Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cresce participação das mulheres no mercado


Tauana Marin
do Diário do Grande ABC

14/03/2011 | 07:00


A cada ano, as mulheres conquistam seu espaço no mundo corporativo. Se tempos atrás elas eram destinadas apenas a ocupar cargos operacionais, ou especificamente femininos, hoje estão presentes nas mais diversas áreas e níveis hierárquicos.

O levantamento realizado pela Catho Online (portal de classificados online de currículos e empregos da América Latina) aponta que as mulheres já ocupam 58,63% dos cargos de coordenação, ou seja, mais da metade destes profissionais são do sexo feminino. Além disso, 22,91% dos cargos mais elevados das organizações, como presidentes e CEOs, também já pertencem as estas profissionais (veja tabela abaixo).

Para a gerente de comunicação da Catho, Carolina Stilhano, isso acontece porque as mulheres naturalmente possuem comunicação e relacionamento interpessoal melhor que os homens.

"Logo, elas fazem muitas tarefas ao mesmo tempo, dirigem equipes muito bem e acabam levando sua competência e profissionalismo para outros departamentos da empresa. E como são mais vistas, as competentes acabam sendo mais recompensadas, e daí o consequente sucesso", explica.

Carolina acredita que, embora ainda haja diferenças salariais entre homens e mulheres, ambos são tratados e respeitados como profissionais. O que vale é o resultado, o comprometimento, a proatividade, liderança e as habilidades técnicas e comportamentais que cada profissional leva para a empresa. "O sexo do profissional passa a ser detalhe".

Segundo informações da Catho, em média, homens recebem salário até 70% maior que o oferecido a pessoas do sexo oposto. Porém, como para toda regra existem exceções, a pesquisa investigou posições em que a remuneração feminina alcança valor maior que a de seus pares masculinos. O resultado deste levantamento identificou áreas em que as mulheres recebem salários 3% (arquiteto pleno) a 25% (professor/doutor) maiores, quando comparados com os dos homens.

Com relação à área de atuação, Educação (65,76%), Recursos Humanos (60,86%) e Relações Públicas (54,71%), são as que apresentam maior preferência e participação das mulheres. Tecnologia, por sua vez, continua sendo a área com menor índice de atuação feminina, com 12,56%.

A pesquisa foi baseada nos dados do Cadastro Catho - com informações de 480 mil executivos e 200 mil empresas nacionais e multinacionais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cresce participação das mulheres no mercado

Tauana Marin
do Diário do Grande ABC

14/03/2011 | 07:00


A cada ano, as mulheres conquistam seu espaço no mundo corporativo. Se tempos atrás elas eram destinadas apenas a ocupar cargos operacionais, ou especificamente femininos, hoje estão presentes nas mais diversas áreas e níveis hierárquicos.

O levantamento realizado pela Catho Online (portal de classificados online de currículos e empregos da América Latina) aponta que as mulheres já ocupam 58,63% dos cargos de coordenação, ou seja, mais da metade destes profissionais são do sexo feminino. Além disso, 22,91% dos cargos mais elevados das organizações, como presidentes e CEOs, também já pertencem as estas profissionais (veja tabela abaixo).

Para a gerente de comunicação da Catho, Carolina Stilhano, isso acontece porque as mulheres naturalmente possuem comunicação e relacionamento interpessoal melhor que os homens.

"Logo, elas fazem muitas tarefas ao mesmo tempo, dirigem equipes muito bem e acabam levando sua competência e profissionalismo para outros departamentos da empresa. E como são mais vistas, as competentes acabam sendo mais recompensadas, e daí o consequente sucesso", explica.

Carolina acredita que, embora ainda haja diferenças salariais entre homens e mulheres, ambos são tratados e respeitados como profissionais. O que vale é o resultado, o comprometimento, a proatividade, liderança e as habilidades técnicas e comportamentais que cada profissional leva para a empresa. "O sexo do profissional passa a ser detalhe".

Segundo informações da Catho, em média, homens recebem salário até 70% maior que o oferecido a pessoas do sexo oposto. Porém, como para toda regra existem exceções, a pesquisa investigou posições em que a remuneração feminina alcança valor maior que a de seus pares masculinos. O resultado deste levantamento identificou áreas em que as mulheres recebem salários 3% (arquiteto pleno) a 25% (professor/doutor) maiores, quando comparados com os dos homens.

Com relação à área de atuação, Educação (65,76%), Recursos Humanos (60,86%) e Relações Públicas (54,71%), são as que apresentam maior preferência e participação das mulheres. Tecnologia, por sua vez, continua sendo a área com menor índice de atuação feminina, com 12,56%.

A pesquisa foi baseada nos dados do Cadastro Catho - com informações de 480 mil executivos e 200 mil empresas nacionais e multinacionais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;