Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Servidores acionam Paço de Diadema na Justiça por falta de equipamentos

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Processo denuncia série de irregularidades em unidades mesmo com avanço da Covid-19


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/04/2020 | 01:10


Servidores públicos da área da saúde de Diadema entraram com ação civil coletiva contra o governo do prefeito Lauro Michels (PV) sob alegação de que a municipalidade não oferece os aparatos mínimos para resguardar a saúde dos colaboradores que atuam na linha de frente do atendimento feito às pessoas com suspeita do novo coronavírus na cidade. O documento foi impetrado na quinta-feira pelo Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema).

De acordo com o documento, de 18 páginas, ao qual o Diário teve acesso, os funcionários municipais apontam série de irregularidades nas principais unidades do setor, e registram que a Prefeitura de Diadema não distribuiu, por exemplo, EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) exigidos pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no combate à Covid-19. Boa parte dos envolvidos atua no Quarteirão de Saúde, equipamento de maior demanda da rede local.

“Diante dessa situação, e a fim de resguardar a saúde e a integridade da categoria dos trabalhadores que representa, em especial daqueles que estão na linha de frente, o requerente emitiu vários ofícios dirigidos às autoridades civis do município”, diz trecho da peça. Conforme conteúdo do processo em trâmite, os ofícios foram emitidos nos dias 2, 16 e 18 de março – teor é compilado de denúncias dos servidores.

Os avisos emitidos pela categoria relatam a falta de acessórios como máscaras cirúrgicas exigidas pela OMS, ausência de aparato em locais onde há casos suspeitos e confirmados de Covid-19 e problemas até em relação a material de higiene, a exemplo de sabão, papel toalha e álcool 70%. “No laboratório do Quarteirão da Saúde e do hospital público, onde há circulação de médicos e enfermeiros trazendo exames dos pacientes suspeitos, falta máscara e demais EPIs para os trabalhadores”, pontua o documento. “Faltam (ainda) materiais como kits de testagem, vacina da Influenza e caixas térmicas”, acrescenta a ação.

No processo, com pedido de liminar, o sindicato exige a reposição dos equipamentos específicos para a proteção individual, assim como o afastamento imediato dos trabalhadores de saúde que pertencem ao grupo de risco. Segundo a OMS, pessoas acima dos 60 anos, além de indivíduos que tenham diabetes e pressão alta configuram faixa de risco e estão mais propícios ao contágio com a Covid-19.

Médico que trabalha como clínico-geral na cidade há dez anos, Evandro Pereira dos Reis, 42 anos, chegou a gravar vídeo para expor a situação dos profissionais do Quarteirão.

Nas imagens, o médico relata falta de equipamentos, em especial a máscara “tipo N 95”, que, segundo ele, é o material correto para proteger o agente de saúde na atuação de combate à pandemia. “Alguns profissionais chegaram a comprar material do próprio bolso, o que é inadmissível”, declarou. Ele reclama de coação após denunciar falhas na rede.

A Prefeitura sustentou, por meio de nota, que os EPIs estão sendo disponibilizados de acordo com a recomendação da OMS, divulgada pela Secretaria Estadual da Saúde. Em relação a Evandro, o Paço cita que o servidor foi advertido a normas de trabalho. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Servidores acionam Paço de Diadema na Justiça por falta de equipamentos

Processo denuncia série de irregularidades em unidades mesmo com avanço da Covid-19

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/04/2020 | 01:10


Servidores públicos da área da saúde de Diadema entraram com ação civil coletiva contra o governo do prefeito Lauro Michels (PV) sob alegação de que a municipalidade não oferece os aparatos mínimos para resguardar a saúde dos colaboradores que atuam na linha de frente do atendimento feito às pessoas com suspeita do novo coronavírus na cidade. O documento foi impetrado na quinta-feira pelo Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema).

De acordo com o documento, de 18 páginas, ao qual o Diário teve acesso, os funcionários municipais apontam série de irregularidades nas principais unidades do setor, e registram que a Prefeitura de Diadema não distribuiu, por exemplo, EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) exigidos pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no combate à Covid-19. Boa parte dos envolvidos atua no Quarteirão de Saúde, equipamento de maior demanda da rede local.

“Diante dessa situação, e a fim de resguardar a saúde e a integridade da categoria dos trabalhadores que representa, em especial daqueles que estão na linha de frente, o requerente emitiu vários ofícios dirigidos às autoridades civis do município”, diz trecho da peça. Conforme conteúdo do processo em trâmite, os ofícios foram emitidos nos dias 2, 16 e 18 de março – teor é compilado de denúncias dos servidores.

Os avisos emitidos pela categoria relatam a falta de acessórios como máscaras cirúrgicas exigidas pela OMS, ausência de aparato em locais onde há casos suspeitos e confirmados de Covid-19 e problemas até em relação a material de higiene, a exemplo de sabão, papel toalha e álcool 70%. “No laboratório do Quarteirão da Saúde e do hospital público, onde há circulação de médicos e enfermeiros trazendo exames dos pacientes suspeitos, falta máscara e demais EPIs para os trabalhadores”, pontua o documento. “Faltam (ainda) materiais como kits de testagem, vacina da Influenza e caixas térmicas”, acrescenta a ação.

No processo, com pedido de liminar, o sindicato exige a reposição dos equipamentos específicos para a proteção individual, assim como o afastamento imediato dos trabalhadores de saúde que pertencem ao grupo de risco. Segundo a OMS, pessoas acima dos 60 anos, além de indivíduos que tenham diabetes e pressão alta configuram faixa de risco e estão mais propícios ao contágio com a Covid-19.

Médico que trabalha como clínico-geral na cidade há dez anos, Evandro Pereira dos Reis, 42 anos, chegou a gravar vídeo para expor a situação dos profissionais do Quarteirão.

Nas imagens, o médico relata falta de equipamentos, em especial a máscara “tipo N 95”, que, segundo ele, é o material correto para proteger o agente de saúde na atuação de combate à pandemia. “Alguns profissionais chegaram a comprar material do próprio bolso, o que é inadmissível”, declarou. Ele reclama de coação após denunciar falhas na rede.

A Prefeitura sustentou, por meio de nota, que os EPIs estão sendo disponibilizados de acordo com a recomendação da OMS, divulgada pela Secretaria Estadual da Saúde. Em relação a Evandro, o Paço cita que o servidor foi advertido a normas de trabalho. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;