Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 16 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O bonde, a bica, o casarão da Santo André dos anos 1910

Há um século, Santo André também teve o seu chafariz público, a exemplo dos chafarizes paulistanos dos séculos 18, 19 e 20...


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

13/01/2010 | 00:00


Há um século, Santo André também teve o seu chafariz público, a exemplo dos chafarizes paulistanos dos séculos 18, 19 e 20.

* * *

Assim era o centro histórico de Santo André dos anos 1900, 1910 e 1920 nas lembranças de Nelson Cardoso Franco. Num desenho a bico de pena, ele colocou todos os elementos que sua memória guardou da infância, com destaque para o casarão de uma das esquinas das ruas General Glicério e Bernardino de Campos.

O desenho original foi publicado na edição de 6 de maio de 1951 de um semanário editado em Santo André chamado Borda do Campo e republicado aqui em Memória na edição de 12 de maio de 1988. Para facilitar a releitura da paisagem, Agostinho Fratini, da Editoria de Artes do Diário, redesenhou a paisagem.

O cenário é descrito por Nelson Cardoso Franco:

O BONDINHO

Era puxado a burros. Interligava os arredores da estação ferroviária até a Chácara Beliche, nome original do atual Parque Prefeito Celso Daniel, que já foi a Chácara São Luiz (então propriedade de Luiz Monteiro de Carvalho), Chácara da GE e Parque Duque de Caxias.

A chácara pertencia a Abílio Soares. Foi ele quem instalou e manteve o bondinho. A Chácara Beliche chegou a ser visitada pelo governador paulista Bernardino de Campos, em 1903, conforme notícias publicadas pelos jornais paulistanos da época.

O SOBRADÃO

Foi construído por um negociante chamado Jaime, construtor de outros imóveis do gênero em Santo André.

COMÉRCIO

Neste cenário, os irmãos De Gesso mantiveram um salão de barbeiro. Um napolitano apelidado Tamanduá teve uma farmácia.

BAILES

Numa das salas próximas ao casarão eram realizados bailes públicos, aos domingos, animados por Eugênio sanfoneiro. Cada contradança custava 1 tostão.

CHAFARIZ

As composições da SPR (São Paulo Railway) necessitavam de água. A companhia ferroviária construiu um reservatório na Avenida Portugal. Como a água era abundante, a SPR fez uma sangria na adutora e colocou um cano de três quartos fixado em um trilho e uma torneira de apertar.

Moradores do sobradão, das casinhas e vizinhança usavam a água para beber, cozinhar e lavar roupas em tinas que formavam pequena lavanderia, "muito cômoda e útil para o tempo", relembrava Nelson Cardoso Franco.

As casinhas da paisagem foram demolidas em 1913, e o sobradão em 1926.

FONTE

A coleção do jornal Borda do Campo foi reunida pelo historiador Octaviano Gaiarsa e repassada ao Serviço de Memória de São Bernardo pelo jornalista e professor Valdenizio Petrolli. As páginas consultadas estão digitalizadas.

DIÁRIO HÁ 30 ANOS

Domingo, 13 de janeiro de 1980

Destaque - Os problemas da estação de Santo André.

Cinema - Heitor Capuzzo estréia no Diário como crítico de cinema. Analisa o filme A árvore dos tamancos.

Editorial - Quadro político vai definindo tendências.

Primeiro Plano (Eduardo Camargo) - Empresas de engenharia manifestam desagrado.

EM 13 DE JANEIRO DE...

1750 - Tratado de Madrid fixa limites entre os domínios de Portugal e Espanha na América.

1900 - Celebrados os dois primeiros casamentos do século em São Bernardo: Antonio Ragghiante e Armínia Armitta; Carlos Battistini e Rosa Spessotti.

1945 - Estrada de Ferro São Paulo Railway decide eletrificar o trecho entre Santo André e Jundiaí.

1970 - Ministro Costa Cavalcanti inaugura o Conjunto Residencial Samuel Gompers, em São Bernardo.

Agenda da Fundação Pró-Memória

55 anos da inauguração do Estádio Municipal Anacleto Campanella (1955).

SANTOS DO DIA

Hilário de Poitiers, Leôncio e Verônica.

Igreja celebra o batismo de Nosso Senhor (estampa).

Crédito da estampa: acervo Vangelista Bazzani (Gili) e João de Deus Martinez.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O bonde, a bica, o casarão da Santo André dos anos 1910

Há um século, Santo André também teve o seu chafariz público, a exemplo dos chafarizes paulistanos dos séculos 18, 19 e 20...

Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

13/01/2010 | 00:00


Há um século, Santo André também teve o seu chafariz público, a exemplo dos chafarizes paulistanos dos séculos 18, 19 e 20.

* * *

Assim era o centro histórico de Santo André dos anos 1900, 1910 e 1920 nas lembranças de Nelson Cardoso Franco. Num desenho a bico de pena, ele colocou todos os elementos que sua memória guardou da infância, com destaque para o casarão de uma das esquinas das ruas General Glicério e Bernardino de Campos.

O desenho original foi publicado na edição de 6 de maio de 1951 de um semanário editado em Santo André chamado Borda do Campo e republicado aqui em Memória na edição de 12 de maio de 1988. Para facilitar a releitura da paisagem, Agostinho Fratini, da Editoria de Artes do Diário, redesenhou a paisagem.

O cenário é descrito por Nelson Cardoso Franco:

O BONDINHO

Era puxado a burros. Interligava os arredores da estação ferroviária até a Chácara Beliche, nome original do atual Parque Prefeito Celso Daniel, que já foi a Chácara São Luiz (então propriedade de Luiz Monteiro de Carvalho), Chácara da GE e Parque Duque de Caxias.

A chácara pertencia a Abílio Soares. Foi ele quem instalou e manteve o bondinho. A Chácara Beliche chegou a ser visitada pelo governador paulista Bernardino de Campos, em 1903, conforme notícias publicadas pelos jornais paulistanos da época.

O SOBRADÃO

Foi construído por um negociante chamado Jaime, construtor de outros imóveis do gênero em Santo André.

COMÉRCIO

Neste cenário, os irmãos De Gesso mantiveram um salão de barbeiro. Um napolitano apelidado Tamanduá teve uma farmácia.

BAILES

Numa das salas próximas ao casarão eram realizados bailes públicos, aos domingos, animados por Eugênio sanfoneiro. Cada contradança custava 1 tostão.

CHAFARIZ

As composições da SPR (São Paulo Railway) necessitavam de água. A companhia ferroviária construiu um reservatório na Avenida Portugal. Como a água era abundante, a SPR fez uma sangria na adutora e colocou um cano de três quartos fixado em um trilho e uma torneira de apertar.

Moradores do sobradão, das casinhas e vizinhança usavam a água para beber, cozinhar e lavar roupas em tinas que formavam pequena lavanderia, "muito cômoda e útil para o tempo", relembrava Nelson Cardoso Franco.

As casinhas da paisagem foram demolidas em 1913, e o sobradão em 1926.

FONTE

A coleção do jornal Borda do Campo foi reunida pelo historiador Octaviano Gaiarsa e repassada ao Serviço de Memória de São Bernardo pelo jornalista e professor Valdenizio Petrolli. As páginas consultadas estão digitalizadas.

DIÁRIO HÁ 30 ANOS

Domingo, 13 de janeiro de 1980

Destaque - Os problemas da estação de Santo André.

Cinema - Heitor Capuzzo estréia no Diário como crítico de cinema. Analisa o filme A árvore dos tamancos.

Editorial - Quadro político vai definindo tendências.

Primeiro Plano (Eduardo Camargo) - Empresas de engenharia manifestam desagrado.

EM 13 DE JANEIRO DE...

1750 - Tratado de Madrid fixa limites entre os domínios de Portugal e Espanha na América.

1900 - Celebrados os dois primeiros casamentos do século em São Bernardo: Antonio Ragghiante e Armínia Armitta; Carlos Battistini e Rosa Spessotti.

1945 - Estrada de Ferro São Paulo Railway decide eletrificar o trecho entre Santo André e Jundiaí.

1970 - Ministro Costa Cavalcanti inaugura o Conjunto Residencial Samuel Gompers, em São Bernardo.

Agenda da Fundação Pró-Memória

55 anos da inauguração do Estádio Municipal Anacleto Campanella (1955).

SANTOS DO DIA

Hilário de Poitiers, Leôncio e Verônica.

Igreja celebra o batismo de Nosso Senhor (estampa).

Crédito da estampa: acervo Vangelista Bazzani (Gili) e João de Deus Martinez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;