Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Morre o cineasta Claude Chabrol


Da AFP

13/09/2010 | 07:05


Aos 80 anos, morreu ontem o cineasta francês Claude Chabrol, em Paris, na França. As causas da morte, até o fechamento desta edição, não foram divulgadas.

Chabrol descreveu com bom humor, através de sua extensa obra, os defeitos da burguesia provinciana francesa.

Nascido em 24 de junho de 1930 na capital francesa, filho de uma família de farmacêuticos, Chabrol passou a adolescência, vivida em plena Segunda Guerra Mundial, em Creuse, de onde só saiu para cursar as faculdades de Letras e Farmácia em Paris.

Ainda como crítico de cinema, participou do lançamento da Nouvelle Vague, escrevendo na revista Cahiers du Cinéma (1952-1957) junto com François Truffaut e Jacques Rivette.

Em pouco tempo, Claude Chabrol se impôs como autor, realizador e produtor de seus filmes. Nas Garras do Vício (Le Beau Serge, 1957), con Jean-Claude Brialy, recebeu o prêmio Jean Vigo e o grande prêmio do Festival de Locarno em 1958. Já Os Primos (Les Cousins) conquistou em 1959 o Urso de Ouro do Festival de Berlim.

Chabrol se divorciou para casar-se novamente com a atriz Stéphane Audran, sua atriz musa, que interpretou papéis marcantes em filmes como A Mulher Infiel (La Femme Infidèle) e O Açougueiro (Le Boucher) de 1969, além de Ao Anoitecer (Juste Avant la Nuit, 1970).

Chabrol pintou com crueldade e sem recato o comportamento e os hábitos da burguesia provinciana, com seus escândalos encobertos por uma fachada de respeitabilidade, sem hesitar na hora de forçar as situações até o limite da queda absoluta.

Com Violette (1978), célebre envenenadora parricida dos anos 30, o cineasta contribuiu para revelar o talento da atriz francesa Isabelle Huppert, a quem escalou para estrelar cinco outros filmes, entre os quais Um Assunto de Mulheres (Une Affaire de Femmes, 1988), Mulheres Diabólicas (La Cérémonie, 1995) e A Teia de Chocolate (Merci Pour le Chocolat, 2000).

Outros filmes mais leves, como Deleagdo Lavardin (Inspecteur Lavardin, 1986) e Frango ao Vinagrete (Poulet au Vinaigre, 1985), que contam histórias policiais estreladas pelo ator Jean Poiret, foram grandes sucessos de bilheteria.

O conjunto de sua obra, com mais de 80 filmes para o cinema e a televisão, foi coroado com o Prêmio René Clair da Academia Francesa (2005) e o Grande Prêmio 2010 de autores e compositores dramáticos.

Chabrol se casou pela terceira vez em 1983 com Aurore Pajot, e era pai de quatro filhos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre o cineasta Claude Chabrol

Da AFP

13/09/2010 | 07:05


Aos 80 anos, morreu ontem o cineasta francês Claude Chabrol, em Paris, na França. As causas da morte, até o fechamento desta edição, não foram divulgadas.

Chabrol descreveu com bom humor, através de sua extensa obra, os defeitos da burguesia provinciana francesa.

Nascido em 24 de junho de 1930 na capital francesa, filho de uma família de farmacêuticos, Chabrol passou a adolescência, vivida em plena Segunda Guerra Mundial, em Creuse, de onde só saiu para cursar as faculdades de Letras e Farmácia em Paris.

Ainda como crítico de cinema, participou do lançamento da Nouvelle Vague, escrevendo na revista Cahiers du Cinéma (1952-1957) junto com François Truffaut e Jacques Rivette.

Em pouco tempo, Claude Chabrol se impôs como autor, realizador e produtor de seus filmes. Nas Garras do Vício (Le Beau Serge, 1957), con Jean-Claude Brialy, recebeu o prêmio Jean Vigo e o grande prêmio do Festival de Locarno em 1958. Já Os Primos (Les Cousins) conquistou em 1959 o Urso de Ouro do Festival de Berlim.

Chabrol se divorciou para casar-se novamente com a atriz Stéphane Audran, sua atriz musa, que interpretou papéis marcantes em filmes como A Mulher Infiel (La Femme Infidèle) e O Açougueiro (Le Boucher) de 1969, além de Ao Anoitecer (Juste Avant la Nuit, 1970).

Chabrol pintou com crueldade e sem recato o comportamento e os hábitos da burguesia provinciana, com seus escândalos encobertos por uma fachada de respeitabilidade, sem hesitar na hora de forçar as situações até o limite da queda absoluta.

Com Violette (1978), célebre envenenadora parricida dos anos 30, o cineasta contribuiu para revelar o talento da atriz francesa Isabelle Huppert, a quem escalou para estrelar cinco outros filmes, entre os quais Um Assunto de Mulheres (Une Affaire de Femmes, 1988), Mulheres Diabólicas (La Cérémonie, 1995) e A Teia de Chocolate (Merci Pour le Chocolat, 2000).

Outros filmes mais leves, como Deleagdo Lavardin (Inspecteur Lavardin, 1986) e Frango ao Vinagrete (Poulet au Vinaigre, 1985), que contam histórias policiais estreladas pelo ator Jean Poiret, foram grandes sucessos de bilheteria.

O conjunto de sua obra, com mais de 80 filmes para o cinema e a televisão, foi coroado com o Prêmio René Clair da Academia Francesa (2005) e o Grande Prêmio 2010 de autores e compositores dramáticos.

Chabrol se casou pela terceira vez em 1983 com Aurore Pajot, e era pai de quatro filhos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;