Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Estado 'desconversa' sobre Hospital Nardini

Governo afirma apenas que 'vai analisar' proposta para assumir hospital de Mauá; comando continua incerto


William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

21/01/2009 | 07:00


A reunião entre representantes do Poder Público de Mauá e da Secretária de Estado da Saúde terminou na terça-feira quase como começou. Depois de aproximadamente uma hora de conversa, o governo do Estado seguiu reticente em reassumir o controle do Hospital Doutor Radamés Nardini, motivo de dor-de-cabeça para os mauaenses desde a metade dos anos 1990.

As impressões sobre o resultado da reunião variam de acordo com o lado da mesa. Para o deputado estadual Donisete Braga (PT), o governo deu mostras de que pretende estudar a viabilidade de se fazer estudos para retomar o comando da unidade hospitalar.

Questões "técnicas, físicas e financeiras" estariam envolvidas na análise. "Espero que o Estado possa, daqui a duas semanas, oferecer uma política de gestão para o Nardini. Seria uma ação efetiva e contamos com isso", disse o deputado.

Mas a "ação efetiva" aguardada pelo parlamentar não deve aparecer tão cedo - isso se surgir. A secretaria sinaliza que a proposta de estadualização do hospital deve seguir o mesmo caminho que as outras apresentadas desde o início da década. A assessoria informou apenas que será levada à análise do secretário estadual Luiz Roberto Barradas Barata - como as demais já foram um dia.

O prefeito de Mauá, Oswaldo Dias (PT), e o vice, que também é o secretário de Saúde, Paulo Eugênio, também participaram da reunião com o coordenador de regiões da Secretaria de Saúde, Luiz Maria Ramos Filho. Procurada pela reportagem, a administração municipal não se manifestou sobre o teor do encontro até o fechamento desta edição.

Na segunda-feira, o Ministério Público Estadual pretende ouvir a Prefeitura sobre a crise no Nardini. Uma liminar concedida pela Justiça em 2007 gera multa diária de R$ 10 mil à administração municipal pelas péssimas condições sanitárias e de infraestrutura do hospital.

Os atuais gestores já sinalizam com a possibilidade de solicitar o adiamento da audiência, alegando não terem tido tempo para elaborar proposta de implementação das ações de regularização.

PROMESSAS - Um hospital estadual para Mauá não virá tão cedo, e nisto concordam tanto o deputado Donisete Braga quanto a Secretaria de Estado da Saúde. As divergências entre o petista e a administração tucana se concentram nas soluções paliativas.

O deputado deixou a reunião com a expectativa de que haverá construção de 30 a 40 leitos em Rio Grande da Serra, 50 a 80 leitos em Ribeirão Pires e um AME (Ambulatório Médico de Especialidades) em Mauá. O Estado nega a primeira promessa, diz que a segunda é parcialmente verdadeira (podem não ser tantos leitos) e que a última virá para a região no início de 2010, mas ainda sem local definido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estado 'desconversa' sobre Hospital Nardini

Governo afirma apenas que 'vai analisar' proposta para assumir hospital de Mauá; comando continua incerto

William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

21/01/2009 | 07:00


A reunião entre representantes do Poder Público de Mauá e da Secretária de Estado da Saúde terminou na terça-feira quase como começou. Depois de aproximadamente uma hora de conversa, o governo do Estado seguiu reticente em reassumir o controle do Hospital Doutor Radamés Nardini, motivo de dor-de-cabeça para os mauaenses desde a metade dos anos 1990.

As impressões sobre o resultado da reunião variam de acordo com o lado da mesa. Para o deputado estadual Donisete Braga (PT), o governo deu mostras de que pretende estudar a viabilidade de se fazer estudos para retomar o comando da unidade hospitalar.

Questões "técnicas, físicas e financeiras" estariam envolvidas na análise. "Espero que o Estado possa, daqui a duas semanas, oferecer uma política de gestão para o Nardini. Seria uma ação efetiva e contamos com isso", disse o deputado.

Mas a "ação efetiva" aguardada pelo parlamentar não deve aparecer tão cedo - isso se surgir. A secretaria sinaliza que a proposta de estadualização do hospital deve seguir o mesmo caminho que as outras apresentadas desde o início da década. A assessoria informou apenas que será levada à análise do secretário estadual Luiz Roberto Barradas Barata - como as demais já foram um dia.

O prefeito de Mauá, Oswaldo Dias (PT), e o vice, que também é o secretário de Saúde, Paulo Eugênio, também participaram da reunião com o coordenador de regiões da Secretaria de Saúde, Luiz Maria Ramos Filho. Procurada pela reportagem, a administração municipal não se manifestou sobre o teor do encontro até o fechamento desta edição.

Na segunda-feira, o Ministério Público Estadual pretende ouvir a Prefeitura sobre a crise no Nardini. Uma liminar concedida pela Justiça em 2007 gera multa diária de R$ 10 mil à administração municipal pelas péssimas condições sanitárias e de infraestrutura do hospital.

Os atuais gestores já sinalizam com a possibilidade de solicitar o adiamento da audiência, alegando não terem tido tempo para elaborar proposta de implementação das ações de regularização.

PROMESSAS - Um hospital estadual para Mauá não virá tão cedo, e nisto concordam tanto o deputado Donisete Braga quanto a Secretaria de Estado da Saúde. As divergências entre o petista e a administração tucana se concentram nas soluções paliativas.

O deputado deixou a reunião com a expectativa de que haverá construção de 30 a 40 leitos em Rio Grande da Serra, 50 a 80 leitos em Ribeirão Pires e um AME (Ambulatório Médico de Especialidades) em Mauá. O Estado nega a primeira promessa, diz que a segunda é parcialmente verdadeira (podem não ser tantos leitos) e que a última virá para a região no início de 2010, mas ainda sem local definido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;