Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Modernização de parque aquático no Baetão está atrasada há 1 ano

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Administração do prefeito de São Bernardo
alega problemas com a empresa responsável


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/02/2016 | 07:00


A promessa do governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), em modernizar o parque aquático do ginásio do Baetão, um dos mais antigos e conhecidos espaços esportivos da cidade, está atrasada há pelo menos um ano e longe de ser concluída.

O projeto, cujo principal objetivo é a restauração de uma piscina olímpica, deixou de ser executado em setembro após divergências do governo Marinho e a empresa responsável Rocha e Valle Engenharia Ltda. A reforma do complexo aquático foi orçada em R$ 500 mil e era custeada com verba do governo federal.

No local, a equipe do Diário presenciou abandono total ao projeto. As piscinas estão vazias, com grande parte de sua estrutura destruída. Há presença de materiais de construção, além de falta de piso e demais acabamentos no complexo. Funcionários do Baetão, de maneira informal, afirmaram que não se lembravam quando ao certo foi interditado o espaço e que o principal problema foi a interrupção das aulas de natação. “É uma pena tudo que aconteceu aqui. Espero ver tudo isso voltar a ser como era antes”, comentou um dos funcionários.

Por nota, o governo Marinho admitiu os problemas. “A obra necessitou ser paralisada para aguardar liberação de recursos do governo federal e também para ajustes no projeto e consequente reprogramação da obra. Em setembro, a obra foi reiniciada. Porém, em novembro a empresa solicitou rescisão contratual, que está sendo finalizada neste mês”. Em relação às aulas de natação, o governo informou que os alunos que faziam aulas de natação e hidroginástica estão sendo atendidos no Centro Esportivo Odemir Furlan (Baetinha).

Secretário adjunto de Esporte e Lazer da gestão petista, Paulo Henrique dos Santos comentou que a empresa deixou a obra com apenas 20% do executado, garantindo ter repassado valor somente sobre a parte concluída do serviço. “Foi um drama a relação com a construtora. Depois que resolvemos o atraso de envio de verba do governo federal, eles passaram a atrasar o projeto”, citou. Ele ainda pontuou que a expectativa é abrir outro processo de licitação nos próximos meses e retomar “os serviços até o fim do primeiro semestre”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Modernização de parque aquático no Baetão está atrasada há 1 ano

Administração do prefeito de São Bernardo
alega problemas com a empresa responsável

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/02/2016 | 07:00


A promessa do governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), em modernizar o parque aquático do ginásio do Baetão, um dos mais antigos e conhecidos espaços esportivos da cidade, está atrasada há pelo menos um ano e longe de ser concluída.

O projeto, cujo principal objetivo é a restauração de uma piscina olímpica, deixou de ser executado em setembro após divergências do governo Marinho e a empresa responsável Rocha e Valle Engenharia Ltda. A reforma do complexo aquático foi orçada em R$ 500 mil e era custeada com verba do governo federal.

No local, a equipe do Diário presenciou abandono total ao projeto. As piscinas estão vazias, com grande parte de sua estrutura destruída. Há presença de materiais de construção, além de falta de piso e demais acabamentos no complexo. Funcionários do Baetão, de maneira informal, afirmaram que não se lembravam quando ao certo foi interditado o espaço e que o principal problema foi a interrupção das aulas de natação. “É uma pena tudo que aconteceu aqui. Espero ver tudo isso voltar a ser como era antes”, comentou um dos funcionários.

Por nota, o governo Marinho admitiu os problemas. “A obra necessitou ser paralisada para aguardar liberação de recursos do governo federal e também para ajustes no projeto e consequente reprogramação da obra. Em setembro, a obra foi reiniciada. Porém, em novembro a empresa solicitou rescisão contratual, que está sendo finalizada neste mês”. Em relação às aulas de natação, o governo informou que os alunos que faziam aulas de natação e hidroginástica estão sendo atendidos no Centro Esportivo Odemir Furlan (Baetinha).

Secretário adjunto de Esporte e Lazer da gestão petista, Paulo Henrique dos Santos comentou que a empresa deixou a obra com apenas 20% do executado, garantindo ter repassado valor somente sobre a parte concluída do serviço. “Foi um drama a relação com a construtora. Depois que resolvemos o atraso de envio de verba do governo federal, eles passaram a atrasar o projeto”, citou. Ele ainda pontuou que a expectativa é abrir outro processo de licitação nos próximos meses e retomar “os serviços até o fim do primeiro semestre”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;