Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Enchentes continuam na Europa e na China; mortos chegam a 250


Das Agências

18/08/2002 | 15:15


As enchentes continuam ameaçando a bacia do Elba na Alemanha, enquanto na Ásia as inundações ocasionaram quase 250 mortos na China durante os últimos quinze dias e numerosas vítimas no Vietnã e na Tailândia.

Na Alemanha, onde as inundações provocaram 15 mortos e 27 desaparecidos, segundo um balanço provisório, novos diques cederam ante a pressão das enchentes, que continuavam avançando para o norte e desembocadura do Elba.

Há vários dias, voluntários encheram sacos de areia com o objetivo de elevar a altura dos diques. Este trabalho foi amplamente superado pelas águas do Elba. Neste domingo, helicópteros tentavam cobrir as brechas, soltando blocos de cimento.

A situação era tensa na confluência do Elba e do Mulde, na cidade de Dessau, assim como em Magdeburgo, capital da Saxônia-Anhalt.

Na bacia do Mulde, certas partes da cidade industrial de Bitterfeld se achavam um metro e meio abaixo da água. Mas o grande complexo químico de Bitterfeld continuava sem ser atingido pela enchente.

No entanto, a baixa das águas era sensível rio acima no Elba, por exemplo em Dresden, capital da Saxônia, onde o nível do rio bateu sexta-feira passada um recorde histórico. As operações de retirada de água continuam. Mas serão necessários vários dias para a situação se normalizar, segundo os técnicos.

Na República Checa, onde as catastróficas inundações deixaram 13 mortos, a descida das águas do Elba se acelerava na Boêmia do Norte. Um lago gigante formado pelo Elba e seu afluente, Ohre, continuava se reduzindo.

Na Hungria, onde o estado de alerta foi declarado sexta-feira passada, as águas do Danúbio subiam neste domingo na região de Budapeste, e mais de 20 mil pessoas reforçavam os diques.

Na Grécia, chuvas torrenciais provocaram neste domingo inundações em Atenas, e perturbaram o trânsito, segundo o corpo de bombeiros, que mobilizou 500 homens para enfrentar a situação.

Enquanto isso, na China, inundações e avalanches deixaram em quinze dias um saldo de 250 mortos e dezenas de pessoas desaparecidas, balanço que pode se agravar com a continuação das torrenciais chuvas, segundo fontes oficiais.

Dezenas de milhões de pessoas foram afetadas pelas inundações e uma das regiões mais afetadas é a de Yunnan, no sudoeste.

Inundações também ocorreram em outros países da Ásia, como Vietnã, onde houve 14 mortos desde o início do mês, e Tailândia, onde duas pessoas morreram neste domingo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Enchentes continuam na Europa e na China; mortos chegam a 250

Das Agências

18/08/2002 | 15:15


As enchentes continuam ameaçando a bacia do Elba na Alemanha, enquanto na Ásia as inundações ocasionaram quase 250 mortos na China durante os últimos quinze dias e numerosas vítimas no Vietnã e na Tailândia.

Na Alemanha, onde as inundações provocaram 15 mortos e 27 desaparecidos, segundo um balanço provisório, novos diques cederam ante a pressão das enchentes, que continuavam avançando para o norte e desembocadura do Elba.

Há vários dias, voluntários encheram sacos de areia com o objetivo de elevar a altura dos diques. Este trabalho foi amplamente superado pelas águas do Elba. Neste domingo, helicópteros tentavam cobrir as brechas, soltando blocos de cimento.

A situação era tensa na confluência do Elba e do Mulde, na cidade de Dessau, assim como em Magdeburgo, capital da Saxônia-Anhalt.

Na bacia do Mulde, certas partes da cidade industrial de Bitterfeld se achavam um metro e meio abaixo da água. Mas o grande complexo químico de Bitterfeld continuava sem ser atingido pela enchente.

No entanto, a baixa das águas era sensível rio acima no Elba, por exemplo em Dresden, capital da Saxônia, onde o nível do rio bateu sexta-feira passada um recorde histórico. As operações de retirada de água continuam. Mas serão necessários vários dias para a situação se normalizar, segundo os técnicos.

Na República Checa, onde as catastróficas inundações deixaram 13 mortos, a descida das águas do Elba se acelerava na Boêmia do Norte. Um lago gigante formado pelo Elba e seu afluente, Ohre, continuava se reduzindo.

Na Hungria, onde o estado de alerta foi declarado sexta-feira passada, as águas do Danúbio subiam neste domingo na região de Budapeste, e mais de 20 mil pessoas reforçavam os diques.

Na Grécia, chuvas torrenciais provocaram neste domingo inundações em Atenas, e perturbaram o trânsito, segundo o corpo de bombeiros, que mobilizou 500 homens para enfrentar a situação.

Enquanto isso, na China, inundações e avalanches deixaram em quinze dias um saldo de 250 mortos e dezenas de pessoas desaparecidas, balanço que pode se agravar com a continuação das torrenciais chuvas, segundo fontes oficiais.

Dezenas de milhões de pessoas foram afetadas pelas inundações e uma das regiões mais afetadas é a de Yunnan, no sudoeste.

Inundações também ocorreram em outros países da Ásia, como Vietnã, onde houve 14 mortos desde o início do mês, e Tailândia, onde duas pessoas morreram neste domingo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;