Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Defesa de Atila ingressa com recurso no STJ hoje

Prefeito de Mauá, preso desde quarta, apelará ainda no TRF-3, que decretou detenção preventiva


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

13/05/2018 | 07:00


A defesa do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), ingressará hoje no STJ (Superior Tribunal de Justiça) com pedido de habeas corpus para a soltura do socialista, preso desde quarta-feira por suspeita de lavagem de dinheiro, na carceragem da PF (Polícia Federal), na Capital, no âmbito da Operação Prato Feito. Na sexta-feira, Atila viu o TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) converter sua prisão temporária em preventiva, o que significa que não há prazo para que ele deixe o encarceramento.

Os advogados do prefeito mauaense também entrarão com recurso, durante esta semana, no próprio TRF-3, os chamados agravos regimentais. Este dispositivo é usado quando uma decisão é tomada de forma monocrática pelo juiz e a defesa tenta levar o pedido, nesse caso a soltura, à apreciação do colegiado. Na situação de Atila, a prisão preventiva foi determinada exclusivamente pelo desembargador federal Maurício Kato, na sexta-feira.

O criminalista Daniel Bialski, que defende Atila, afirmou ao Diário que a defesa aguarda que haja resultado do HC no STJ “na segunda (feira, amanhã) ou terça-feira”, o que significa que o prefeito de Mauá passará, pelo menos, o resto do fim de semana na prisão – completará, no mínimo, cinco dias de detenção.

O Diário revelou ontem com exclusividade detalhes da cela onde Atila Jacomussi e o seu secretário e braço direito João Gaspar (PCdoB, Governo e de Transportes) estão detidos. O tímido espaço é um cárcere comum, com grades, de 11,7 metros quadrados, e que conta com mesa, beliche, chuveiro e vaso sanitário. A cela está no mesmo setor ocupado por presos da Operação Lava Jato, como os irmãos Wesley e Joesley Batista, donos do grupo J&F. A dupla é acusada de integrar esquema de desvios e fraudes em contratos de merenda e material escolares. Na casa de Atila, a PF encontrou R$ 87 mil em dinheiro vivo e na de Gaspar, R$ 588,4 mil.

PROTESTO
Na manhã de ontem, o PT de Mauá promoveu ato, no Centro, exigindo a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A manifestação também foi usada para pedir a cassação do mandato de Atila e a manutenção de sua prisão. Presidente do PT paulista, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho defendeu que a executiva municipal do partido “precisa refletir sobre (pedir) o impeachment de Atila”, o que deve ser feito amanhã. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Defesa de Atila ingressa com recurso no STJ hoje

Prefeito de Mauá, preso desde quarta, apelará ainda no TRF-3, que decretou detenção preventiva

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

13/05/2018 | 07:00


A defesa do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), ingressará hoje no STJ (Superior Tribunal de Justiça) com pedido de habeas corpus para a soltura do socialista, preso desde quarta-feira por suspeita de lavagem de dinheiro, na carceragem da PF (Polícia Federal), na Capital, no âmbito da Operação Prato Feito. Na sexta-feira, Atila viu o TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) converter sua prisão temporária em preventiva, o que significa que não há prazo para que ele deixe o encarceramento.

Os advogados do prefeito mauaense também entrarão com recurso, durante esta semana, no próprio TRF-3, os chamados agravos regimentais. Este dispositivo é usado quando uma decisão é tomada de forma monocrática pelo juiz e a defesa tenta levar o pedido, nesse caso a soltura, à apreciação do colegiado. Na situação de Atila, a prisão preventiva foi determinada exclusivamente pelo desembargador federal Maurício Kato, na sexta-feira.

O criminalista Daniel Bialski, que defende Atila, afirmou ao Diário que a defesa aguarda que haja resultado do HC no STJ “na segunda (feira, amanhã) ou terça-feira”, o que significa que o prefeito de Mauá passará, pelo menos, o resto do fim de semana na prisão – completará, no mínimo, cinco dias de detenção.

O Diário revelou ontem com exclusividade detalhes da cela onde Atila Jacomussi e o seu secretário e braço direito João Gaspar (PCdoB, Governo e de Transportes) estão detidos. O tímido espaço é um cárcere comum, com grades, de 11,7 metros quadrados, e que conta com mesa, beliche, chuveiro e vaso sanitário. A cela está no mesmo setor ocupado por presos da Operação Lava Jato, como os irmãos Wesley e Joesley Batista, donos do grupo J&F. A dupla é acusada de integrar esquema de desvios e fraudes em contratos de merenda e material escolares. Na casa de Atila, a PF encontrou R$ 87 mil em dinheiro vivo e na de Gaspar, R$ 588,4 mil.

PROTESTO
Na manhã de ontem, o PT de Mauá promoveu ato, no Centro, exigindo a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A manifestação também foi usada para pedir a cassação do mandato de Atila e a manutenção de sua prisão. Presidente do PT paulista, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho defendeu que a executiva municipal do partido “precisa refletir sobre (pedir) o impeachment de Atila”, o que deve ser feito amanhã. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;