Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Sinimplast colocará no mercado embalagens de rápida degradação


Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

20/11/2004 | 11:35


A Sinimplast, fabricante de embalagens plásticas sopradas com unidade em Diadema, pretende colocar no mercado ainda este ano embalagens plásticas de rápida degradação, por meio de tecnologia adquirida da RES Brasil. A finalidade do aditivo - que é um polímero - é diminuir os prejuízos à natureza, acelerando o processo de degradação do plástico.

Em condições normais de uso, o plástico precisa de 18 a 24 meses para se decompor. Com a tecnologia - que leva o nome de D2W e é desenvolvida pela companhia inglesa Symphony -, o processo de degradação acontece em um período de três a seis meses, dependendo de fatores como umidade, temperatura e espessura da embalagem.

A Sinimplast assinou contrato com a RES em outubro passado e espera para o próximo ano aumento significativo na produção dos frascos de rápida degradação. As duas empresas não falam sobre perspectivas de lucros ou possibilidades de expansão com a parceria. O produto ainda está em fase de testes pela Sinimplast, mas a empresa avalia que as expectativas são positivas e diz que já há demanda por materiais que contenham o degradante.

Os principais clientes da Sinimplast são empresas do setor de higiene pessoal, de cosméticos e limpeza. Em 2003, os mil funcionários da companhia produziram cerca de um bilhão de frascos nas cinco unidades da Sinimplast no Estado. A unidade de Diadema concentra o maior número de empregados: 490.

"É o maior acordo do segmento", declara o diretor-superintendente da RES no Brasil, Eduardo Van Rost, para quem esse não é o único fator que estimula as vendas do aditivo, que ainda está inserido no mercado em projetos ou em pequenas quantidades. "Não é só por causa do acordo. Cada vez que uma empresa lança um produto biodegradável, a tendência é as outras seguirem." Hoje, a RES distribui dez toneladas do produto mensalmente. Para 2005, a expectativa é de que as vendas alcancem 50 toneladas por mês.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sinimplast colocará no mercado embalagens de rápida degradação

Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

20/11/2004 | 11:35


A Sinimplast, fabricante de embalagens plásticas sopradas com unidade em Diadema, pretende colocar no mercado ainda este ano embalagens plásticas de rápida degradação, por meio de tecnologia adquirida da RES Brasil. A finalidade do aditivo - que é um polímero - é diminuir os prejuízos à natureza, acelerando o processo de degradação do plástico.

Em condições normais de uso, o plástico precisa de 18 a 24 meses para se decompor. Com a tecnologia - que leva o nome de D2W e é desenvolvida pela companhia inglesa Symphony -, o processo de degradação acontece em um período de três a seis meses, dependendo de fatores como umidade, temperatura e espessura da embalagem.

A Sinimplast assinou contrato com a RES em outubro passado e espera para o próximo ano aumento significativo na produção dos frascos de rápida degradação. As duas empresas não falam sobre perspectivas de lucros ou possibilidades de expansão com a parceria. O produto ainda está em fase de testes pela Sinimplast, mas a empresa avalia que as expectativas são positivas e diz que já há demanda por materiais que contenham o degradante.

Os principais clientes da Sinimplast são empresas do setor de higiene pessoal, de cosméticos e limpeza. Em 2003, os mil funcionários da companhia produziram cerca de um bilhão de frascos nas cinco unidades da Sinimplast no Estado. A unidade de Diadema concentra o maior número de empregados: 490.

"É o maior acordo do segmento", declara o diretor-superintendente da RES no Brasil, Eduardo Van Rost, para quem esse não é o único fator que estimula as vendas do aditivo, que ainda está inserido no mercado em projetos ou em pequenas quantidades. "Não é só por causa do acordo. Cada vez que uma empresa lança um produto biodegradável, a tendência é as outras seguirem." Hoje, a RES distribui dez toneladas do produto mensalmente. Para 2005, a expectativa é de que as vendas alcancem 50 toneladas por mês.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;