Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Procura-se o antigo dono do cachorro Costelinha

Andréa Iseki/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Caroline Garcia
Especial para o Diário

24/07/2012 | 07:00


O nome ninguém sabe, mas desde o dia 12, quando apareceu em uma concessionária no bairro Ferrazópolis, em São Bernardo, magro e com as costelas aparecendo, o cachorro da raça pointer inglês ganhou o apelido de Costelinha.

"Sempre aparece bastante cachorro aqui e mandamos para fora. Mas ele estava machucado, com uma sutura recente na perna, e muito magro", disse o entregador de autos Salmo Pinto Carneiro, 32 anos.

Carneiro chegou a trocar a marmita que traz diariamente de casa pelo almoço no restaurante para ter comida para Costelinha no primeiro dia de estadia do cãozinho. "Também fiz uma caminha nos fundos com uns panos velhos, papelão e plástico para ele passar a noite. Nesses dias de chuva, ele dormia embaixo dos ônibus estacionados."

Comovidos com o estado do cachorro, os funcionários da concessionária fizeram vaquinha para levá-lo ao veterinário e comprar ração. O diagnóstico da sutura recente foi de uma cirurgia para a colocação de dois pinos no joelho e dois no tornozelo, procedimento que custa em torno de R$ 2.800. Costelinha ainda manca e precisa de medicamentos.

"Não tem lógica o dono pagar uma cirurgia dessa e abandonar o cachorro. A gente tem certeza que ele está perdido", afirmou Carneiro.

Para Costelinha não ter de passar o fim de semana sozinho, a secretária Daniela Ferraz Junqueira, 38, levou o cão para a casa da mãe. "Ele se acostumou bem. No primeiro dia ficou bem quieto, mas agora já está pulando, comendo e brincado", comentou a secretária. O veterinário estima que ele tenha cerca de 2 anos.

Os funcionários divulgaram fotos nas páginas pessoais do Facebook para tentar encontrar o antigo lar de Costelinha. "Cuido dele até aparecer o dono, mas não tenho condições de ficar com ele, já tomo conta dos meus dois netos", disse a aposentada Neide Ferraz Junqueira, 65, que arrumou um cantinho para Costelinha no quintal. "E o dono deve ser homem porque ele não respeita mulher", brincou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Procura-se o antigo dono do cachorro Costelinha

Caroline Garcia
Especial para o Diário

24/07/2012 | 07:00


O nome ninguém sabe, mas desde o dia 12, quando apareceu em uma concessionária no bairro Ferrazópolis, em São Bernardo, magro e com as costelas aparecendo, o cachorro da raça pointer inglês ganhou o apelido de Costelinha.

"Sempre aparece bastante cachorro aqui e mandamos para fora. Mas ele estava machucado, com uma sutura recente na perna, e muito magro", disse o entregador de autos Salmo Pinto Carneiro, 32 anos.

Carneiro chegou a trocar a marmita que traz diariamente de casa pelo almoço no restaurante para ter comida para Costelinha no primeiro dia de estadia do cãozinho. "Também fiz uma caminha nos fundos com uns panos velhos, papelão e plástico para ele passar a noite. Nesses dias de chuva, ele dormia embaixo dos ônibus estacionados."

Comovidos com o estado do cachorro, os funcionários da concessionária fizeram vaquinha para levá-lo ao veterinário e comprar ração. O diagnóstico da sutura recente foi de uma cirurgia para a colocação de dois pinos no joelho e dois no tornozelo, procedimento que custa em torno de R$ 2.800. Costelinha ainda manca e precisa de medicamentos.

"Não tem lógica o dono pagar uma cirurgia dessa e abandonar o cachorro. A gente tem certeza que ele está perdido", afirmou Carneiro.

Para Costelinha não ter de passar o fim de semana sozinho, a secretária Daniela Ferraz Junqueira, 38, levou o cão para a casa da mãe. "Ele se acostumou bem. No primeiro dia ficou bem quieto, mas agora já está pulando, comendo e brincado", comentou a secretária. O veterinário estima que ele tenha cerca de 2 anos.

Os funcionários divulgaram fotos nas páginas pessoais do Facebook para tentar encontrar o antigo lar de Costelinha. "Cuido dele até aparecer o dono, mas não tenho condições de ficar com ele, já tomo conta dos meus dois netos", disse a aposentada Neide Ferraz Junqueira, 65, que arrumou um cantinho para Costelinha no quintal. "E o dono deve ser homem porque ele não respeita mulher", brincou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;