Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

OCDE confirma mais um instrumento de adesão pelo Brasil; 104 no total agora



27/01/2022 | 17:31


Na semana que a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) abriu o processo de entrada de seis países, inclusive o Brasil, a instituição confirmou nesta quinta, 27, a adesão do Brasil de mais um instrumento de adesão às práticas da entidade que tem sede em Paris. A informação foi passada há pouco pelo embaixador permanente do Brasil na instituição, Carlos Marcio Cozendey.

Desta vez, a adesão foi para o tema "Crianças no ambiente digital". Com isso, o Brasil passa a ter 104 adesões aos 251 instrumentos exigidos pelo organismo multilateral no processo para se tornar um membro da instituição.

A abertura dos trâmites pela OCDE ocorreu também para Argentina, Peru, Croácia, Bulgária e Romênia. De todos os candidatos, o Brasil é o que está mais alinhado com as práticas e padrões da organização até o momento. Em segundo lugar está a Romênia (53) e, na lanterna, a Croácia (28).

Apesar do avanço em algumas áreas, as questões fiscais são o maior obstáculo para que o Brasil consiga uma vaga na Organização, de acordo com a secretaria executiva do Ministério da Economia. Desde a solicitação, em 2017, o Brasil não interrompeu o processo de adequar seus parâmetros aos da OCDE, mesmo com a indefinição na entidade sobre se e como abriria vagas.

Documento interno do Ministério da Economia, que explica a relevância do organismo e enfatiza a importância de o Brasil se tornar um de seus membros, detalha os itens ainda pendentes: 18% estão em processo de adesão, 19% não têm qualquer tipo de conflito com as exigências da OCDE, 10% estão em avaliação e 12% representam "algum desafio".

No grupo mais delicado e que somam 30 instrumentos, o maior obstáculo (23%) tem relação com assuntos fiscais, segundo o governo. Na sequência estão investimentos (17%), política científica e tecnológica e transporte marítimo (com 10% cada), crédito à exportação, construção naval e meio ambiente (7% cada). Com 3% cada estão temas ligados ao turismo, apoio ao desenvolvimento, química e saúde. As áreas de emprego, trabalho e assuntos sociais e de seguros e pensões privadas também são apresentados, mas não há um porcentual revelado.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;