Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região registra mais 469 casos do novo coronavírus

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sete cidades tiveram ainda 28 novas mortes pela doença nos mais recentes boletins


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

15/06/2020 | 23:43


O Grande ABC registrou ontem aumento significativo no número de casos confirmados do novo coronavírus. De acordo com os boletins epidemiológicos das sete prefeituras, foram 469 novos pacientes positivados à doença – segundo maior índice desde o início, atrás apenas do publicado em 30 de maio (690). Além disso, a região contabilizou 28 mortes a mais do que o balanço divulgado no domingo, alcançando 853 vítimas fatais decorrentes da Covid-19.

Com relação aos óbitos, já são 265 em São Bernardo, 209 em Santo André, 172 em Diadema (que, sozinha, adicionou 13 novos às suas contas), 104 em Mauá, 69 em São Caetano, 24 em Ribeirão Pires e dez em Rio Grande da Serra.

Já no índice que diz respeito aos confirmados, Santo André lidera, com 4.673 pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus, contra 3.409 de São Bernardo, 1.931 de Diadema, 1.542 de São Caetano, 550 de Mauá, 262 de Ribeirão Pires e 106 de Rio Grande.

O Grande ABC contabiliza ainda 17.068 suspeitos (sendo 7.924 somente em São Bernardo) e 4.765 pessoas recuperadas, ou seja, que receberam alta médica. Os andreenses também estão à frente neste ranking, com 2.287 pacientes que se livraram da doença, seguidos pelos são-caetanenses (1.109), são-bernardenses (732), diademenses (248), mauaenses (228), ribeirão-pirenses (104) e rio-grandenses (65).

MAIS NÚMEROS
O mais recente boletim do Ministério da Saúde aponta que o Brasil alcançou 412.252 pessoas recuperadas do novo coronavírus. Por outro lado, 43.959 pessoas não resistiram à doença e evoluíram a óbito. No total, 888.271 pessoas foram positivadas à Covid-19 no País.

Já em São Paulo o cenário também segue crescente. O Estado registra 181.460 infectados pela doença e 10.767 mortes (6.213 homens e 4.554 mulheres, sendo que 73,6% do total são de pessoas com 60 anos ou mais). Por outro lado, o boletim da Secretaria da Saúde aponta diminuição na ocupação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) na Grande São Paulo: 77,8%. O material informa ainda que dos 645 municípios paulistas, houve ao menos um infectado em 579 deles, sendo 308 com um ou mais óbitos.

PROJEÇÃO
A flexibilização pela qual o Estado de São Paulo vem passando com relação à quarentena provocada pela pandemia do novo coronavírus pode aumentar em 71% o número de mortos até 8 de julho. Ao menos é o que indica estudo de pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e da FGV (Fundação Getúlio Vargas), que analisa de que maneira a retomada das atividades econômicas pode refletir nos óbitos.

Se não houvesse o afrouxamento das medidas de isolamento físico, a pesquisa estima que seriam 14,6 vítimas fatais até a primeira semana de julho. Porém, com a reabertura, o território paulista pode alcançar 24,9 perdas em razão da doença. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região registra mais 469 casos do novo coronavírus

Sete cidades tiveram ainda 28 novas mortes pela doença nos mais recentes boletins

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

15/06/2020 | 23:43


O Grande ABC registrou ontem aumento significativo no número de casos confirmados do novo coronavírus. De acordo com os boletins epidemiológicos das sete prefeituras, foram 469 novos pacientes positivados à doença – segundo maior índice desde o início, atrás apenas do publicado em 30 de maio (690). Além disso, a região contabilizou 28 mortes a mais do que o balanço divulgado no domingo, alcançando 853 vítimas fatais decorrentes da Covid-19.

Com relação aos óbitos, já são 265 em São Bernardo, 209 em Santo André, 172 em Diadema (que, sozinha, adicionou 13 novos às suas contas), 104 em Mauá, 69 em São Caetano, 24 em Ribeirão Pires e dez em Rio Grande da Serra.

Já no índice que diz respeito aos confirmados, Santo André lidera, com 4.673 pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus, contra 3.409 de São Bernardo, 1.931 de Diadema, 1.542 de São Caetano, 550 de Mauá, 262 de Ribeirão Pires e 106 de Rio Grande.

O Grande ABC contabiliza ainda 17.068 suspeitos (sendo 7.924 somente em São Bernardo) e 4.765 pessoas recuperadas, ou seja, que receberam alta médica. Os andreenses também estão à frente neste ranking, com 2.287 pacientes que se livraram da doença, seguidos pelos são-caetanenses (1.109), são-bernardenses (732), diademenses (248), mauaenses (228), ribeirão-pirenses (104) e rio-grandenses (65).

MAIS NÚMEROS
O mais recente boletim do Ministério da Saúde aponta que o Brasil alcançou 412.252 pessoas recuperadas do novo coronavírus. Por outro lado, 43.959 pessoas não resistiram à doença e evoluíram a óbito. No total, 888.271 pessoas foram positivadas à Covid-19 no País.

Já em São Paulo o cenário também segue crescente. O Estado registra 181.460 infectados pela doença e 10.767 mortes (6.213 homens e 4.554 mulheres, sendo que 73,6% do total são de pessoas com 60 anos ou mais). Por outro lado, o boletim da Secretaria da Saúde aponta diminuição na ocupação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) na Grande São Paulo: 77,8%. O material informa ainda que dos 645 municípios paulistas, houve ao menos um infectado em 579 deles, sendo 308 com um ou mais óbitos.

PROJEÇÃO
A flexibilização pela qual o Estado de São Paulo vem passando com relação à quarentena provocada pela pandemia do novo coronavírus pode aumentar em 71% o número de mortos até 8 de julho. Ao menos é o que indica estudo de pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e da FGV (Fundação Getúlio Vargas), que analisa de que maneira a retomada das atividades econômicas pode refletir nos óbitos.

Se não houvesse o afrouxamento das medidas de isolamento físico, a pesquisa estima que seriam 14,6 vítimas fatais até a primeira semana de julho. Porém, com a reabertura, o território paulista pode alcançar 24,9 perdas em razão da doença. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;