Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Administração libera estádio após enchente


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

10/02/2009 | 07:00


O Santo André já pode voltar para casa. A administração do Estádio Bruno Daniel liberou ontem o local, restando apenas alguns detalhes para finalizar o trabalho de recuperação e limpeza. No sábado, durante o jogo entre Ramalhão e Marília, pelo Paulistão, uma forte chuva alagou parte do estádio e encerrou a partida aos 23 minutos da primeira etapa.

De acordo com Ronaldo Musial, administrador do Brunão, a força-tarefa para a limpeza foi intensa, o que resultou na liberação do local antes mesmo do prometido. "Havia falado ao delegado da FPF (Valter José dos Reis) que estaria tudo em ordem em 48 horas, mas com 36 horas ininterruptas de serviço, o estádio está em plenas condições de uso", disse.

"Ontem (domingo), às 16h, o estádio já estava apto, porque todos os departamentos se empenharam. Não foi por causa da Prefeitura que não teve jogo no domingo", enfatizou.

Foram utilizados caminhões-pipa, máquinas de lavagem de alta-pressão, além de produtos químicos para inibir o mau cheiro e limpar a lama e o lixo que invadiram o local. E, de fato, ontem não se viam ou sentiam vestígios da enchente. O trabalho foi conduzido pela equipe que trabalha no próprio Brunão em conjunto com funcionários das secretarias de Governo e de Obras, além de Defesa Civil e do Semasa.

Alguns detalhes, no entanto, ainda estão por fazer. "Estamos na parte de desinsetização e desinfectação, mas a água foi totalmente escoada. Falaram que o problema foi estrutural do Bruno Daniel, mas o motivo foi a tromba d'água que caiu na cabeceira do rio. Em 15 minutos, transbordou e não teve vazão suficiente", comentou o administrador.

As maiores perdas foram em materiais perecíveis, como copos de água dos atletas, além de colchões e móveis dos jogadores da base que usam os alojamentos localizados abaixo das arquibancadas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Administração libera estádio após enchente

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

10/02/2009 | 07:00


O Santo André já pode voltar para casa. A administração do Estádio Bruno Daniel liberou ontem o local, restando apenas alguns detalhes para finalizar o trabalho de recuperação e limpeza. No sábado, durante o jogo entre Ramalhão e Marília, pelo Paulistão, uma forte chuva alagou parte do estádio e encerrou a partida aos 23 minutos da primeira etapa.

De acordo com Ronaldo Musial, administrador do Brunão, a força-tarefa para a limpeza foi intensa, o que resultou na liberação do local antes mesmo do prometido. "Havia falado ao delegado da FPF (Valter José dos Reis) que estaria tudo em ordem em 48 horas, mas com 36 horas ininterruptas de serviço, o estádio está em plenas condições de uso", disse.

"Ontem (domingo), às 16h, o estádio já estava apto, porque todos os departamentos se empenharam. Não foi por causa da Prefeitura que não teve jogo no domingo", enfatizou.

Foram utilizados caminhões-pipa, máquinas de lavagem de alta-pressão, além de produtos químicos para inibir o mau cheiro e limpar a lama e o lixo que invadiram o local. E, de fato, ontem não se viam ou sentiam vestígios da enchente. O trabalho foi conduzido pela equipe que trabalha no próprio Brunão em conjunto com funcionários das secretarias de Governo e de Obras, além de Defesa Civil e do Semasa.

Alguns detalhes, no entanto, ainda estão por fazer. "Estamos na parte de desinsetização e desinfectação, mas a água foi totalmente escoada. Falaram que o problema foi estrutural do Bruno Daniel, mas o motivo foi a tromba d'água que caiu na cabeceira do rio. Em 15 minutos, transbordou e não teve vazão suficiente", comentou o administrador.

As maiores perdas foram em materiais perecíveis, como copos de água dos atletas, além de colchões e móveis dos jogadores da base que usam os alojamentos localizados abaixo das arquibancadas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;