Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Consulta médica em R.Pires pode ter espera de 3 meses


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

24/07/2004 | 17:39


O prazo de espera por uma consulta médica na rede pública de Ribeirão Pires pode levar três meses. De todas as cidades, a UBS (Unidade Básica de Saúde de Santa Luzia), em Ribeirão Pires, foi a que apresentou o quadro mais crítico de todas as unidades visitadas pelo Diário durante uma semana. Há duas semanas, a paciente que tentava agendar uma consulta para passar com um ginecologista saía da UBS com um horário apenas para outubro. No posto, há dois ginecologistas, e um deles está em férias e não foi substituído.

"A demanda da região é realmente grande. Pretendemos reverter esse quadro fazendo um mutirão. Vamos enviar novos especialistas para essa unidade durante um tempo para eqüalizar o atendimento", afirmou o secretário de Saúde da cidade, Carlos Magno da Silva. Segundo ele, esses médicos devem chegar à Santa Luzia nessa semana, mas o secretário não determinou o número exato.

A ginecologia, ao lado da pediatria, é uma das especialidades mais disputadas em qualquer posto médico. No entanto, a agenda para conseguir uma consulta para as crianças é muito mais flexível. De lápis e caderno na mão, as recepcionistas apresentam vários horários vagos para serem preenchidos com consultas na Santa Luzia. O mesmo ocorreu na UBS do Jardim Luzo, também em Ribeirão. Nas unidades do Jardim Casa Grande, Centro e Eldorado, em Diadema, Jardim São João, em Mauá e Central e Prosperidade, em São Caetano, as crianças passam pelo médico em até uma semana. Atendimento rápido que muitas vezes o médico da rede particular não oferece.

Em Rio Grande da Serra, a espera também é curta. As opções da cidade são uma das cinco USFs (Unidades de Saúde da Família). A média de espera para passar por um médico da família - generalista que atende adultos de ambos os sexos e crianças - é de, também, uma semana.

Rio Grande e São Caetano são os dois municípios que conseguem atender a demanda em curto espaço de tempo. Nas outras seis cidades, é preciso esperar um mês para ser atendido por um clínico-geral. "A gente geralmente passa pelo clínico para pedir vaga com outros especialistas. Isso deixa a gente agoniado com algum problema de saúde e que não consegue resolver rapidamente", disse a auxiliar de limpeza Alexandra dos Santos, 29 anos, que utiliza os serviços da UBS do Jardim Farina, em São Bernardo.

Para as prefeituras, 30 dias é uma espera bastante aceitável. "Muitos usuários não entendem o sistema de atendimento das UBSs. Os atendimentos são de rotina. Acham que estão muito doentes e querem mais atenção. Damos essa acolhida, por exemplo, nos casos das mulheres que desconfiam estar grávidas", disse Silvana Giovanelli, chefe da divisão das UBSs de São Bernardo.

Esperar - Depois de marcada a consulta, o próximo passo é se preparar para esperar algumas horas nas recepções. A dona de casa Luzinete Arcanjo Fernandes, 51 anos, procura sempre que precisa a UBS do Jardim Luzo, em Ribeirão Pires, e não deixa de levar para a espera uma revista ou um livro. "Passo com o clínico-geral. Chego uma hora antes porque essa é a orientação. A espera é longa. Pode chegar a três horas. Tenho que me distrair."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Consulta médica em R.Pires pode ter espera de 3 meses

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

24/07/2004 | 17:39


O prazo de espera por uma consulta médica na rede pública de Ribeirão Pires pode levar três meses. De todas as cidades, a UBS (Unidade Básica de Saúde de Santa Luzia), em Ribeirão Pires, foi a que apresentou o quadro mais crítico de todas as unidades visitadas pelo Diário durante uma semana. Há duas semanas, a paciente que tentava agendar uma consulta para passar com um ginecologista saía da UBS com um horário apenas para outubro. No posto, há dois ginecologistas, e um deles está em férias e não foi substituído.

"A demanda da região é realmente grande. Pretendemos reverter esse quadro fazendo um mutirão. Vamos enviar novos especialistas para essa unidade durante um tempo para eqüalizar o atendimento", afirmou o secretário de Saúde da cidade, Carlos Magno da Silva. Segundo ele, esses médicos devem chegar à Santa Luzia nessa semana, mas o secretário não determinou o número exato.

A ginecologia, ao lado da pediatria, é uma das especialidades mais disputadas em qualquer posto médico. No entanto, a agenda para conseguir uma consulta para as crianças é muito mais flexível. De lápis e caderno na mão, as recepcionistas apresentam vários horários vagos para serem preenchidos com consultas na Santa Luzia. O mesmo ocorreu na UBS do Jardim Luzo, também em Ribeirão. Nas unidades do Jardim Casa Grande, Centro e Eldorado, em Diadema, Jardim São João, em Mauá e Central e Prosperidade, em São Caetano, as crianças passam pelo médico em até uma semana. Atendimento rápido que muitas vezes o médico da rede particular não oferece.

Em Rio Grande da Serra, a espera também é curta. As opções da cidade são uma das cinco USFs (Unidades de Saúde da Família). A média de espera para passar por um médico da família - generalista que atende adultos de ambos os sexos e crianças - é de, também, uma semana.

Rio Grande e São Caetano são os dois municípios que conseguem atender a demanda em curto espaço de tempo. Nas outras seis cidades, é preciso esperar um mês para ser atendido por um clínico-geral. "A gente geralmente passa pelo clínico para pedir vaga com outros especialistas. Isso deixa a gente agoniado com algum problema de saúde e que não consegue resolver rapidamente", disse a auxiliar de limpeza Alexandra dos Santos, 29 anos, que utiliza os serviços da UBS do Jardim Farina, em São Bernardo.

Para as prefeituras, 30 dias é uma espera bastante aceitável. "Muitos usuários não entendem o sistema de atendimento das UBSs. Os atendimentos são de rotina. Acham que estão muito doentes e querem mais atenção. Damos essa acolhida, por exemplo, nos casos das mulheres que desconfiam estar grávidas", disse Silvana Giovanelli, chefe da divisão das UBSs de São Bernardo.

Esperar - Depois de marcada a consulta, o próximo passo é se preparar para esperar algumas horas nas recepções. A dona de casa Luzinete Arcanjo Fernandes, 51 anos, procura sempre que precisa a UBS do Jardim Luzo, em Ribeirão Pires, e não deixa de levar para a espera uma revista ou um livro. "Passo com o clínico-geral. Chego uma hora antes porque essa é a orientação. A espera é longa. Pode chegar a três horas. Tenho que me distrair."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;