Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Taxas de juros sobem, mas inadimplência fica estável


Da ABr

25/08/2010 | 07:03


As empresas e famílias pagaram mais caro pelo crédito em julho deste ano, enquanto a inadimplência ficou estável. Segundo dados do BC (Banco Central) divulgados ontem, a taxa de juros média cobrada das empresas subiu 1,4 ponto percentual, de junho para julho, e alcançou a marca de 28,7% ao ano. No caso das pessoas físicas, a alta foi de 0,1 ponto percentual para 40,5% ao ano. Com isso, a taxa média teve aumento de 0,8 ponto percentual para 35,4% ao ano.

Para o chefe do departamento econômico do BC, Altamir Lopes, grandes companhias pagaram empréstimos com recursos livres (com taxas de juros livremente pactuadas entre o banco e o cliente) e passaram a buscar financiamentos com recursos direcionados (operações com taxas pré-estabelecidas em normas governamentais), principalmente repassados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Com isso, avaliou Lopes, as empresas que permaneceram na carteira de crédito com recursos livres "têm potencial de risco mais elevado, portanto spread (diferença entre a taxa de captação e a cobrada dos clientes) mais elevado". Assim, as taxas ficam mais altas, segundo análise de Lopes.

Lopes acrescentou que a taxa média divulgada pelo BC refere-se às operações com recursos livres e ainda não há dados no relatório sobre os juros cobrados pelo BNDES. Em julho, o spread para as empresas apresentou alta de 1,2 ponto percentual em relação a junho para 18,1% ao ano. No caso das pessoas físicas, o aumento foi de 0,3 ponto percentual para 28,9% ao ano.

A taxa de inadimplência, considerados os atrasos superiores a 90 dias, permaneceu em 3,6% para as empresas e em 6,5% para as pessoas físicas.

Lopes avaliou que no caso da inadimplência para as famílias, a perspectiva é "boa". Isso porque os atrasos inferiores a 90 dias estão em queda. Essa redução deve se refletir nos dados considerados pelo BC como inadimplência (superiores a 90 dias). "Entretanto, para as empresas esses atrasos inferiores a 90 dias já estão estáveis há algum tempo. Pode haver alguma elevação na inadimplência para as empresas".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Taxas de juros sobem, mas inadimplência fica estável

Da ABr

25/08/2010 | 07:03


As empresas e famílias pagaram mais caro pelo crédito em julho deste ano, enquanto a inadimplência ficou estável. Segundo dados do BC (Banco Central) divulgados ontem, a taxa de juros média cobrada das empresas subiu 1,4 ponto percentual, de junho para julho, e alcançou a marca de 28,7% ao ano. No caso das pessoas físicas, a alta foi de 0,1 ponto percentual para 40,5% ao ano. Com isso, a taxa média teve aumento de 0,8 ponto percentual para 35,4% ao ano.

Para o chefe do departamento econômico do BC, Altamir Lopes, grandes companhias pagaram empréstimos com recursos livres (com taxas de juros livremente pactuadas entre o banco e o cliente) e passaram a buscar financiamentos com recursos direcionados (operações com taxas pré-estabelecidas em normas governamentais), principalmente repassados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Com isso, avaliou Lopes, as empresas que permaneceram na carteira de crédito com recursos livres "têm potencial de risco mais elevado, portanto spread (diferença entre a taxa de captação e a cobrada dos clientes) mais elevado". Assim, as taxas ficam mais altas, segundo análise de Lopes.

Lopes acrescentou que a taxa média divulgada pelo BC refere-se às operações com recursos livres e ainda não há dados no relatório sobre os juros cobrados pelo BNDES. Em julho, o spread para as empresas apresentou alta de 1,2 ponto percentual em relação a junho para 18,1% ao ano. No caso das pessoas físicas, o aumento foi de 0,3 ponto percentual para 28,9% ao ano.

A taxa de inadimplência, considerados os atrasos superiores a 90 dias, permaneceu em 3,6% para as empresas e em 6,5% para as pessoas físicas.

Lopes avaliou que no caso da inadimplência para as famílias, a perspectiva é "boa". Isso porque os atrasos inferiores a 90 dias estão em queda. Essa redução deve se refletir nos dados considerados pelo BC como inadimplência (superiores a 90 dias). "Entretanto, para as empresas esses atrasos inferiores a 90 dias já estão estáveis há algum tempo. Pode haver alguma elevação na inadimplência para as empresas".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;