Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Comércio da região terá pior resultado estadual

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

FecomercioSP estima faturamento de R$ 29,72 bi, queda real de 8,2% em 2014


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

17/12/2014 | 07:03


O comércio varejista do Grande ABC terá o pior desempenho do Estado de São Paulo neste ano, com queda real estimada de 8,2% no faturamento. Ao todo, o setor acumulará R$ 29,72 bilhões. A Capital será a dona do segunda pior variação, com decréscimo de 3,8% após o desconto na inflação e faturamento de R$ 162,26 bilhões.

Este será o reflexo da crise do setor automotivo, que tem influenciado o resultado da indústria da região e também causado o pessimismo no consumidor, que não tem certeza de que continuará empregado.

A estimativa faz parte da PCVC (Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo), da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo). A base para chegar ao resultado são dados da receita mensal informada pelas empresas varejistas à Sefaz (Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo).

O mau desempenho do Grande ABC está comparado com outras 14 regiões – que agregam todos os demais municípios do Estado – mais a Capital. Fazem parte do comércio varejista os segmentos de autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de departamentos; de eletrodomésticos e eletrônicos; móveis e decoração; vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados e outras atividades, nas quais estão incluídos os comércio de combustíveis, jornais, revistas e joias, por exemplo.

INFLUÊNCIAS - O assessor econômico da Fecomercio Guilherme Dietze destacou que a crise no setor automotivo tem influenciado toda a indústria da região. “Imaginamos aqui a consequência do setor. Ele é um dos principais distribuidores e geradores de renda para a região”, disse.

Ele foi além e justificou sua tese com o número de vendas das concessionárias de veículos no Grande ABC. Ele não tinha o valor fechado sobre o faturamento do segmento, mas disse que a previsão é de queda real de 13,4% em 2014.

Pontuou ainda que as demissões e queda de produção nas montadoras prejudicam outros setores, como o de autopeças e de serviços. Conforme o Diário publicou ontem, nos primeiros nove meses de 2014, a indústria da transformação reduziu o quadro de funcionários em 10.619 postos formais (com registro em carteira), tendo em vista que o setor metal-mecânico, onde está a maioria das empresas automotiva, foi responsável por 75% dessas dispensas.

As consequências da crise no setor automobilístico foram ainda mais longe, afetando as empresas do setor de borracha e plástico, que cortaram 1.774 vagas entre janeiro e setembro. Por fim, até o setor de serviços, que tem carregado a economia nas costas com resultados positivos, e que aumentou o número de empregos em 4.262 sofreu impacto da indústria automotiva. O segmento de transportes, correios e armazenamento enxugou o quadro em 1.943, por ter grande parte de seu mercado formado pelas fábricas.

“Em tese, as empresas de melhor qualidade de emprego e renda estão na indústria. Se o setor vai mal, se demite, o impacto que vai gerar nos demais setores da economia é grande”, explicou o coordenador do Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo, o professor de Economia Sandro Maskio.

Outro ponto apresentado pelo especialista da Metodista é o pessimismo proporcionado pelas condições econômicas e decisões das empresas. “Aqueles que não perderam o emprego vão dar preferência para segurar um pouco mais o dinheiro. Não querem comprometer mais ainda o orçamento.”

DEMAIS - O comércio varejista do Estado de São Paulo vai faturar R$ 528,29 bilhões, estimou a Fecomercio. Tal resultado significa redução real de 1,6%.

As cidades do litoral paulista são as donas do terceiro pior resultado estadual, com decréscimo real de 3,4%. O faturamento estimado é de R$ 17,97 bilhões.

Por outro lado, a região de Jundiaí deve apresentar a melhor variação, com alta projetado de 5,3% e previsão de faturamento da ordem de R$ 30,82 bilhões. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;