Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Retratos de força e perseverança


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

13/09/2010 | 07:09


Os processos e a rotina árdua dos trabalhadores nessa que é uma das mais características produções agrícolas no Estado são o tema do fotógrafo carioca Paulo Avelar na exposição A Indústria da Cana-de-Açúcar, em cartaz a partir de hoje no Sesi Diadema. A mostra, que tem 16 imagens coletadas entre 2005 e 2008 em cidades como Araçatuba e Cerquilho, vai até o dia 1º e tem entrada franca.

"A cana é muito importante para São Paulo. Ela ganhou ainda mais força depois de 2006 (por conta do investimento em biocombustíveis). Um tópico importante dentro do projeto é o bóia fria. Para trabalhar na colheita da cana, o homem precisa ter força física e perserverança: a atividade é muito rude e eles a executam sob o sol forte e queimadas (necessárias para a colheita manual)", define Avelar que, além de acompanhar o corte, também registrou momentos da colheita mecanizada (que deve substituir grande parte do trabalho humano em pouquíssimo tempo) e do processo, já nas usinas.

O trabalho - de qualquer tipo - assim como os esportes e o urbano, são os focos de atenção de Avelar desde que começou a estudar fotografia de maneira autodidata a partir de 2003. "Até então era fotógrafo de viagens e eventos em família", diz ele, que é formado em Engenharia Elétrica.

O início das pesquisas em livros, revistas e internet coincide com o bom desempenho em um concurso cultural interno na Petrobras, onde trabalha no departamento de Marketing e Vendas. "Aí me animei a aprender de verdade e saí daquele estágio de fotógrafo de viagem", brinca ele.

O trabalho na estatal obrigou que ele se mudasse várias vezes. "Há 25 anos estou fora do Estado do Rio", diz o fotógrafo, que foi criado em Petrópolis. Depois de passar por algumas cidades do Nordeste, por Curitiba e São Paulo, ele está há cinco anos em Campinas, onde atende clientes por todo o interior paulista. "Viajo bastante e a câmera costuma ir no banco do carona."

De volta a São Paulo, soube dos programas do SESI e inscreveu, antes de A Indústria da Cana-de-Açúcar, outros dois projetos, um sobre a pesca industrial em Itajaí, Santa Catarina, e outra só sobre Paraty.

Indústria da Cana-de-Açúcar - Exposição Fotográfica. No SESI Diadema - Avenida Paranapanema, 1.500 Bairro Taboão. Tel.: 4091-0883. 2ª à 6ª, das 9h às 21h; sáb., dom. e feriados, das 9h às 17h. Grátis. Até dia 1º.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Retratos de força e perseverança

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

13/09/2010 | 07:09


Os processos e a rotina árdua dos trabalhadores nessa que é uma das mais características produções agrícolas no Estado são o tema do fotógrafo carioca Paulo Avelar na exposição A Indústria da Cana-de-Açúcar, em cartaz a partir de hoje no Sesi Diadema. A mostra, que tem 16 imagens coletadas entre 2005 e 2008 em cidades como Araçatuba e Cerquilho, vai até o dia 1º e tem entrada franca.

"A cana é muito importante para São Paulo. Ela ganhou ainda mais força depois de 2006 (por conta do investimento em biocombustíveis). Um tópico importante dentro do projeto é o bóia fria. Para trabalhar na colheita da cana, o homem precisa ter força física e perserverança: a atividade é muito rude e eles a executam sob o sol forte e queimadas (necessárias para a colheita manual)", define Avelar que, além de acompanhar o corte, também registrou momentos da colheita mecanizada (que deve substituir grande parte do trabalho humano em pouquíssimo tempo) e do processo, já nas usinas.

O trabalho - de qualquer tipo - assim como os esportes e o urbano, são os focos de atenção de Avelar desde que começou a estudar fotografia de maneira autodidata a partir de 2003. "Até então era fotógrafo de viagens e eventos em família", diz ele, que é formado em Engenharia Elétrica.

O início das pesquisas em livros, revistas e internet coincide com o bom desempenho em um concurso cultural interno na Petrobras, onde trabalha no departamento de Marketing e Vendas. "Aí me animei a aprender de verdade e saí daquele estágio de fotógrafo de viagem", brinca ele.

O trabalho na estatal obrigou que ele se mudasse várias vezes. "Há 25 anos estou fora do Estado do Rio", diz o fotógrafo, que foi criado em Petrópolis. Depois de passar por algumas cidades do Nordeste, por Curitiba e São Paulo, ele está há cinco anos em Campinas, onde atende clientes por todo o interior paulista. "Viajo bastante e a câmera costuma ir no banco do carona."

De volta a São Paulo, soube dos programas do SESI e inscreveu, antes de A Indústria da Cana-de-Açúcar, outros dois projetos, um sobre a pesca industrial em Itajaí, Santa Catarina, e outra só sobre Paraty.

Indústria da Cana-de-Açúcar - Exposição Fotográfica. No SESI Diadema - Avenida Paranapanema, 1.500 Bairro Taboão. Tel.: 4091-0883. 2ª à 6ª, das 9h às 21h; sáb., dom. e feriados, das 9h às 17h. Grátis. Até dia 1º.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;