Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Com juro alto, 13º pode ‘virar pó’


Fernando Bortolin
Do Diário do Grande ABC

19/11/2006 | 21:09


Bancos, financeiras e comércio em geral resolveram dar uma chance para o consumidor e reduziram as taxas de juros para compras financiadas em outubro, aponta pesquisa divulgada pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Mesmo a conta-gotas, o fato deve ser louvado e incentivado, uma vez que o brasileiro é obrigado a pagar uma taxa média de 7,43% ao mês nas compras com carnês, boletos bancários e cheques pré-datados, taxa essa que representa 136,32% ao ano.

Se você não tem noção do que isso representa, basta uma conta simples. Se for a uma loja e comprar uma geladeira de R$ 1 mil a essa taxa, ao final de 12 meses esse produto terá custado R$ 2.363,20. Desse montante, R$ 1.363,20 serão pagos apenas na forma de juros. Perceba que o valor é maior que o preço à vista do bem, e no total, seria possível comprar duas geladeiras à vista e ainda sobraria troco de R$ 363,20.

É importante que o consumidor faça sempre esse exercício, principalmente neste momento em que o orçamento doméstico ganha o reforço do 13º salário. Sem prestar atenção aos juros embutidos nas vendas a prazo, pode-se ficar com esse orçamento comprimido por meses a fio – e noites de insônia.

Comércio – Segundo a pesquisa da Anefac, os juros praticados no comércio fecharam outubro na casa dos 6,16% ao mês, ou 104,89% ao ano. Isso representa que qualquer bem que você compre a prazo, terá o preço dobrado por força dos juros. A geladeira de R$ 1 mil custará financiada R$ 2.048,90 em 12 meses.

O importante aqui é conter o impulso consumista. Pense o seguinte: se você colocar R$ 100 por mês na caderneta de poupança, no espaço de 10 meses poderá comprar o mesmo bem à vista. Perceba que a prestação em 12 meses – da geladeira comprada a prazo – será de R$ 170,74, bem acima do esforço em poupar R$ 100 a cada mês.

Absurdo – Boa parte dos consumidores não se atém ao perigo do cartão de crédito, principalmente hoje que os cartões embutem o débito direto em conta. Uma compra com cartão embutiu juros de 10,35% ao mês em outubro, ou 226,04% ao ano.

Vamos para o exemplo da geladeira: R$ 1 mil financiado a taxa de 226,04% ao ano representa R$ 3.260,40.

Veja que daria para comprar três geladeiras à vista e ainda sobraria troco de R$ 260,40 – o preço à vista da cesta básica medida pela Craisa na semana passada, de R$ 250, mais um troco de R$ 10,40.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;