Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Frio com vinho no Espírito Santo


Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC, com AJB

21/07/2004 | 20:27


Com as baixas temperaturas do inverno na serra, tomar um bom vinho a dois, de preferência em frente a uma lareira, torna-se um programa pra lá de irresistível. Que dirá se vier acompanhado da oportunidade de provar em primeira-mão alguns dos melhores vinhos produzidos no mundo tendo como cenário os belíssimos rochedos e vales da região serrana do Espírito Santo. É essa mistura de natureza com requintada gastronomia que promete atrair visitantes de paladar acurado para o Parque Estadual da Pedra Azul, no município capixaba de Domingos Martins, entre os dias 27 deste mês e 1º de agosto, quando será promovido o 7º Encontro Internacional de Vinho.

Durante o evento, enólogos do Brasil e do exterior darão palestras ao privilegiado público, todas elas acompanhadas de degustações. Um requintado espetáculo de aromas, texturas, cores e sabores que pode custar caro ao bolso: as inscrições para não-associados beiram os R$ 2 mil.

Vinícolas estrangeiras representam a maior parte dos participantes. Paralelamente, acontecem workshops sobre vinhos importados e nacionais. Durante os três dias, estarão em Pedra Azul 114 enólogos e vinícolas de 15 países diferentes. Ao todo, são dez as palestras com degustação e mais dois almoços de harmonização para um seleto público de 60 pessoas.

Foram convidados enólogos de renome, como Enrique Tirado, que criou o Almaviva, um ícone da enologia chilena. O enólogo Patrício Tapias estará apresentando a variedade Syrah, que teve uma perfeita aclimatação na Austrália e chega agora à América do Sul, mais especificamente ao Chile, onde está tendo uma excelente adaptação.

A cada ano, a culinária de um determinado país é escolhida como tema. Agora a vez é da Espanha. Pepita Rodrigues prepara dois pratos: cordeiros aragon e bacalhau à puil-puil (tipicamente basco, com peixe, azeite e alho) para harmonizar com vinhos espanhóis especialmente selecionados.

As inscrições para o Encontro Internacional do Vinho (0xx27 3200-3776) custam R$ 1,8 mil para membros da Sociedade dos Amigos do Vinho do Espírito Santo (Soaves); R$ 1,9 mil para sócios da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS); e R$ 2 mil para não-sócios. A hospedagem fica por conta da Alianza Tour (0xx27 3315-4333).

Ecoturismo – Uma vez no Encontro, vale aproveitar para conhecer o deslumbrante Parque da Pedra Azul, que abre às sextas, sábados e domingos. Lá, fauna e flora encantam o visitante, que pode conhecer espécies como macaco-prego, tamanduá-de-colete e jaguatirica, que convivem na floresta salpicada de orquídeas e bromélias.

O parque tem três trilhas: a primeira é a do Lagarto, com 480 m; a segunda é a das Piscinas, com 1,2 mil metros, onde o turista pode mergulhar nas piscinas naturais escavadas nas pedras; e a terceira, a da Pedra Azul, tem 945 m. Ali, a surpresa é grande quando se avista o paredão da Pedra Azul, com seus mais de 500 m de altura. A região foi colonizada por alemães e italianos e possui uma das melhores redes hoteleiras do Estado.

A apenas 90 km da capital Vitória, o município possui várias fazendas abertas ao público, com passeios a cavalo, comida no forno a lenha e alambiques. Na Casa do Artesanato, doces e biscoitos dão água na boca.

Há, ainda, cachoeiras como a do Galo, a da Pedra Azul e a do Rio Jucu, onde acontece o circuito brasileiro de canoagem. Quem curte adrenalina, aliás, encontra um prato cheio, com rafting noturno, floating, bóia-cross, canyoning e trilhas. Outro ponto de destaque é a reserva Kautsky, orquidário com mais de 700 espécies.

Também devem estar incluídas no roteiro a Casa de Cultura, com documentos e fotografias da época da colonização, e a Igreja de Santa Isabel, fundada em 1850. Isso sem falar no relógio musical, movido a água, com um teatro mecânico sobre a vida de Cristo: uma relíquia da cidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Frio com vinho no Espírito Santo

Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC, com AJB

21/07/2004 | 20:27


Com as baixas temperaturas do inverno na serra, tomar um bom vinho a dois, de preferência em frente a uma lareira, torna-se um programa pra lá de irresistível. Que dirá se vier acompanhado da oportunidade de provar em primeira-mão alguns dos melhores vinhos produzidos no mundo tendo como cenário os belíssimos rochedos e vales da região serrana do Espírito Santo. É essa mistura de natureza com requintada gastronomia que promete atrair visitantes de paladar acurado para o Parque Estadual da Pedra Azul, no município capixaba de Domingos Martins, entre os dias 27 deste mês e 1º de agosto, quando será promovido o 7º Encontro Internacional de Vinho.

Durante o evento, enólogos do Brasil e do exterior darão palestras ao privilegiado público, todas elas acompanhadas de degustações. Um requintado espetáculo de aromas, texturas, cores e sabores que pode custar caro ao bolso: as inscrições para não-associados beiram os R$ 2 mil.

Vinícolas estrangeiras representam a maior parte dos participantes. Paralelamente, acontecem workshops sobre vinhos importados e nacionais. Durante os três dias, estarão em Pedra Azul 114 enólogos e vinícolas de 15 países diferentes. Ao todo, são dez as palestras com degustação e mais dois almoços de harmonização para um seleto público de 60 pessoas.

Foram convidados enólogos de renome, como Enrique Tirado, que criou o Almaviva, um ícone da enologia chilena. O enólogo Patrício Tapias estará apresentando a variedade Syrah, que teve uma perfeita aclimatação na Austrália e chega agora à América do Sul, mais especificamente ao Chile, onde está tendo uma excelente adaptação.

A cada ano, a culinária de um determinado país é escolhida como tema. Agora a vez é da Espanha. Pepita Rodrigues prepara dois pratos: cordeiros aragon e bacalhau à puil-puil (tipicamente basco, com peixe, azeite e alho) para harmonizar com vinhos espanhóis especialmente selecionados.

As inscrições para o Encontro Internacional do Vinho (0xx27 3200-3776) custam R$ 1,8 mil para membros da Sociedade dos Amigos do Vinho do Espírito Santo (Soaves); R$ 1,9 mil para sócios da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS); e R$ 2 mil para não-sócios. A hospedagem fica por conta da Alianza Tour (0xx27 3315-4333).

Ecoturismo – Uma vez no Encontro, vale aproveitar para conhecer o deslumbrante Parque da Pedra Azul, que abre às sextas, sábados e domingos. Lá, fauna e flora encantam o visitante, que pode conhecer espécies como macaco-prego, tamanduá-de-colete e jaguatirica, que convivem na floresta salpicada de orquídeas e bromélias.

O parque tem três trilhas: a primeira é a do Lagarto, com 480 m; a segunda é a das Piscinas, com 1,2 mil metros, onde o turista pode mergulhar nas piscinas naturais escavadas nas pedras; e a terceira, a da Pedra Azul, tem 945 m. Ali, a surpresa é grande quando se avista o paredão da Pedra Azul, com seus mais de 500 m de altura. A região foi colonizada por alemães e italianos e possui uma das melhores redes hoteleiras do Estado.

A apenas 90 km da capital Vitória, o município possui várias fazendas abertas ao público, com passeios a cavalo, comida no forno a lenha e alambiques. Na Casa do Artesanato, doces e biscoitos dão água na boca.

Há, ainda, cachoeiras como a do Galo, a da Pedra Azul e a do Rio Jucu, onde acontece o circuito brasileiro de canoagem. Quem curte adrenalina, aliás, encontra um prato cheio, com rafting noturno, floating, bóia-cross, canyoning e trilhas. Outro ponto de destaque é a reserva Kautsky, orquidário com mais de 700 espécies.

Também devem estar incluídas no roteiro a Casa de Cultura, com documentos e fotografias da época da colonização, e a Igreja de Santa Isabel, fundada em 1850. Isso sem falar no relógio musical, movido a água, com um teatro mecânico sobre a vida de Cristo: uma relíquia da cidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;