Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Tapeçaria de Burle Marx não tem data para voltar ao Paço

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mobilização de auditores da Receita impede a liberação da obra de arte para Santo André


Miriam Gimenes

14/10/2016 | 07:00


 A novela envolvendo a tapeçaria assinada pelo paisagista e artista plástico Roberto Burle Marx (1909-1994), um dos mais importantes patrimônios públicos e culturais de Santo André, deve demorar alguns dias para ter fim. É que a mobilização dos auditores da Receita Federal, que desde agosto estão praticando espécie de operação-padrão – com a fiscalização e liberação de mercadorias mais lenta –, depende da aprovação de projeto de lei que implementa reajuste salarial e bonificação de eficiência para carreira para seu desfecho. No Congresso desde julho, o relatório deve ser votado na terça-feira pela Câmara dos Deputados. Enquanto isso, a obra de arte, avaliada em R$ 3 milhões, deve permanecer no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Segundo o sindifisco, órgão que representa os auditores fiscais, pelo menos até dia 18 eles manterão a lentidão nas liberações. A categoria reivindica aumento de 21,3% em quatro anos e bônus que pode chegar a R$ 7.000.

O secretário de Cultura de Santo André, Tiago Nogueira, atribui a demora da liberação ao presidente da República. “A culpa é do Michel Temer. Se ele não der aumento os funcionários da Receita não liberam.” Ele diz que a Prefeitura já está preparada para receber a peça há tempos, tanto que reformou o chassi que a sustenta na parede do Salão Nobre do Paço Municipal. “Enviamos pessoas lá (aeroporto) para ver como está, mas não tem sentido mandar todos os dias. Seguimos acompanhando o desenrolar da greve, que é um direito mantido pela Constituição.” Ele diz tratar-se de situação que está fora do seu controle. Nogueira garante, no entanto, que a peça não deve sofrer nenhuma avaria. Por se tratar de uma obra de arte, foi colocada em caixa especial e deve ser mantida em sala com temperatura ideal e segurança. “Ela já fez outras viagens em outras situações, inclusive de navio. Estou bem tranquilo em relação às suas condições.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tapeçaria de Burle Marx não tem data para voltar ao Paço

Mobilização de auditores da Receita impede a liberação da obra de arte para Santo André

Miriam Gimenes

14/10/2016 | 07:00


 A novela envolvendo a tapeçaria assinada pelo paisagista e artista plástico Roberto Burle Marx (1909-1994), um dos mais importantes patrimônios públicos e culturais de Santo André, deve demorar alguns dias para ter fim. É que a mobilização dos auditores da Receita Federal, que desde agosto estão praticando espécie de operação-padrão – com a fiscalização e liberação de mercadorias mais lenta –, depende da aprovação de projeto de lei que implementa reajuste salarial e bonificação de eficiência para carreira para seu desfecho. No Congresso desde julho, o relatório deve ser votado na terça-feira pela Câmara dos Deputados. Enquanto isso, a obra de arte, avaliada em R$ 3 milhões, deve permanecer no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Segundo o sindifisco, órgão que representa os auditores fiscais, pelo menos até dia 18 eles manterão a lentidão nas liberações. A categoria reivindica aumento de 21,3% em quatro anos e bônus que pode chegar a R$ 7.000.

O secretário de Cultura de Santo André, Tiago Nogueira, atribui a demora da liberação ao presidente da República. “A culpa é do Michel Temer. Se ele não der aumento os funcionários da Receita não liberam.” Ele diz que a Prefeitura já está preparada para receber a peça há tempos, tanto que reformou o chassi que a sustenta na parede do Salão Nobre do Paço Municipal. “Enviamos pessoas lá (aeroporto) para ver como está, mas não tem sentido mandar todos os dias. Seguimos acompanhando o desenrolar da greve, que é um direito mantido pela Constituição.” Ele diz tratar-se de situação que está fora do seu controle. Nogueira garante, no entanto, que a peça não deve sofrer nenhuma avaria. Por se tratar de uma obra de arte, foi colocada em caixa especial e deve ser mantida em sala com temperatura ideal e segurança. “Ela já fez outras viagens em outras situações, inclusive de navio. Estou bem tranquilo em relação às suas condições.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;