Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Padilha gasta 743% a mais do que arrecada

Andréa Iseki/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Candidato do PT ao governo do Estado tem dificuldade para conquistar recursos e tem o próprio partido como principal financiador. Informação é da segunda parcial da prestação de contas divulgadas pelo TSE


Gustavo Pinchiaro
Leandro Baldini

07/09/2014 | 06:57


Postulante do PT ao governo do Estado, Alexandre Padilha gastou 743% a mais do que arrecadou, de acordo com a segunda parcial da prestação de contas divulgada ontem pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O petista tem tido dificuldades para angariar recursos e alavancar a campanha. Nas pesquisas, não ultrapassa os 7% de intenções de voto, em terceiro lugar na disputa.

O ex-ministro da Saúde informou ter tido despesas de R$ 35 milhões contra R$ 4,1 milhões coletados no período. O descontrole econômico já havia ocorrido na primeira parcial, quando os gastos (R$ 33,2 milhões) foram 17.476% maiores do que a receita (R$ 188,9 mil). Ao todo, o petista empenhou R$ 68,2 milhões e obteve apenas R$ 4,3 milhões.

O principal financiador da campanha são os próprios diretórios paulista e nacional do PT.
Favorito para arrematar o pleito em primeiro turno, o governador Geraldo Alckmin angariou R$ 14 milhões e teve despesas de R$ 13,8 milhões. Na primeira parcial, o tucano conquistou verba de R$ 5,7 milhões. Postulante do PMDB, Paulo Skaf só não arrecadou mais que o atual governador. O peemedebista garantiu receita de R$ 10,3 milhões. Os gastos chegaram a R$ 10,4 milhões. O primeiro balancete apresentava doações de R$ 4,3 milhões.

NACIONAL
Candidata à reeleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) angariou R$ 123,3 milhões, amplamente superior a todas as demais campanhas. A petista empenhou apenas R$ 56,1 milhões. Na primeira parcial das contas, a presidente recebeu contribuição de R$ 9,6 milhões.

Presidenciável do PSDB, o senador Aécio Neves arrecadou R$ 40,6 milhões e desembolsou R$ 40,4 milhões. O primeiro período contou com doações de R$ 8,1 milhões.

Sobre as contas de Marina Silva, que assumiu a chapa do PSB após a morte de Eduardo Campos (dia 13 de agosto), constam na segunda parcial do sistema como sem lançamentos. O nome de Eduardo Campos ainda está presente no levantamento, com R$ 17,4 milhões arrecadados.

Candidato do PV, Eduardo Jorge foi quem apresentou a menor valor recebido, apenas R$ 300, frutos de uma única doação.

As arrecadações de todos os candidatos são oriundas de pessoas físicas e jurídicas. As mais numerosas são provenientes do setor privado, envolvendo bancos, empreiteiras e demais setores. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Padilha gasta 743% a mais do que arrecada

Candidato do PT ao governo do Estado tem dificuldade para conquistar recursos e tem o próprio partido como principal financiador. Informação é da segunda parcial da prestação de contas divulgadas pelo TSE

Gustavo Pinchiaro
Leandro Baldini

07/09/2014 | 06:57


Postulante do PT ao governo do Estado, Alexandre Padilha gastou 743% a mais do que arrecadou, de acordo com a segunda parcial da prestação de contas divulgada ontem pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O petista tem tido dificuldades para angariar recursos e alavancar a campanha. Nas pesquisas, não ultrapassa os 7% de intenções de voto, em terceiro lugar na disputa.

O ex-ministro da Saúde informou ter tido despesas de R$ 35 milhões contra R$ 4,1 milhões coletados no período. O descontrole econômico já havia ocorrido na primeira parcial, quando os gastos (R$ 33,2 milhões) foram 17.476% maiores do que a receita (R$ 188,9 mil). Ao todo, o petista empenhou R$ 68,2 milhões e obteve apenas R$ 4,3 milhões.

O principal financiador da campanha são os próprios diretórios paulista e nacional do PT.
Favorito para arrematar o pleito em primeiro turno, o governador Geraldo Alckmin angariou R$ 14 milhões e teve despesas de R$ 13,8 milhões. Na primeira parcial, o tucano conquistou verba de R$ 5,7 milhões. Postulante do PMDB, Paulo Skaf só não arrecadou mais que o atual governador. O peemedebista garantiu receita de R$ 10,3 milhões. Os gastos chegaram a R$ 10,4 milhões. O primeiro balancete apresentava doações de R$ 4,3 milhões.

NACIONAL
Candidata à reeleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) angariou R$ 123,3 milhões, amplamente superior a todas as demais campanhas. A petista empenhou apenas R$ 56,1 milhões. Na primeira parcial das contas, a presidente recebeu contribuição de R$ 9,6 milhões.

Presidenciável do PSDB, o senador Aécio Neves arrecadou R$ 40,6 milhões e desembolsou R$ 40,4 milhões. O primeiro período contou com doações de R$ 8,1 milhões.

Sobre as contas de Marina Silva, que assumiu a chapa do PSB após a morte de Eduardo Campos (dia 13 de agosto), constam na segunda parcial do sistema como sem lançamentos. O nome de Eduardo Campos ainda está presente no levantamento, com R$ 17,4 milhões arrecadados.

Candidato do PV, Eduardo Jorge foi quem apresentou a menor valor recebido, apenas R$ 300, frutos de uma única doação.

As arrecadações de todos os candidatos são oriundas de pessoas físicas e jurídicas. As mais numerosas são provenientes do setor privado, envolvendo bancos, empreiteiras e demais setores. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;