Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Brasileiros compram mais cosméticos


Verônica Lima
Do Diário do Grande ABC

17/03/2007 | 18:40


Brasil finalmente ganha da França, pelo menos no que diz respeito ao consumo de produtos de beleza e higiene pessoal. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Euromonitor, de 2006, o Brasil que estava na quarta posição em 2005, galgou mais um degrau e ocupa a terceira posição, antes da França, famosa por sua indústria de produtos cosméticos.

De acordo com o presidente da Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), João Carlos Basilio da Silva, em 2005, o Brasil já havia desbancado mercados tradicionais, como Alemanha e Inglaterra.

Agora, com vendas no valor de US$ 18,2 bilhões (preço ao consumidor), superou também o mercado francês, perdendo apenas para o Japão e EUA. “Neste ano houve um crescimento em dólares de 26% no consumo dos produtos do setor no mercado brasileiro, contra crescimento estimado de 1,2% do mercado global, isso levou o País à terceira posição no ranking mundial”, explica Basilio.

A participação da mulher no mercado de trabalho e a utilização de tecnologia de ponta, aumentando a produtividade, são fatores que contribuíram para o crescimento do setor. Também a grande oferta de produtos gerou redução nos preços praticados pelos fabricantes, aquecendo o consumo.

Além disso, o aumento da expectativa de vida estimulou a necessidade de conservar uma impressão de juventude, aumentando o consumo de produtos de beleza, tanto por mulheres, quanto por homens.

"A sociedade brasileira está dizendo, através dos números, que os produtos de beleza são essenciais para a sua vida”, conta Basilio.

Em 2007, o presidente da Abihpec estima que o setor cresça 12%. A previsão é de que os investimentos se mantenham em torno de US$ 100 milhões ao ano até 2010 e sejam direcionados prioritariamente à expansão das fábricas já instaladas.

Nas exportações, mesmo com o câmbio desfavorável, o Brasil é ainda um dos maiores exportadores mundiais de produtos de beleza, vendendo para cerca de 139 países. Nos últimos cinco anos, o País apresentou um crescimento acumulado de 138%, e movimentou um total de US$ 484,4 milhões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasileiros compram mais cosméticos

Verônica Lima
Do Diário do Grande ABC

17/03/2007 | 18:40


Brasil finalmente ganha da França, pelo menos no que diz respeito ao consumo de produtos de beleza e higiene pessoal. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Euromonitor, de 2006, o Brasil que estava na quarta posição em 2005, galgou mais um degrau e ocupa a terceira posição, antes da França, famosa por sua indústria de produtos cosméticos.

De acordo com o presidente da Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), João Carlos Basilio da Silva, em 2005, o Brasil já havia desbancado mercados tradicionais, como Alemanha e Inglaterra.

Agora, com vendas no valor de US$ 18,2 bilhões (preço ao consumidor), superou também o mercado francês, perdendo apenas para o Japão e EUA. “Neste ano houve um crescimento em dólares de 26% no consumo dos produtos do setor no mercado brasileiro, contra crescimento estimado de 1,2% do mercado global, isso levou o País à terceira posição no ranking mundial”, explica Basilio.

A participação da mulher no mercado de trabalho e a utilização de tecnologia de ponta, aumentando a produtividade, são fatores que contribuíram para o crescimento do setor. Também a grande oferta de produtos gerou redução nos preços praticados pelos fabricantes, aquecendo o consumo.

Além disso, o aumento da expectativa de vida estimulou a necessidade de conservar uma impressão de juventude, aumentando o consumo de produtos de beleza, tanto por mulheres, quanto por homens.

"A sociedade brasileira está dizendo, através dos números, que os produtos de beleza são essenciais para a sua vida”, conta Basilio.

Em 2007, o presidente da Abihpec estima que o setor cresça 12%. A previsão é de que os investimentos se mantenham em torno de US$ 100 milhões ao ano até 2010 e sejam direcionados prioritariamente à expansão das fábricas já instaladas.

Nas exportações, mesmo com o câmbio desfavorável, o Brasil é ainda um dos maiores exportadores mundiais de produtos de beleza, vendendo para cerca de 139 países. Nos últimos cinco anos, o País apresentou um crescimento acumulado de 138%, e movimentou um total de US$ 484,4 milhões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;