Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Prefeito adia escolha de reitor da Fundação Santo André

Paulo Serra havia afirmado, semana passada, que definição sobre o nome sairia até ontem


Bia Moço
Especial para o Diário

01/02/2018 | 07:00


 A decisão sobre quem assumirá a reitoria da FSA (Fundação Santo André) foi adiada para a semana que vem pelo prefeito da cidade, Paulo Serra (PSDB), a quem cabe a escolha. Há uma semana, o chefe do Executivo havia afirmado que até o último dia de janeiro – prazo que se encerrou ontem – definiria a questão.

Responsável pela escolha do nome que vai comandar a instituição de Ensino Superior entre 2018 e 2022, o prefeito deu indícios, em dezembro, de que respeitaria a vontade da comunidade escolar e nomearia o candidato mais votado no processo eleitoral oficial, o professor Francisco José Santos Milreu. Os três nomes finalistas foram entregues ao prefeito no dia 29 de novembro. Além de Milreu, que obteve 44,65% dos votos, entraram Andrea Dias Quintao (39,68%) e Edvaldo Luis Rossini, o Didi (15,67%) – que há duas semanas solicitou ao prefeito andreense a retirada do seu nome da disputa.

No entanto, na segunda-feira, estudantes do Cufsa (Centro Universitário Fundação Santo André) protocolaram carta junto ao gabinete do prefeito com o objetivo de “fazer valer a vontade do corpo estudantil”, elegendo a professora Andréa Quintao para a reitoria. De acordo com os alunos, Andréa recebeu 585 votos da comunidade acadêmica, enquanto Milreu obteve pouco mais da metade dos sufrágios – 423. Em terceiro lugar estaria Edvaldo Luis Rossini, o Didi, com 128 pontos.

Na semana passada, a reitora da FSA, Leila Modanez, deu início a pente-fino em todos os 450 contratos de servidores com o objetivo de identificar o número exato de funcionários e professores sem concurso público – o que é proibido por lei. Investigação preliminar apontou 126 profissionais com documentação insuficiente para comprovar o modo de contratação. Um deles seria o professor Milreu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeito adia escolha de reitor da Fundação Santo André

Paulo Serra havia afirmado, semana passada, que definição sobre o nome sairia até ontem

Bia Moço
Especial para o Diário

01/02/2018 | 07:00


 A decisão sobre quem assumirá a reitoria da FSA (Fundação Santo André) foi adiada para a semana que vem pelo prefeito da cidade, Paulo Serra (PSDB), a quem cabe a escolha. Há uma semana, o chefe do Executivo havia afirmado que até o último dia de janeiro – prazo que se encerrou ontem – definiria a questão.

Responsável pela escolha do nome que vai comandar a instituição de Ensino Superior entre 2018 e 2022, o prefeito deu indícios, em dezembro, de que respeitaria a vontade da comunidade escolar e nomearia o candidato mais votado no processo eleitoral oficial, o professor Francisco José Santos Milreu. Os três nomes finalistas foram entregues ao prefeito no dia 29 de novembro. Além de Milreu, que obteve 44,65% dos votos, entraram Andrea Dias Quintao (39,68%) e Edvaldo Luis Rossini, o Didi (15,67%) – que há duas semanas solicitou ao prefeito andreense a retirada do seu nome da disputa.

No entanto, na segunda-feira, estudantes do Cufsa (Centro Universitário Fundação Santo André) protocolaram carta junto ao gabinete do prefeito com o objetivo de “fazer valer a vontade do corpo estudantil”, elegendo a professora Andréa Quintao para a reitoria. De acordo com os alunos, Andréa recebeu 585 votos da comunidade acadêmica, enquanto Milreu obteve pouco mais da metade dos sufrágios – 423. Em terceiro lugar estaria Edvaldo Luis Rossini, o Didi, com 128 pontos.

Na semana passada, a reitora da FSA, Leila Modanez, deu início a pente-fino em todos os 450 contratos de servidores com o objetivo de identificar o número exato de funcionários e professores sem concurso público – o que é proibido por lei. Investigação preliminar apontou 126 profissionais com documentação insuficiente para comprovar o modo de contratação. Um deles seria o professor Milreu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;