperar uma aproximação do PMDB. “Antes de o galo cantar três vezes, eles irão declarar apoio ao PT. Tenho certeza disso, independentemente de quem será o vice petista.”

Na opinião do democrata, a chapa do PMDB é montada pela Prefeitura, não pela convenção da sigla. “Gosto do Juliano, mas ele não tem controle algum do partido.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;